Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

QUEM NÃO TEM CÃO CAÇA COM GATO

João Gonçalves 27 Abr 08


Em 2002, para garantir um módico de respeitabilidade a um governo impreparado, Barroso colocou Manuela Ferreira Leite nas finanças. À altura, na TVI, Marcelo diria a propósito desta escolha que "quem não tem cão caça com gato". Há pouco, na RTP, Marcelo, "o militante de base", afirmou apoiar a mesmíssima Manuela Ferreira Leite para líder do PSD e, consequentemente, como candidata ao lugar de primeiro-ministro. Quem não tem cão caça com gato.

Adenda: Ao fim da tarde, apareceu também o Zorro, vulgo Santana Lopes, não fosse o bom do militante esquecer-se dele. Preparem-se porque vai haver disto, dia sim dia não, até às "directas", a menos que alguém lhe consiga meter algum bom senso na cabeça.

Tags

NÃO HÁ RAPAZES MAUS?

João Gonçalves 27 Abr 08


"Juventude" é um conceito ambíguo. Veja-se o PSD. Ferreira Leite é, num certo sentido, mais "nova" que Passos Coelho. Nunca foi tarimbeira. Sempre teve uma profissão. E nem sequer foi feliz nas encarnações partidárias ou governamentais, apesar da seriedade, da credibilidade e bla-bla-bla. Jardim, se for candidato, será de longe o mais "jovem" já que, pela primeira vez, um líder regional "cresceria" para o país, contra o regime representado pelos outros candidatos e pelo PS. No PS, amansado pelo absolutismo "socrático", só permanecem "jovens" dois ou três mais velhos e fora de jogo: Medeiros Ferreira, Carrilho ou o Soares pré-terceira candidatura presidencial. Soares, presentemente, é, aliás, o mais "infantil" destes três. No PC nunca ninguém é, por natureza, "jovem". No PP levam-se demasiado a sério, apesar das idades, para serem considerados "jovens". E o BE é o próprio "elixir" idiota da "juventude". Insistir no "afastamento da juventude", como tema político, é bater no ceguinho. O João Miranda enuncia com clareza o que é a "juventude" da nossa pobre democracia. A língua de pau das "juventudes", sobretudo as partidárias, produziu, em parte, este regime já com trinta e quatro anos. De um lado estão os "autistas sociais e culturais", do outro os caciques "empenhados" que nos pastoreiam. Não há mesmo rapazes maus?

O REINO DA ESTUPIDEZ

João Gonçalves 27 Abr 08


Na Ovibeja - lindo nome - ouvi o Paulo Portas descrever um "procedimento" confidencial seguido pelos rapazes da ASAE do Norte digno dos planos quinquenais do velho Estaline. Não estão, no entanto, sós. Segundo o DN, também os inspectores da PJ vão ser avaliados de acordo com "objectivos" quantitativos, a saber, quantas mais investigações levarem a acusação, melhor para a "carreirinha" deles. Para os da ASAE é o costume: mais contra-ordenações, mais detenções, mais estabelecimentos fechados constituem o "quadro de honra". O sr. Nunes veio desmentir mas, quem conhece minimamente o Estado e os organismos de controlo, sabe como apreciam estar "na vanguarda" de quem manda. Até porque não é certo que quem manda "mande" precisamente aquilo. O cânone dos "objectivos", a obsessão pela "avaliação" e pelo "mérito" são jargões maravilhosos que resultam - quando resultam - em sociedades que conseguiram "acantonar" minimamente a estupidez. Num país primitivo, alérgico às liberdades, gerido por pessoal "intermédio" formado na subserviência e no "agrado" e em que a "avaliação" está, em geral, nas mãos de gente ignorante e invejosa ou assenta em pressupostos risíveis, é, no fundo, a estupidez quem oficia. Segundo Carlo Cipolla, existem cinco "leis" que definem o "comportamento estúpido". A primeira, diz-nos que "cada um de nós subestima sempre e inevitavelmente o número de indivíduos estúpidos em circulação". A segunda, ensina-nos que "a probabilidade de uma certa pessoa ser estúpida é independente de qualquer outra característica dessa mesma pessoa". A terceira, define a pessoa estúpida como aquela "que causa um dano a outra pessoa ou grupo de pessoas, sem que disso resulte alguma vantagem para si, ou podendo, até, vir a sofrer um prejuízo". A quarta, alerta para o facto de "as pessoas não estúpidas subestimarem sempre o potencial nocivo das pessoas estúpidas", isto é, "os não estúpidos esquecem-se constantemente que em qualquer momento, lugar e situação, tratar e/ou associar-se com indivíduos estúpidos revela-se, infalivelmente, um erro que se paga muito caro". Finalmente a "quinta lei" chama a atenção para o óbvio: a pessoa estúpida é o tipo de pessoa mais perigosa que existe (sublinhado meu). Conclui Cipolla - e eu com ele - que "as pessoas estúpidas causam perdas a outras pessoas sem que obtenham vantagens para si próprias" já que ninguém lhes agradece o zelo e o "mérito". Todavia, elas andam e mandam por aí.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor