Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O SENTIDO DO VOTO - 1

João Gonçalves 19 Jan 06


O Paulo Gorjão faz a sua declaração de voto. Não concordo com todos os pressupostos dessa opção - a "teoria dos cestos", nomeadamente, ou a mera consideração das hipóteses Soares e Alegre - todavia, como é patente pelo que aqui se tem escrito, subscrevo-a. Ao fim de muitos anos a votar na "direita" - leia-se, no PSD - decidi, por causa da debandada de Barroso e do episódio Santana, votar em Sócrates. Digo-o assim, porque mais do que votar no Partido Socialista, foi a personagem racional, fria e determinada de José Sócrates quem mais fez pela minha contribuição para a maioria absoluta do PS em Fevereiro último. Apreciei a forma como conquistou, diante do país, a liderança do partido contra dois candidatos medíocres. Aliás, a triste figura que Alegre anda por aí a fazer, cheio de empáfia e pendurado em sondagens, tem também subjacente a tentativa de desforra tardia contra um secretário-geral social-democrata que jamais conseguiu engolir. Já Soares é um caso mais sério. Sócrates, mantendo a "grace under pressure", não podia deixar de aparecer. Soares colou-se-lhe no verão como uma lapa justamente para tentar desfazer o lance "moderado" e vagamente autoritário - no sentido clássico e nobre de demonstração da autoridade do Estado depois do desvario "santanista"- que conduz o primeiro-ministro. As outras "esquerdas", nesta eleição, encarregaram-se do resto. Por mais voltas que se dê, Soares e Sócrates constituem um binómio inverosímil. Não defendo essa superficialidade oportunista de dizer que Sócrates se dará melhor com Cavaco. Porém, sei perfeitamente - sabe e pressente o país - que não se daria melhor com Soares. E isso é que importa. Parte da maioria absoluta de Sócrates, a conquistada ao "centro" e à "direita", é sensivelmente a mesma que empurra agora Cavaco Silva para a maioria do próximo domingo. Ao contrário de Cavaco, que anuncia que a sua vitória não será a derrota de ninguém, eu entendo que será importante nomear os derrotados. Porque os vai haver. E muitos.

2 comentários

De scriptore a 19.01.2006 às 12:45

Sócrates e Cavaco estão muito mais próximos ideologicamente do que à primeira vista se julga. E este governo tem provado isso mesmo. Por isso penso que a coabitação será pacifica, pelo menos neste primeiro mandato.

De Don a 20.01.2006 às 23:56

Se Cavaco for eleito os portugueses no seu conjunto saem derrotados. Cavaco significa um retrocesso.
Qualquer um dos restantes candidatos representa um mal menor para o país quando comparado com o professor.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor