Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Um pacto de confiança

João Gonçalves 2 Mai 13

 

Tenho repetidamente - para quê? - afirmado aqui que uma nova fase da legislatura, mais "política" e mais centrada nas pessoas singulares e colectivas (e menos no puxar da vida delas persistentemente para baixo), é fundamental para que o regime afirme um módico de esperança na sociedade. A alta "mercearia" é decisiva para "equilibrar" e "consolidar" mas não é verosímil manter o contrato social exclusivamente cativo dela. Não se pode rasurar esse contrato e colocar no lugar dele uma outra coisa sem dar grande cavaco ao exercício. Pelo contrário, o chamado "documento de execução orçamental" tem de ter presente o contrato social - logo o mundo do trabalho público e privado e o pequeno e médio empreendedorismo - e a circunstância que a sua modificação abrupta, isto é, sem qualquer calibragem política (ao nível do sistema institucional, partidário e de concertação social) poder vir a revelar-se desastrosa. Relembro, a este propósito, o preâmbulo do Programa do Governo. «Rigor e firmeza nas finanças públicas para o crescimento económico, a promoção do trabalho, a competitividade empresarial e a inclusão social (...). Nada se fará sem que se firme um pacto de confiança entre o Governo e os Portugueses, numa relação de abertura e responsabilidade que permita ao País reencontrar-se consigo próprio

3 comentários

De murphy a 02.05.2013 às 18:20

"Nada se fará sem que se firme um pacto de confiança entre o Governo e os Portugueses"...

Para que algum pacto seja possível é preciso que exista um mínimo de consenso sobre o que é a "realidade". Se grande parte da sociedade portuguesa continua em estado de negação - ainda não "caíu na real" -, como é isso possível?!
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/04/gloriosa-republica-socialista-portuguesa.html

De jose gouveia a 04.05.2013 às 12:50

No meu ver penso que agora Portugal vai começar remar para o lado justo

so lhe falta e abaixar mais salários na função publica e menos regalias.
porque eu devo ganhar 495 euros e eles 10.000?
e os bancários vamos la senhor ministro das finanças assim sim
tirar há quem tem mais e não há quem não tem
e mais reformas assima 1500 euros toca cortar 40%
em Portugal vivesse bem com 1000 euros .

queria concluir que esta e há minha idea

De Carlos Vargas a 06.05.2013 às 17:08

Uma síntese notável das principais questões que atravessam o regime. Será talvez pedir muito que seja lido com atenção pelo poder. O poder está sempre demasiado ocupado com as suas minudências. Com efeitos agregados, esquecendo as pessoas. Ao poder das finanças interessa apenas a floresta, como ontem bem lembrava António Nogueira Leite, no "Público". As árvores que fazem a floresta não existem, são dropouts " do workflow ". Sem um Pacto de Confiança Portugal jamais poderá reerguer-se. Pensem nisto, os que não foram eleitos "coisíssima nenhuma". Leiam o post de João Gonçalves e guardem-no bem junto aos modelos matemáticos. Vai fazer-vos falta para entenderem a vida real.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • João Gonçalves

    Primeiro tem de me explicar o que é isso do “desta...

  • s o s

    obviamente nao é culpa do autor ter sido escolhi...

  • Anónimo

    Estou de acordo. Há questões em que cada macaco se...

  • Felgueiras

    Fui soldado PE 2 turno de 1986, estive na recruta ...

  • Octávio dos Santos

    Então António de Araújo foi afastado do Expresso p...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor