Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

A AMAZONA

João Gonçalves 27 Jun 08


O ser na fotografia, que ainda recentemente viu renovada a sua comissão de serviço, produziu a seguinte pérola a propósito dos chamados "exames nacionais" do secundário, esses extraordinários testemunhos do nosso "progresso tecnológico": «Os alunos têm direito a ter sucesso.Talvez fosse útil excluir dos correctores aqueles professores que têm repetidamente classificações distantes da média. O que louva o trabalho do professor é o sucesso dos alunos.» Jdanov não diria melhor. Por que é que as feministas não convidaram este homem para o seu congresso para ela lhes mostrar como se faz? Uso homem e ela indistintamente porque o ser lembra-me o poema do Cesariny:

«A MULHER, QUE É UM HOMEM, SOUBE SEMPRE GUARDAR AS DISTÂNCIAS E NUNCA PRETENDEU SUBSTITUIR-SE À VIDA SISTEMATIZANDO PUERILIDADES, COMO FILOSOFIA, AVIAÇÃO, CIÊNCIA, MÚSICA (SINFÓNICA), GUERRAS, ETC, ALGUNS PEDANTES QUE SE TOMAM POR LIBERTADORES DIZEM-NA "ESCRAVA DO HOMEM" E ELA RI ÀS ESCÂNCARAS, COM A SUA CONA, QUE É UM HOMEM. DESDE O INÍCIO DOS TEMPOS, ANTES DA ROBOTSTÂNICA GREGA, OS ÚNICOS HOMENS-HOMENS QUE APARECERAM FORAM OS HOMENS-MEDICINA, OS HOMENS-XAMAS (HOMOSSEXUAIS ARQUIMULHERES). ESSES E AS AMAZONAS (SUPER-MULHERES-HOMENS). MAS UNS E OUTRAS ERAM DEMAIS. E DESDE O INÍCIO DOS TEMPOS QUE PENÉLOPE ESPERA O REGRESSO DE ULISSES. MAS O REGRESSO DE ULISSES É O HOMEM QUE É UMA MULHER E A MULHER QUE É UMA MULHER QUE É UM HOMEM.»

DO OUVIDO

João Gonçalves 27 Jun 08


Ouço Karajan a dirigir a Carmen. E ocorre-me que nunca gostei de jazz. É aquele género de música que serve apenas para inalar mas que não dá para engolir.

SÓ ELE

João Gonçalves 27 Jun 08


Sócrates não desautorizou aquele alto funcionário de Bruxelas que ocupa o cargo de ministro da agricultura. Não. Sócrates, ao anunciar que vai reunir-se com a CAP e "liderar" as negociações com o que resta da agricultura em Portugal, apenas está a "ajudar" o referido funcionário. Não é a primeira vez - nem será a última - que o primeiro-ministro "chama a si" os dossiês que alguns membros do governo embrulham ou agravam. Por exemplo, na cultura, com Pires de Lima, Sócrates fez a vez da ministra e "secou-lhe" o mandato com Berardo e a Casa da Música. De tal forma que o sucessor, o brilhante Pinto Ribeiro, ficou a gerir uma casa-fantasma onde não se passa nada. Com Mário Lino, e embora não dispense a sua presença, é a mesma coisa. Há sempre uma "adenda" de Sócrates às investidas contraditórias do ministro. Por isso, uma dia destes, reparei nas prestigiadas olheiras do pretty boy. E nas rugas. Sim, nas rugas. Sócrates finalmente atingiu aquele patamar que sugere "credibilidade": olheiras cavadas e rugas. Porque, cada vez mais, o governo é ele e ele é o governo. Só ele.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor