Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O problema da raiva

João Gonçalves 18 Abr 16

 

Durante a última campanha eleitoral para as legislativas, e mesmo antes, José Pacheco Pereira aludiu várias vezes à questão da raiva. Ele achava que António Costa não aproveitava suficientemente o "espírito" de protesto calado que grassava um pouco por toda a sociedade portuguesa contra o "austeritarismo", a "frieza" e a "insensibilidade social" da Direita. Costa berrava muito, como continua a berrar em funções oficiais, mas tal não se traduzia em mais porque o PS, timorato, não explorava o filão do descontentamento. E, de facto, não se traduziu. A páginas tantas Costa viu que ia perder e que à Esquerda iam inchar. Ainda agora, a avaliar pelas sondagens, o PS medra pouco relativamente aos seus parceiros parlamentares. A raiva sublimou-se em meia dúzia de papéis assinados, num Governo construído às avessas, engolido pela correcção política e pela demagogia irresponsável, num Orçamento fofinho e insensato para lambuzar o eleitorado "central", num presidente "afectuoso" e hiperpresente, numa Comunicação Social tagarela, levezinha e complacente. Costa, à semelhança do que fez na Câmara de Lisboa, distribui pão e circo com a beatitude laica de quem acha que a raiva passou e que pode transformar os aliados do Bloco e do PC em "marca branca" política.

O Bloco, um ajuntamento de patos-bravos deslumbrados com a proximidade do poder, só se distingue do PS por apascentar "causas" idiotas e domesticar ministros mais crédulos e rústicos. É um partido no lastro daquilo que Eco designava por fascismo eterno: "Filosoficamente desengonçado, mas do ponto de vista emotivo firmemente articulado com alguns arquétipos" tais como a acção pela acção, a frustração individual ou social, o elitismo prosélito, uma "invidia penis permanente", um "populismo qualitativo".

O PC, coitado, agarra-se às ossadas sindicais e à "palavra dada" num pequeno mundo de mentirosos. Não consegue penetrar na "nova aliança" com Costa e Catarina, unidos, a declinar Ionesco citado por Eco: "Só as palavras é que contam, o resto é conversa". As lérias escondem tempestades e não é certo que façam desaparecer a raiva. Pacheco, aliás, não se cansa de advertir os seus amigos das esquerdas. E os nossos credores também não. A Direita, porém, não vai longe enquanto houver nela quem declare Costa um "príncipe da política" ou ande pelas televisões a lamber-lhe untuosamente as botas. Costa é Sócrates sem as trapalhadas pessoais de Sócrates. Dá raiva não se perceber.

 

Jornal de Notícias, 18.4.2016

Inserir comentário

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
captcha

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor