Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

NÃO EXAGERAR

João Gonçalves 6 Nov 08


Um deputado regional da Madeira - com uma figura que parece retirada de um filme de Nani Moretti - andou pelas tribunas a distribuir cravos vermelhos. Finalmente, puxou de uma bandeira nazi e comparou os seus pares do PSD local aos antigos portadores do referido estandarte. Foi suspenso (como? por quem?) do mandato e hoje os "seguranças" da Assembleia Regional da Madeira impediram-no de entrar nas instalações. A maluquice do homem e o ridículo da cena que protagonizou não podem ser substituídos por gestos equivalentes de sentido contrário. No "antigamente" contava-se que havia uns maluquinhos que se passeavam em frente do famoso edifício da António Maria Cardoso, aos insultos, à espera de serem presos. Convém não exagerar.

Adenda: A Madeira até pode ser uma "república das bananas". Mas o "continente" não é menos. Há já gente a pedir a intervenção do PR por causa do maluquinho e dos maluquinhos que o suspenderam e aos trabalhos da Assembleia Regional. Tudo tão convenientemente óbvio. Tudo tão pequenino.

O REGULADOR E O PREVARICADOR

João Gonçalves 6 Nov 08

Eduardo Prado Coelho, no seu "diário", escrevia às tantas que apreciava imaginar o país governado por Vítor Constâncio. Todavia, as qualidades "pessoais" do homem não chegavam para a empresa. Nem parra, nem uva. Na dúvida, EPC preferia não arriscar. Vem isto a propósito da barreira que se coloca invariavelmente em torno do agora governador do Banco de Portugal. Constâncio é um mistério, uma estátua do Comendador do regime. Sócrates - que não é propriamente um sibilino - veio explicar que a "hora" não era a de malhar no "regulador" mas sim no "prevaricador". Quem está "por fora" - nós, os portugueses (perdoe-me, Maria Filomena, a toponímia) - tem alguma dificuldade em entender, não que o "prevaricador" tivesse prevaricado (a trafulhice está no sangue daquela gente), mas que o "regulador", só depois de a evidência se ter tornado escandalosa, tivesse aparecido com aquele ar de marido enganado. Constâncio é um homem sério e não é isso que está em causa. A nós, os portugueses, interessa fundamentalmente saber para que é que ele serve. Se é só para certificar os "défices" de acordo com o "perfume" do momento, qualquer gabinete de contabilidade satisfaz e é mais barato. Constâncio falhou como "regulador" do sistema bancário nacional. E não é Sócrates que o desmente. É a realidade.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor