Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

CRIMINALIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08

Pelo andar da carruagem, a tropa vai acabar por ter de ir para a rua, como ordenou Berlusconi em Itália. Parece que as polícias não chegam. Rui Pereira não chega, de certeza.

OTELLO, KLEIBER - 1

João Gonçalves 21 Ago 08



Otello, de Verdi. Dirigido no Alla Scala por Carlos Kleiber, em 1976. Domingo, Freni, Cappuccilli. Um monumento musical verdadeiramente épico e único. Vamos por partes.

INDIGNIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08

Até esta desgraça serve para a propaganda.

SUBLIMES OBSCENIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08


«“Lolita”, a história de um pedófilo francês envolvido com uma ninfeta americana, é superiormente escrita em inglês por um autor russo. Depois de tão nebuloso e improvável puzzle, o leitor está pronto para enfrentar alguma lascívia, que é como quem diz, o carmesim da obscenidade.» Manuel S. Fonseca. Também sou um leitor atento de Lolita. E do famoso posfácio de Lolita. «Quanto a mim, uma obra de ficção só existe se me consegue proporcionar aquilo a que chamo sem rodeios o gozo estético, isto é, uma sensação de estar, de certo modo e algures, ligado a outros estados de ser em que a arte (curiosidade, ternura, generosidade, êxtase) é a norma. Não há muitos livros desses. Tudo o mais é um acervo de lugares-comuns ou aquilo a que alguns chamam "literatura de ideias", a qual não passa muitas vezes de um acervo de lugares-comuns em enormes blocos de gesso, cuidadosamente transmitidos de século para século, até que aparece alguém com um martelo e dá uma boa martelada a Balzac, a Gorki ou a Mann

Adenda: O Carlos Medina Ribeiro tem uma "Lolita", salvo seja, traduzida para oferecer. Escrevam-lhe.

Tags

REALIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08


«Conheço verdadeiras cavalgaduras alcandoradas por razões que a razão desconhece; conheço pessoas limitadíssimas, quando não mal formadas, quase patológicas, que foram singrando até lugares que exigem grande competência. Conheço, finalmente, pessoas honestíssimas que voltaram costas e se deixaram arrastar pelos acontecimentos, conhecedoras da inutilidade da crítica, do comentário ou do mais pequeno reparo. É decepcionante que um país tão pobre como Portugal continue a promover a mediocridade e atire borda-fora a única riqueza que o poderia retirar do miserável estado de estagnação em que vegetamos. Não que os outros sejam excelentes; nós é que somos maus, nos tornamos azedos e cínicos quando nos damos conta do modus operandi do jogo social português.»


Miguel Castelo-Branco, Combustões

SERENIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08


Regresso de Filipe Nunes Vicente. «Respeito as vacas. Pastam sossegadas e em boa ordem, são castanhas e não frequentam spas. Também um touro as cheira de quando em vez. Na altura certa cedem sem esforço. Erva há muita.»

INTIMIDADES

João Gonçalves 21 Ago 08


«Há pouco [tempo], estive em Portugal e que me comentava o nosso amigo, o primeiro-ministro (José) Sócrates? Que a economia portuguesa está estagnada.» Nicolau Santos? O Gomes Ferreira da Sic-Notícias? O "escritor" Sousa Tavares? Outro papagaio qualquer? Não. O "querido líder" venezuelano, íntimo de socialistas portugueses como Soares e Sócrates ("nosso amigo"), vem afinal desmentir a propaganda oficial estribada nas tradicionais décimas fornecidas de vez em quando pelo INE. Convinha, pois, apurar qual é a verdade. Se aquela partilhada nos desabafos privados "de Estado" com Chávez ou se a exibida intermitentemente com o espalhafato da propaganda, cuja versão mais recente foi expressa, ainda há dias, em Santo Tirso, por um primeiro-ministro bem disposto e com um excelente ar tropical. O "ar" já começa a não ser tudo e, como se prova, não há jantares de borla na Bica do Sapato .

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor