Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Triste vitória

João Gonçalves 14 Dez 13

Segundo o Tribunal de Contas, o Estado uma vez mais falhou a sua própria reforma. A sua propriamente dita e a do chamado "Estado paralelo", esse maravilhoso universo de institutos, empresas públicas e equiparadas e, até, de bancos que continuam indemnes a prosseguir a sua nobre função de "centros de emprego" especiais. De dentro do Estado só avisto "tomadas de posse" e concursos, pressurosos ou atrasados, para cargos de direcção. O Tribunal explica: «o universo inicial estava sobreavaliado, originando uma meta de redução de 27%, a qual, na realidade, nunca será atingida, podendo alcançar-se no máximo 19%.» Mais. «A redução de estruturas e de cargos dirigentes preconizada pelo PREMAC por si só não assegura uma restruturação da administração central do Estado, configurando-se mais como um processo de fusão de organismos mantendo, de um forma geral, as mesmas competências e atribuições, distribuídas por um número inferior de estruturas.» Aparentemente quem manda apenas está interessado em "mobilizar" trabalhadores para o olho da rua - uma das conclusões da leitura do trabalho do TC é mesmo essa: "sobem" os dirigentes e "diminuem" os trabalhadores -, independentemeente do expediente utilizado, do que em "reformar" o Estado e seus derivados. O "ajustamento", ou seja, a remuneração dos trabalhadores investidos em funções públicas que permanecem no activo ou aposentados em escudos, apesar de formalmente em euros, é a única coisa alcançada como sublinhou gravemente o senhor PM na sua entrevista. Triste vitória.

1 comentário

De zé luís a 14.12.2013 às 15:22

""sobem" os dirigentes e "diminuem" os trabalhadores"

JG, o Portugal moderno, da racionalização e da especialização, tem sido assim, mesmo na parte privada. Em tempos era comum ver, até nos pasquins, tantos cargos de estrutura como carne para canhão depois sujeita e despedimento colectivo para emagrecer a arraia miúda.

Nenhuma originalidade, nenhum avanço nem civilizacional nem económico-financeiro e de product placement.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor