Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Manifestações republicanas

João Gonçalves 11 Jan 15

 

Os franceses manifestam-se com frequência. Estava em Paris na semana que precedeu a segunda volta das presidenciais, em 2002, entre Chirac e Le Pen. Todos os dias houve uma manifestação. No dia 1 de Maio, fora as habituais alusivas ao dia, também a Frente Nacional atravessou a capital para se deter em frente à Ópera para ouvir, para aí durante cerca de três horas, o pai da actual líder. Em 45, imediatamente após a "Libertação", De Gaulle desceu os Campos Elísios com uma multidão atrás dele. Vinte e tal anos depois, com o país dividido na sequência dos episódios de Maio de 68, o "povo gaullista" juntou-se aos milhares numa "marcha patriótica" liderada por André Malraux de apoio ao presidente. No dia da sua posse, em 1981, Mitterrand subiu a Rua Soufflot a caminho do Panteão rodeado pelo "peuple de gauche" finalmente admitido na V República fundada por De Gaulle. Até o pobre Hollande encheu a Bastilha na noite da sua vitória. As "manifestações republicanas" são, pois, uma constante em França sobretudo desde a "diluição" do regime gaullista nos seus sucedâneos híbridos e nas "coabitações". Chirac arrecadou quase oitenta por cento dos votos na reeleição à conta disto. Apesar de Marine Le Pen ter sido recebida pelo Presidente no Eliseu, os "manifestantes republicanos" não a quiseram ver, ou aos seus, por perto nas ruas em defesa da liberdade. Erraram. Le Pen foi, e adequadamente, criticada pela sugestão acerca de um referendo sobre a pena de morte num país que só a aboliu com a emergência presidencial de Mitterrand. Mas também por ter reivindicado a revisão de Schengen. Aparentemente muitos responsáveis governamentais europeus pelas pastas da administração interna concordam com ela e pretendem "estudar" a matéria. Depois de vencer as "europeias", Marine Le Pen persiste desprezada pelos oligarcas da V República. Os avoengos haviam feito o mesmo a Mitterrand entre 1958 e 1981. Oxalá não se arrependam.

A vantagem gaulesa

João Gonçalves 31 Mar 14

 

Sem eleições presidenciais ou para a Assembleia Nacional, e após uma derrota brutal nas autárquicas, François Hollande nomeou um novo primeiro-ministro, Manuel Valls, um social-democrata do PS e, até agora, ministro do interior. Os problemas da França, salvaguardadas as devidas distâncias, são semelhantes aos nossos: desemprego, ausência de crescimento, diminuição do rendimento disponível. E os socialistas gauleses têm exercido o poder praticamente da mesma forma que os governos de centro-direita na Europa da chanceler Merkel. Infelizmente o sistema de governo doméstico não permite a substituição do primeiro-ministro nos termos constitucionais em que é possível fazê-lo em França. Porque, se fosse, Passos Coelho deveria ser substituído, depois das "europeias" e do encerramento formal do programa de ajustamento, por outra personalidade oriunda do PSD uma vez que não parece verosímil a ocorrência de eleições legislativas antes do próximo ano. O primeiro-ministro evidencia, sempre que pode e com aparente gosto, que se "esgota" politicamente no cumprimento do programa que termina em Maio e na consolidação orçamental, custe o que custar. Assim auto-limitado e auto-complacente, revela não possuir qualquer outro desígnio para o país que não seja o de puxar a vida das pessoas para baixo por conta de uns poucos "indicadores" variáveis para cima. É curto.

O vazio ocupado

João Gonçalves 23 Mar 14

 

Em França, nas autárquicas (1ª volta), o PS, no poder, desce, a UMP sobe e, sobretudo, sobem os partidários de Marine Le Pen que são eleitos à primeira como nunca imaginaram (e os "sistémicos" ainda menos o imaginavam do que eles) poder vir a ser. Mais dia menos dia, se calhar já na sequência das "europeias" de Maio, lá terão os "sistémicos" das esquerdas e das direitas gaulesas de apelar à "frente republicana". Cá é o "arco da governabilidade" que faz esse emplástrico papel de mais directo responsável, não por "sucessos" como os de M. Le Pen, mas pelo legítimo afastamento das pessoas em relação a uma vida pública acéfala e vazia.

 

Foto: Patrick Hertzog, AMP

A França num capacete

João Gonçalves 25 Jan 14

 

Consta que alguns assessores de Hollande recomendaram que o presidente passasse a declarar-se celibatário. A avaliar pela cara do Papa quando o recebeu no Vaticano, Hollande ainda não adquiriu institucionalmente esse estatuto. Na sua vida privada, aquela com quem ninguém tem nada a ver, fê-lo hoje. Se seguir as pisadas do seu antecessor, porém, não tardará em levar a chochinha que frequenta de motorizada para o palácio presidencial. Hollande, à semelhança do nosso dr. Passos, apresentou-se com uma pessoa "normal" por contraponto à nervoseira convencida instalada antes dele. Insistiu, aliás, no termo nos debates com Sarkozy. Mas, como praticamente todas as indistintas "elites" político-partidárias que governam a Europa, do Cabo Espichel aos mais recentes aderentes da "causa" europeia, Hollande revelou-se não tanto uma personalidade "normal" quanto uma personalidade vulgar. Aparentemente ninguém o leva muito a sério em casa ou na chamada "Europa" que ele tanto jurou vir mudar.  A França há muito que vinha perdendo o estatuto de "farol" intelectual e político que a distinguiu sobretudo a partir do fim do século XVIII. Mitterrand foi o último a preservar essa "herança" imaterial talvez porque a partir de certo momento, e pelos mais variados motivos, parecia intemporal e inatingível. Mais do que qualquer outra coisa, o famoso capacete de Hollande "oculta" algo que agora não existe e que De Gaulle designava por "uma ideia da França". A senhora Le Pen agradece.

O regresso da "mão direita de Deus"

João Gonçalves 21 Jan 14

 

«Hollande revelou-se um político banal. Daqueles que mentem, deliberadamente, para ganhar eleições. Mas, desta vez, Marx não tem razão. A comédia de Hollande não repete nenhuma tragédia anterior. Pelo contrário, antecipa uma calamidade que se tornará praticamente inevitável. Hollande acabou de oferecer não só a vitória nas Europeias à Frente Nacional como escancarou as portas da Presidência a Marine Le Pen. A crise vai deslocar-se da periferia para o coração da Europa, prometendo um espectáculo de "som e fúria". Todos seremos actores. Quer queiramos quer não.»

 

V. Soromenho-Marques, DN

A farpa no "consenso"

João Gonçalves 23 Jun 13

 

Em França, o "consenso" - essa palavra delicodoce tão para tudo quanto para nada - republicano ameaça romper-se com a emergência demasiado fulgurante de Marine Le Pen. Depois da desilusão centro-direita representada por Sarkozy, parece estar em marcha a desilusão centro-esquerda com Hollande. Para mais, Hollande ainda não encontrou (nem se sabe se a senhora deixará que ele, ou outro qualquer, encontre) o "tom" adequado para a Europa comandada por Merkel. Em 2002, entre a 1ª e 2ª volta das presidenciais, assisti em Paris, por acaso, a um desfile da Frente Nacional ainda com o pai Le Pen. O senhor falou quase três horas, em frente à Ópera, e ninguém arredou pé. Mais de dez anos depois, a filha segue a estratégia dos pequenos passos de Lenine e pode obter um resultado surpreendente nas europeias da Primavera que vem. Uma coisa dessas fatalmente obrigaria a Europa a, como diriam os nossos ensaístas de serviço, "revisitar-se" e a libertar-se forçosamente do torpor idiota que a atravessa. Às vezes há males que vêm por bem.

Este também não vai longe

João Gonçalves 30 Abr 13



Para citar John Le Carré - e o Hollande é apenas uma ilustração do que pretendo denotar e até pode ser que lhe passe -, «talvez a esperança esteja apenas naquilo que cada um de nós pode fazer.»

O 14 de Julho

João Gonçalves 15 Jul 12

 

Com um dia de atraso, a celebração do Dia Nacional da França: Julho de 1989, por ocasião do Bicentenário da Revolução Francesa promovido sob a égide de François Mitterrand, a Marselhesa dirigida por Georges Prêtre na abertura da Ópera da Bastilha.

Tags

Entretanto em França

João Gonçalves 17 Jun 12

 

Como é impossível ver qualquer uma das televisões portuguesas, ligo a France2 para acompanhar as legislativas francesas. Hollande ganha em toda a linha - maioria absoluta para o PS sem necessidade de apêndices- salvo em La Rochelle onde Ségolène Royal, ódio de estimação da actual Mme. Holande, perdeu e, por consequência, não entra na Assembleia Nacional. Jack Lang, ex-ministro da cultura de Mitterrand, também não. E o centrista Bayrou também não. Marine Le Pen ficou de fora mas alguém da Frente Nacional vai sentar-se lá (por exemplo, a neta de Le Pen, Marion). Mitterrand, que acreditava nas forças do espírito, lá onde quer que se encontre tem motivos para sorrir.

Tags

As mulheres de Hollande

João Gonçalves 13 Jun 12



A mulher é lindíssima e amplamente charmosa. Como lhe compete, não suporta a antecessora na vida afectiva do companheiro. Sucede que o companheiro - que termo mais horroroso herdado dos partidos comunistas em que são todos "companheiras" e "companheiros" em vez de mulheres, maridos ou amantes - é o Presidente da França e a antecessora, a infeliz Ségolène Royal, quer presidir à Assembleia Nacional, quem sabe, para seguir o exemplo da nossa Dra. Assunção apesar de, em França, o cargo corresponder protocolarmente ao quarto lugar da hierarquia do Estado. Ségolène fez de paraquedista numa circunscrição, La Rochelle, que nunca foi a dela e passou pela humilhação de o candidato local do PS (que o era há anos) a ter colocado em "ballotage" o que para uma aspirante a presidente da AN é um péssimo prenúncio. Hollande apoia a ex-mulher e a actual o senhor do PS local. Parafraseando um dito popular por forma a não chocar os leitores, as mulheres em sendo muitas tiram o ganho umas às outras. Como escreve Júlio de Magalhães no seu blogue, «apetece dizer:  "Antes levassem homens".»

Tags

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor