Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Aprenda, dr. Passos

João Gonçalves 12 Mar 14

 

 

Em menos de 24 horas, o primeiro-ministro reagiu da pior forma (e, da primeira delas, num local tão apropriado como as novas instalações da PJ perante uma audiência incrédula que não devia fazer a menor ideia do que é que ele estava a falar) a este manifesto. Depois, esteve numa coisa do Jornal de Negócios onde derramou o jargão habitual e acusou as pessoas que se atreveram a pensar diferentemente dele de "deitarem fora" estes últimos três gloriosos anos com as suas propostas "irrealistas". Isto bastou para Passos Coelho - que podia aproveitar o regresso de Relvas para ter pelo menos um cheirinho de mundo, algo que ele não tem e que o outro, por dever de ofício, conhece um pouco melhor nas suas luzes e sombras - demonstrar o afecto que, afinal, lhe desperta o "consenso" e a conversa democrática: nenhum. Prefere comportar-se como o preboste atilado do "programa de ajustamento", e respectivas sequelas austeritárias, mesmo quando os números agigantados da dívida lhe entram diariamente pelos cantos da casa como uma praga incontrolável. Persiste em usar salários e pensões como os únicos bodes expiatórios da "realidade" à qual tudo se deve submeter menos a sua cabeça. Valoriza (sem saber sequer o quer dizer a palavra "valor" na tradição filosófica e política que foi a nossa) abstracções e despreza, como obstáculos "inadequados", as pessoas. À frente da "aliança" politicamente medíocre para as europeias, Rangel, mais "passista" agora do que Passos, declara "inoportuna" a promoção deste debate com um temor reverencial provinciano perante os "credores" como se os ditos não soubessem mais das vicissitudes das dívidas soberanas do que ele. E Maduro, essa extravagância importada à pressa, veio a correr falar em "irresponsabilidade" como se conhecesse o "estado da arte" nacional desde pequenino. Como diz Bagão Félix, um conhecido e perigoso agitador mundial de "massas", «se não podemos falar sobre os nossos problemas, então teremos perdido a nossa independência. É uma espécie de censura não política, a submissão ao pensamento único dos mercados. Nós não queremos pôr em causa as nossas responsabilidades. Mas para ter ganhos, no contexto europeu, é preciso sermos activos. E o que é ser-se irrealista? Pensar que se pode cumprir o Tratado Orçamental não é também ser-se irrealista?» A cultura democrática é discussão, interrogação, risco e proposição adversarial. Não são imensos blocos imóveis de gelo ou de cimento sobre os quais, uma vez por festa, se prodigalizam umas ténues marteladas. Aprenda, dr. Passos.

 

Adenda: «Neste país em diminutivo, juizinho é que é preciso.» (Alexandre O'Neill). Ao exonerar dois dos seus consultores por alegado delito de opinião, o Senhor PR, mais do que reduzir a liberdade de opinião deles (e a um consultor exige-se isso ou então põe-se lá uma jarra), acabou por limitar a sua liberdade de acção como Chefe de Estado que pede "consensos". Não se transige com a liberdade.

2 comentários

De Inexequível dos Campos a 12.03.2014 às 19:08

"Bora" fazer uns consensos? 
Com Suas Excelências, nem ao berlinde. 

De mmpf a 12.03.2014 às 19:49

Caro João Gonçalves
Se não estivesse a atravessar um período de menor lucidez teria percebido que a demissão dos consultores do PR não tem nada a ver com a redução da "liberdade de opinião deles" mas antes com as interpretações que muitos se apressaram a fazer (no seu caso, a propósito da Dra. MFL). E quanto aos consultores: quando se tem funções desta natureza, os actos têm consequências; se não se alcança isto, então também não se é de grande préstimo.

Caro João Gonçalves, anime-se que o Miguel Relvas está de volta e, um dia destes, ele convida-o novamente
para as "luzes e sombras" deste mundo... E, se me permite a ousadia do pedido, não se deixe azedar (até compreendo, bem demais - nem imagina -, as suas razões a propósito do assalto ao lugar do Prof. Santos Pereira pelo famoso "Dr. Lima"; já não aceito a amargura com o Prof. Nuno Crato que se limitou a fazer o que tinha que fazer). É que, para quem vos observa sempre do mesmo "lugar", o do "zé-pagante" dos desmandos dos mais ou menos "notáveis" ao longo destes já longos anos, e que conserva um conjunto de ideias relativamente estabilizado, para as quais alguns de vós muito contribuíram, é com uma grande tristeza que se observa a deriva mais recente de pessoas como Pacheco Pereira, Bagão Félix e Manuela Ferreira Leite por motivações claramente pessoais, mais ou menos assumidas (o nosso "pensionista" em Belém também é, por vezes, acometido por fraquezas idênticas mas, desta vez, lembrou-se que é Presidente da República!). O João Gonçalves não chegou lá, ao outro lado, ainda está hesitante a meio da ponte. Não se deixe azedar por circunstâncias pessoais, o que está em causa é muito mais importante, volte para o lado de onde partiu e mantenha-se corrosivo - senão perde interesse a leitura dos seus escritos.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor