Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O PSD AO ESPELHO - 3

João Gonçalves 18 Abr 08

É verdade. Menezes, com Mário Crespo - o mais genial entrevistador da televisão portuguesa em funções - foi «furioso, calamitoso, nervoso, tremendista, insultuoso, verdadeiro, ingénuo.» Tudo o que um aspirante a chefe, no caso, ainda chefe em exercício, não pode ser. Menezes disse que não é candidato. Mas as "vagas", num híbrido como o PSD, costumam mover negativas.

Tags

6 comentários

De FNV a 18.04.2008 às 23:24

Você tem fair play.

De Anónimo a 19.04.2008 às 00:04

fiquei sentada sem me conseguir levantar. entrevista dramatica e descontrolada. Uma pena, ele vomita odio

De Anónimo a 19.04.2008 às 01:55

O dono deste blogue é um espanto:de Salazar a um complexado propagandista do Sócrates desejoso de consideração social,tudo lhe serve para bater palmas.Mas,reparando bem,as suas palmas não passam de pura manifestação de raiva contra outrem.O aplaudido é sempre mero pretexto.Faz lembrar a história do outro, que ao anunciar um jantar de homenagem logo lhe perguntaram:"contra quem,contra quem?" O fígado dete sr. Gonçalves deve estar uma desgraça.

De DM a 19.04.2008 às 02:19

Só uma pergunta sem segundas intenções: O que é que une os militantes de base às "elites" do PSD?
Eu consigo compreender que
a) uma história (marcada pelo fundador Sá Carneiro e por outros brilhantes ideólogos: M.Guerra, Sousa Franco),
b) uma prática política (aguerrida, dinâmica e proactiva e a marcar a agenda e não a ser marcado pela agenda dos outro(1985-1991),
c) enfim, uma série de características socio-profissionais que expliquem a tradicional iniciativa reformista do PSD e ajudem, em conjunção a moldar uma identidade e uma sensação de pertença.
Mas já se torna mais difícil perceber essa agremiação de milhares de militantes base com um partido político, sem que haja um mínimo de identificação com um "corpus" ideológico claro. Pacheco Pereira tem apresentado uma doutrina que parece congregar as elites do PSD. Mas que ideia política fundamental liga o partido às ditas bases? Percebe-se agora a importância da revisão do programa e estatutos levada cabo por Mendes? Também o PS terá de rever o seu posicionamento?
Pressupondo que os representantes das bases tem um linha política clara (a julgar pela cabotagem de Menezes, parece que não) o que justifica as revoltas contra os barões.

De Anónimo a 19.04.2008 às 09:58

o murcon, cada vez mais charlatão, fugiu da vaga de fundo. deselegante.
"morreu o bicho, ficou a peçonha".
balde-de-cal

De Anónimo a 19.04.2008 às 11:57

Temo que a saída de L.F.Menezes seja apenas a chamada "rábula da demissão",número que já pensava extinto na política portuguesa.
Espero estar enganado,até porque o ridículo...mata.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor