Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O prof. Maduro devia dedicar-se em exclusivo ao que aparentemente domina: a Europa e os fundos. Foi encerrar o congresso das freguesias, onde o vaiaram, em que alguns dos presentes deixaram a sala para não ter de o ouvir. E merecia outra solene vaia pela entrevista que concedeu ao Público de domingo. Porventura realizada antes desta outra, surrealista, do presidente da RTP, todavia a coisa não deixa de parecer uma contenda floral entre duas pessoas que manifestamente não se entendem. Mesmo assim, o ministro deveria ter sido questionado (nem que fosse a posteriori) sobre os ditos do seu original tutelado que parece andar "à solta". Por exemplo, o que é que justifica que uma empresa pública, cujos "encaixes" financeiros engordam este ano 26 milhões de euros à conta da taxa do audiovisual (paga o consumidor de electricidade independentemente de "consumir" ou não RTP), gaste mais de 80 mil euros em sessões místicas de "motivação"? O ministro diz que é para pagar rescisões e canais internacionais. Será? Mas Poiares Maduro discorre abundantemente sobre o novo "modelo de gestão" assente na figura do "conselho geral independente" cuja composição já repousa misteriosamente na sua "cabeça". Se lermos com atenção, na verdade Maduro só consegue tornar ainda mais turva a sopa da gestão da RTP com as "explicações" que adianta. Porque uma coisa é certa. Com mais ou menos anacoretas a girar pelo dito "conselho", a tutela financeira permanece no Estado, mais propriamente nas Finanças, o que significa no governo - neste e nos que se lhe seguirão. Tudo, de uma maneira ou de outra (até as presumíveis "remunerações simbólicas" do "conselho geral"), a expensas directas ou indirectas dos contribuintes. Maduro nem sequer teve a delicadeza política, contrariamente ao que faz com o Parlamento, de incluir o Presidente da República no escrutínio dos membros do "conselho geral". Por outro lado, reforça esse supremo conselho de bonzos que é o de "opinião" da RTP, o que talvez se justifique por ter vivido demasiado tempo fora do Portugalório e não entender a "natureza" de coisas como aquela. Relvas fracassou mas Maduro parece empenhado em seguir o "guião" de Beckett: tenta outra vez e fracassa melhor. Estamos para ver que "conselho geral independente" sairá da cabeça do ministro enquanto Alberto da Ponte, "motivadinho da silva", se ri. Nunca menos, decerto, do que alguém que se sujeite a exercícios de contorcionismo circense. E quem começa em contorcionista, aparece a seguir a fazer de trapezista e, com um bocado de sorte, acaba em palhaço pobre. Porque - como escreve Cintra Torres no Correio da Manhã - o extraordinário presidente da RTP, que depende da tutela técnica de Maduro e da tutela financeira de Maria Luís Albuquerque, não esclareceu se é um dos que "não faz puto" «por não cumprir o plano que apregoou, não ter estratégia de gestão e de produção, por reconhecer que a RTP faz os conteúdos que diz que não fará (encher chouriços), por só viajar e fazer marketing.» Qual é a parte que o prof. Maduro não percebe?

Inserir comentário

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
captcha

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor