Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Uma falácia

João Gonçalves 3 Abr 15

 

«O menos que se pode dizer da operação que levou António Costa a secretário-geral do PS e a candidato a primeiro-ministro é que não foi “elegante”. Nessa altura, muita gente desculpou ou justificou a grosseria e a brutalidade da coisa, porque esperava de António Costa uma nova oposição ao governo lúcida e compreensível e, sobretudo, com princípio, meio e fim. A discrição e as meias-frases na Quadratura do Círculo davam a impressão de esconder um pensamento sólido e um plano político original, que nos tirasse do lugar-comum e da pura irrelevância do debate instituído. Infelizmente, não aconteceu nada disso. Nem nos rituais do Congresso Socialista, nem a seguir em meia dúzia de entrevistas de uma “prudência” claramente exagerada e de uma ambiguidade extrema, António Costa saiu da mastigação das velhas lamúrias da esquerda e da extrema-esquerda. Esperança não trouxe nenhuma; e extinguiu depressa o entusiasmo das “primárias” do PS, em que não se sabe ao certo quem votou. Apareceu então um putativo salvador que se calava ou, quando se mexia, era como se andasse a pisar ovos. O que, de resto, não o salvou de erros sem desculpa. Prometeu baixar o IVA da restauração para 13% (como se os 23% não tivessem também o objectivo de melhorar a qualidade dos serviços prestados); prometeu a “reposição total” dos salários (do Estado, claro) e das pensões, sem explicar onde iria buscar o dinheiro para essa extravagância; prometeu que os municípios passariam a reter uma indeterminada percentagem do IVA, gerado localmente; e prometeu um “programa nacional” de “requalificação urbana”, aparentemente financiado pela “Europa”. Ora isto por um lado é muito, e por outro lado muito pouco. Meia dúzia de medidas não faz um plano estratégico; e um plano estratégico precisa de uma inspiração unificadora, capaz de ser adoptada e compreendida pelo cidadão comum.  Mas, para nossa desgraça, António Costa, talvez por falta de inspiração própria, não mostrou até agora capacidade para inspirar ninguém. No governo foi um razoável ministro; na câmara um administrador sofrível; e no partido um ambicioso hábil. O que não chega para um país sem futuro certo ou destino visível. Tropeçando de papel em papel e de comissão em comissão, António Costa vai fatalmente desaparecer, já desapareceu, no cansaço e no desespero dos portugueses.»

 

Vasco Pulido Valente, Público

2 comentários

De Anónimo a 03.04.2015 às 17:50

A "muita gente" é a gente do PS "que não se sabe ao certo quem" é, que deu 99% ao animal em congresso e que "esperava" coisa nenhuma, senão carregar num botão e ganhar na lotaria. A impressão da Quadratura era "claríssima" para quem estava com fome e encantado com o sonho e a ilusão, porque o vazio de ideias e a maneira como contornava todos os aspectos e assuntos inconvenientes usando de truques muito mal disfarçados já definia o carácter do desastre que aí vinha. Mais do que um ambicioso hábil, um hábil habilidoso, talvez. Mas os apoiantes do PS que fazem o que foi feito a Seguro não merecem outra coisa, senão Costa, que os representa de bem a perfeitamente. Os pobres coitados, dificilmente encontrarão alguém tão igual aos seus sonhos. A seguir virá um vazio ainda maior, porque a máquina já se ajustou para fazer só isso, não sem antes de lá expurgar um género de pessoas que seriam excelentes para o partido, mas não para a elite que julga sê-lo e tê-lo na barriga. Silva Lopes era um excelente exemplo disso, como Daniel Bessa e outros, que não interessam nada à camuflagem nem à maximização do Princípio de Peter. A verdade é simples: transformaram o partido em merda.

De Marquês Barão a 05.04.2015 às 12:37

O indiferente. Se com Henrique Neto ainda piou para o dizer, quanto a Sampaio da Nóvoa ainda não foi capaz de abrir o bico. Os socialistas cá do sitio não tendo nada da casa que se apresente alugaram um batedor. Se este Sampaio cheira a Jorge, da parte do PSD espera-se um golpe de asa que surpreenda com o apoio a Henrique Neto. Deste lado é tempo de Passos mandar sossegar os corredores de setas ao peito que se atropelam na linha de partida disparando elásticos de recreio. Carro vassoura com eles

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor