Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

GRANDEZA

João Gonçalves 15 Nov 08



Sherrill Milnes, Luisa Miller, Verdi.

Tags

LER OUTROS

João Gonçalves 15 Nov 08

Eduardo Pitta explica por que é que o comentador da Quadratura António Costa não serve como presidente da Câmara de Lisboa. E ele, de certeza, votou nele.

UM HOMEM SEM PACIÊNCIA

João Gonçalves 15 Nov 08


Lembram-se? O homem ia "inaugurar um novo estilo no Conselho de Ministros». O homem ia "activar" o mecenato cultural "graças ao seu espírito empresarial e aos contactos com o mundo da finança." O homem era um "apaixonado da literatura que adora Ingmar Bergman" e "as coisas de humor", "advogado de artistas mil (incluindo os Gato Fedorento), bem entrosado no meio das artes plásticas e membro da administração da Colecção Berardo." Ora é justamente esta extraordinária criatura, nunca vista, que vem agora confessar ao excelentíssimo público (ele é ministro da Cultura) a falta de credibilidade do ministério que tutela. A sua, portanto. Pinto Ribeiro, ao Expresso, diz mal dos antecessores dos derradeiros sete anos (Sasportes, Santos Silva, seu colega no governo, Roseta, Maria João Bustorff e Isabel Pires de Lima) porque, segundo ele, geriram mal o parco orçamento de que dispunham. Pinto Ribeiro, ao contrário deles, anunciou - com trombetas, Fernanda Câncio e Produções Fictícias - que ia fazer mais com menos. Todavia, revela que lhe "é difícil ter paciência para esperar pela assinatura do ministro das Finanças" para, por exemplo, nomear o director artístico do D. Maria. Nunca Pires de Lima, a servir frio o velho prato, foi tão certeira: "prometeu fazer mais com menos, o ministro das Finanças fez-lhe a vontade".

Adenda:

«FAZER MAIS COM MENOS MEIOS» - Foi com esta frase que um ministro voluntarioso se pode ter suicidado mal acabara de tomar posse, confessando no princípio aquilo que em geral só se descobre no fim: o mais completo desconhecimento da situação do sector que ia tutelar, e nomeadamente do seu brutal e histórico défice em recursos humanos, em meios e em financiamentos. Não admira que, com uma proclamação tão negligente, o desafio de “menos meios” lhe tenha sido feito de novo, e que mais uma décima tenha caído no orçamento da Cultura para 2009, atingindo agora uns inéditos, inverosímeis, fatais 0,3% do Orçamento de Estado.»

Manuel Maria Carrilho, Contingências


PEQUENO EXERCÍCIO DE SEMIÓTICA

João Gonçalves 15 Nov 08


Ler o Expresso - não todo o lixo que metem no saco e entre páginas - é um exercício imprescindível para perceber o "estado da nação". No Expresso manifesta-se todo o regime, desde o BE ao PP, passando pelos "independentes", pelos "interesses" e por antigos escrevinhadores (e candidatos a escrevinhadores) da retórica discursiva do poder. É o "diário da manhã" que melhor representa as elites que nos pastoreiam. Com uma fotografia "tipo-passe" e "em baixo", Sócrates é descrito em meia dúzia de linhas como alguém que, neste momento, não controla o seu governo. Normalmente isto seria manchete e explicava-se porquê. Pelo menos três ministros - Lurdes Rodrigues, Ana Jorge e Pinto Ribeiro - já não moram na realidade. Lurdes Rodrigues, porém, tem direito a várias páginas de "defesa" e a um artigo "socrático" de Miguel Sousa Tavares destinado, no essencial, a dizer que o PC e o sr. Nogueira manipulam o mundo inteiro contra a pobre dra. Rodrigues, a beata salvadora da educação nacional que ameaça as escolas que lhe "desobedeçam". Ana Jorge - que esta semana trocou os mil milhões da dívida do SNS por um simples milhão e que remeteu as contas para um secretário de Estado - é referida numa "lateral" pequenina como se se tratasse de uma mera servente de hospital e não quem é politicamente. Pinto Ribeiro, finalmente, afirma que o seu ministério (e ele, por consequência) não possui "credibilidade". Nem ele nem o jornal retiram da extraordinária afirmação quaisquer consequências. Como é que não há-de o espertalhão do Barroso, umas páginas mais adiante, reclamar um segundo mandato na Comissão Europeia depois da fuga devidamente aplaudida pelo mesmo regime que se expressa no Expresso? Quem é que aguenta isto?

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor