Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O SR. CÉSAR

João Gonçalves 12 Set 08

«Só num país politicamente muito degradado
é que o equilíbrio dos poderes não é um
"assunto de grande importância",
e a sua modificação pela calada,
como neste caso, não causa preocupação.
Num tempo de incerteza, é ainda mais importante
ter certezas em relação às regras
e aos procedimentos ao mais alto nível político.»

Rui Ramos

O sr. César, dos Açores, tem a mania que é subtil. E fala para as televisões com aquele ar inchado de quem é dono das ilhas. É-o, de facto. Todavia, não lhe convém - porque tem eleições à porta - explicar que não é o "estatuto" e a "autonomia" que estão directamente em causa. Ou o sr. César acha que o chefe de Estado se ia dar ao incómodo de falar ao país e de conceder uma entrevista a um jornal por causa da "ignóbil porcaria" aprovada pelo Parlamento e que chumbaria qualquer aluno médio de direito constitucional? Não, sr. César. O senhor, tal como as delegações insulares de todos os partidos, sabe perfeitamente que, a pretexto do "estatuto", está em causa a alteração dos poderes constitucionais do presidente através de um instrumento legal inadequado. O "estatuto" do Sr. César, recorde-se, possuía oito inconstitucionalidades e mais dois ou três disparates pseudo-autonómicos. Deixaram-nos ficar para ver se passavam. Foi aprovado por unanimidade. Não se esqueçam. Unanimidade. Se fosse o "estatuto" do Jardim, o que é que não diriam. Se querem retirar poderes ao PR - como o regime (PS, PSD e CDS que me recorde) fez a Eanes em 1982/83 -, façam uma revisão constitucional. Isto é, sejam intelectualmente honestos e, juridicamente, menos burros. Assumam a coisa politicamente e não, como o sr. César, com arzinho de falsa virgem ofendida. Dá vontade de os mandar para onde o Chávez mandou os EUA. Assim como assim, é cumprimento de um amigo, não é verdade, sr. César?

PELA RAZÃO CONTRA O POSITIVISMO

João Gonçalves 12 Set 08



«En ce moment historique où les cultures s’entrecroisent de plus en plus, je suis profondément convaincu qu’une nouvelle réflexion sur le vrai sens et sur l’importance de la laïcité est devenue nécessaire. Il est en effet fondamental, d’une part, d’insister sur la distinction entre le politique et le religieux, afin de garantir aussi bien la liberté religieuse des citoyens que la responsabilité de l’État envers eux, et d’autre part, de prendre une conscience plus claire de la fonction irremplaçable de la religion pour la formation des consciences et de la contribution qu’elle peut apporter, avec d’autres instances, à la création d’un consensus éthique fondamental dans la société

«Une culture purement positiviste, qui renverrait dans le domaine subjectif, comme non scientifique, la question concernant Dieu, serait la capitulation de la raison, le renoncement à ses possibilités les plus élevées et donc un échec de l’humanisme, dont les conséquences ne pourraient être que graves.»

Papa Bento XVI, Paris, Setembro de 2008

É DE FUGIR - 2

João Gonçalves 12 Set 08

Depois de duas entrevistas televisivas de ilustres representantes das magistraturas judicial e do Ministério Público, respectivamente o presidente do STJ, dr. Noronha Nascimento, e a inevitável dra. Maria José Morgado, não sei o que deva recear mais. Se uma urgência hospitalar gerida pela sáfica Ana Jorge ou a acção penal e a administração da justiça geridas por estas figuras apocalípticas. É de fugir.

É DE FUGIR

João Gonçalves 12 Set 08


Com disparates deste género, Sócrates está a transformar a escola e a qualificação dos "futuros" portugueses numa enorme mistificação. «Hoje é preciso saber-se muito para se entrar no mercado de trabalho», disse Sócrates aos alunos depois de "restaurar" o "dia do diploma" e o "amor à escola". Não consta que tivesse rido. De facto, "é preciso saber-se muito" mas não exactamente o que a escola é suposto ensinar. O país é dirigido, do Estado à sociedade civil, por gente que "sabe muito" e que conhece gente que "sabe muito". Não há nenhum tipo de "mérito" nisto nem "esforço" algum. Salvo meia dúzia de excepções, uma carreira em Portugal é, tipicamente, o resultado da velha escola do "sabe muito", essa sim, uma "tradição". Sócrates e os seus sequazes não desejam um país adulto. Querem uma "disneylândia" de irresponsáveis felizes e submissos. É de fugir.

NÃO É PRECISO DIZER MAIS NADA

João Gonçalves 12 Set 08

«Trinta e tal anos de regime criaram um cinismo político geral. À volta do PS e do PSD há meia dúzia de fanáticos, que ninguém leva a sério, e uma corte de carreiristas, que ninguém respeita. Tendo governado o país simultânea ou alternadamente, nem o PS nem o PSD inspiram hoje qualquer confiança. Colonizaram o Estado e a administração local por interesse próprio e cometeram (ou permitiram que se cometessem) erros sem desculpa. Desorganizaram a sociedade, ou mesmo impedirem que ela se fosse por sua vontade organizando, e levaram Portugal a uma espécie de paralisia de que não se vê saída. Apesar de um ou outro protesto melancólico e corporativo, o público já não se interessa pelo seu futuro, ou pelo seu presente, colectivo. Nem Sócrates, nem Ferreira Leite percebem, no fundo, o que se passa. Sócrates persiste em repetir a sua velha ladainha, inteiramente desacreditada, com o entusiasmo de 2006. Ferreira Leite (a "tia Manuela", como agora popularmente lhe chamam) critica a evidência e recomenda os remédios do costume. Cada um à sua maneira, os dois falam uma nova "língua de pau", que os portugueses não ouvem ou que não registam. Talvez por isso, não falam muito e quando falam, excepto pelas querelas de partido e pelo vaguíssimo contraste entre o maior "liberalismo" de Ferreira Leite e o improvisado "neo-keynesianismo" de Sócrates, concordam no essencial. O PS e o PSD são o regime e não podem ou tencionam tocar no regime. A reforma de Portugal, se por absurdo vier, não virá dali.»

Vasco Pulido Valente, Público

Tags

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor