Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

«PARA QUE SERVE O PSD?»*

João Gonçalves 6 Mai 08

«A questão é muito simples. Neste momento, para que serve o PSD? É um Partido que tem de ganhar as eleições nacionais de 2009, para mudar Portugal e o Sistema político? Ou apenas se deve remeter à sua normal institucionalização como Partido, para servir o Sistema, e para deixar tudo mais ou menos como está, incluso Sócrates e uma certa subserviência a Bruxelas? Mas, para além de estas questões terem que ser decididas de uma vez por todas, antecedem-nas outras. Quem tem de resolver a questão? As Bases do Partido e os seus Dirigentes patriotas, os que militam com os olhos postos no Povo e no futuro do Estado? Ou apenas os barões e os baronetes que se apropriaram do Partido e que, nos respectivos narcisismos, estão indiferentes ao futuro dos Portugueses e do Estado, apenas querem dirimir os seus ajustes de contas pessoais e sustentar um Sistema que os faz gente, mesmo que deixando o poder aos socialistas? E quem tem de pensar tudo isto, bem fundo, e decidir? As Bases e os Dirigentes patriotas, no seu íntimo e na sua força do voto secreto? Ou as Bases e os Dirigentes patriotas se deixarem arregimentar pelos grupos e grupelhos dos barões e baronetes? As Bases e os Dirigente patriotas se deixarem orientar por uma comunicação social de “esquerda”, como já sucede há muito tempo, e por “comentadores” afectos ao Sistema e neste pagos, sendo assim o Partido Social Democrata orientado e condicionado de fora para dentro? Quem, errados, vem seguindo o “politicamente correcto” que definha o País, estagna o Sistema e anula a força que o Partido Social Democrata pode ter? Ou não será tempo de, sem medos e pudores, voltar aos caminhos de vitória e de dinâmica nacional, combatendo e denunciando as ideias-feitas que os agentes do Sistema instalado, há tanto tempo sistematicamente nos enfiam? Tudo isto que, agora, decorre no Partido Social Democrata, é o cúmulo! É uma fragmentação balcanizada, em que os barões e baronetes tudo fazem para impedir a unidade do Partido, um Partido forte, a uma só voz. É o derrotismo de não ter por objectivo ganhar as eleições de 2009, avançando candidatos que se sabe nenhum deles ter condições, presentes ou de passado, para vencer Sócrates e os socialistas. É a negação da própria Ideologia do Partido, na colagem deste ao Sistema político caduco e na obstaculização de todos quantos pretendam alterar, DE FUNDO, a situação em que Portugal está mergulhado. É a falta de Sentido de Estado. Afinal, foi para isto que se fez o Partido Social Democrata? Foi para isto que tanto Militante anónimo lutou, teve esperança, encheu o peito com fervor patriótico e, na sua opção de Serviço ao País, tantas vezes muito arriscou, sofreu, batalhou? Basta!Isto não pode continuar assim!Mas também não estejam à espera de D. Sebastião ou de D. Quixote. Porque, hoje, ninguém vai levianamente para batalhas, ou faz do “cavaleiro da triste figura” que olha para trás, vê gente a abanar a cabeça que sim, mas que não se mexe e se deixa embalar, tipo paixão futebolística, pelas diversas equipas dos barões e dos baronetes que só lutam para não descer de divisão. O Partido Social Democrata tem um Património de Valores e um potencial de Vontades que pode mudar Portugal. Mas, para mudar Portugal, obviamente que tem de derrotar Sócrates e os socialistas, em 2009. E, antes, já em Outubro deste ano, tem o azar, num clima destes, das dificílimas eleições regionais nos Açores, obstáculo complicadíssimo. Para derrotar Sócrates, é necessário um líder que ganhe o apoio da maioria dos Portugueses com sede de Esperança, e não quem apenas se satisfaça em ganhar o Partido, sabendo-se que não ganha as eleições nacionais. Para derrotar Sócrates, é necessário refundar a Aliança Democrática, mobilizando e unindo todos os Portugueses que não são militantes socialistas, nem comunistas. As Bases e os Dirigentes patriotas do PSD, agora, no actual momento, recorrendo à discrição do voto individual e secreto que não dá satisfações a quem quer que seja, é que têm de decidir, desde já, se querem uma autêntica Revolução no Partido. Se querem deixar de ser manipulados pelos instalados no Sistema. Quer dentro, quer de fora do Partido Social Democrata. A se manter este quadro negativo, é legítimo perguntar: para que serve o PSD?!…Para sustentar este Sistema?… A culpa é de… QUEM?!…»


*artigo de Alberto João Jardim publicado no Jornal da Madeira

Tags

CARAS

João Gonçalves 6 Mai 08

A dra. Ferreira Leite recebeu ontem, "emocionada", o apoio de Barbosa de Melo, um respeitável ancião que foi presidente da AR e que o país, muito justamente, ignora. Vai também "jantar" com o dr. Balsemão, o "número um", que costuma ornamentar qualquer mesa de qualquer presidente ou putativo presidente do partido. E diz a dra. Leite que a coisa não é um problema de "caras". Depois de uma entrevista sem qualquer interesse dada ao Expresso, da parte desta candidata só lhe conhecemos as "caras". As do costume.

Tags

A PRÓXIMA VÍTIMA

João Gonçalves 6 Mai 08


O dr. Alípio, da PJ, vai-se embora. Tratava por "tu" o dr. Costa, ministro da justiça que, mais uma vez, cometeu um erro de casting. Não lhe serviu para nada. Não percebeu que, em certos cargos, a discrição é fundamental. Quando a violam, é bom que saibam medir o que dizem. Alípio, pelo contrário, foi avulso e vulgar. A corporação - outra com um sindicato poderosíssimo - não esteve com ele. E a gestão do insuportável caso "Maddie" foi-lhe fatal. Santos Cabral, uma escolha de Santana Lopes, nunca devia ter saído. Chega, em breve, a próxima vítima.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor