Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

PEDRO FASHION

João Gonçalves 4 Mai 08

Passos Coelho teve, no Correio da Manhã, um assomo de "ideias" que é aquilo que chamam às "tiradas" que não visam exclusivamente a intendência. Todavia, fizeram-lhe a enorme maldade de titular a entrevista com um tema que não interessa nada e que só serve para a "correcção" o achar mais "moderno" e menos trivial que os restantes candidatos. Se os portugueses classificam de "erradas" as relações entre "samesexers", imagine-se o que dirão de casamentos entre eles. A começar pelo seu "colégio eleitoral", as maravilhosas bases do PPD/PSD. Os seus spin doctors andam a falhar-lhe, Pedro.

Adenda: Aqui está um tema que interessa, e muito, infelizmente. Não tenho é a certeza que a candidata apoiada pelo autor esteja à altura dele. Do tema, naturalmente.

DEBAIXO DA CALÇADA, NADA

João Gonçalves 4 Mai 08


Passaram quarenta anos sobre o parisiense Maio de 68. Segundo alguns, os das diversas esquerdas, aquilo foi um acto generoso, fundador e revolucionário que representou, nas palavras de António José Saraiva, "a crise da civilização burguesa". Durante uns dias, De Gaulle, o chefe de Estado francês, andou vagamente desaparecido enquanto nas ruas de Paris se viravam carros e, na Sorbonne, chamavam "crápula estalinista" a Sartre. Um Sartre que imediatamente se pôs ao lado da racaille, então filha precisamente desse "estado do mundo burguês" que diziam combater, e não aquela - pobre, desempregada e imigrada - que queima agora carros nos arredores da capital. O folclore acabou na manifestação de 30 de Maio, de apoio a De Gaulle, que mais tarde, em eleições, voltou a ganhar. Só se foi embora, pelo seu próprio pé, quando perdeu o referendo sobre a regionalização. Mitterrand, desprezado pelos "heróis" esquerdistas de 68 (na ausência de De Gaulle, em plena crise, anunciou uma pífia candidatura ao Eliseu), só lá chegou treze anos depois. E, para quem apelidava o regime da constituição de 1958 de "golpe de estado permanente", Mitterrand passou catorze anos presidenciais bem sentado nele, comportando-se muito mais como um monarca pré-1789 do que como um republicano pós-68. Foi o primeiro a "enterrar" os despojos políticos e culturais do militante Maio ao dar o "abraço do urso" ao PC (que não lhe fazia falta alguma) e a ter aos seus pés os "novos filósofos", um híbrido anti-soviético e social-democrata resultante das perturbações intelectuais de 68. Sarkozy, num comício eleitoral em Bercy (ver o livro da foto), também apoiado por estes já velhos filósofos , reclamou a necessidade de acabar com a "herança soixante-huitard" embora, ironicamente, talvez fosse improvável sem ela. Não obstante todo o folclore "ideológico" doméstico, traduzido em prateleiras e prateleiras de livros, a "herança" desse Maio longínquo passou pela humilhação de um Le Pen na segunda volta de 2002 e por ter de se curvar perante Chirac, esse político com ar de entertainer televisivo, para evitar o pior. Por cá, o Maio de 68 só chegou uns anos depois, com o PREC (Sartre veio dar lições "revolucionárias" a um quartel...), prolongando-se nas "refiliações" esquerdistas nos partidos do poder - PS e PSD - que deram no que sabemos. Eduardo Prado Coelho terá sido o mais genuíno mandarim "intelectual" do que restou de 68 aqui. O resto são imitações baratas e "pequeno-burguesas", para recorrer à langue de bois desse Maio longínquo para sempre perdido. Até por isso, ele faz falta. Nunca houve nenhuma praia debaixo da calçada.

DEMOCRACIA SEM QUALIDADES

João Gonçalves 4 Mai 08

Um estudo de uma ONG inglesa coloca a qualidade da nossa democracia abaixo de cão, "ao nível de países como a Lituânia e a Letónia, e só acima da Polónia e da Bulgária." Chamam ao "barómetro" "everyday democracy index" no qual nós figuramos como atrasados em coisas como a participação (cívica) ou a "democracia familiar". Quanto à "formal", a eleitoral, até surgimos acima de países como a Espanha, a Grécia ou a Itália, apesar da propaganda governamental ser feita geralmente no meio de descampados, dentro de tendas tribais, nas quais emerge Sócrates como uma espécie de berbere sofisticado. Nada de novo, portanto, quanto a esta democracia sem qualidades.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor