Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O "PENDEJO" CORRECTO

João Gonçalves 12 Abr 08


O maior monumento vivo à correcção política, o sr. Zapatero - dado a ademanes de modernidade para efeitos puramente propagandísticos - constituiu um governo prenhe de mulheres. Até copiou o bonzinho Guterres e espetou com uma "jovem" de trinta e um anos, a señorita Bebiana, num "ministério da igualdade". Quando esta cair, deverá seguir-se um gay ou mesmo um transsexual, de preferência de origem afro-americana. Não se leia nisto algum intuito discriminatório ou sexista. Pelo contrário. O sr. Zapatero é que parece ter a necessidade de exibir "diferenças" julgando que as anula à conta de ser tão fantasticamente "igualitário". É ele quem, afinal, institui a "norma". Volta, Berlusconi, que estás perdoado.

O ACORDO IMPATRIÓTICO

João Gonçalves 12 Abr 08


Sobre o "acordo ortográfico" não é preciso dizer mais nada. «Um idioma não se impõe por decreto. Fernando Pessoa, por exemplo, marimbou-se de alto para a Reforma Ortográfica de 1911 e continuou a grafar como havia aprendido. Sobre a reforma republicana, escreveu: «Além do impatriotismo, foi o acto imoral e impolítico.»

O SILÊNCIO DOS MILITARES

João Gonçalves 12 Abr 08


O governo e as actuais chefias militares preparam um novo Regulamento de Disciplina Militar (RDM). Apliquei várias vezes o actualmente em vigor quando estive aqui. Já naquela altura - 86, 87 - o achava desactualizado e despropositado em algumas das suas disposições. O RDM foi elaborado na sequência dos desastres do PREC e do "25 de Novembro". Percebia-se. Agora parece que o querem "modernizar" - a "esquerda moderna" adora "formatar" tudo o que mexe - incluindo, no novo RDM, normas que impedem os militares que não estão no activo de ter opinião pública. Também se percebe. A loquacidade nula da maioria dos deputados e da nomenclatura regimental não pode ser "ofuscada" por mais ninguém. Convencionou-se que o que é "civil" é bom por via da "natureza das coisas". Por exemplo, Soares e Sampaio servem, mas Eanes já não serve. Vasco Lourenço ou Loureiro dos Santos não servem, mas Alberto Martins, a Drago, a D. Edite, o Bernardino, o Telmo e o Mendes Bota servem perfeitamente. Em suma, um país de idiotas felizes uns com os outros.

Adenda: Ainda no âmbito deste RDM, um militar reformado foi objecto de um processo disciplinar por delito de opinião alegadamente perpetrado no seu blogue. A blogosfera - onde está instalada tanta capelinha complacente, subserviente e amiguista - por que é que não diz nada? Porque não se trata de nenhuma vedeta civil "mediática" ou politicamente correcta? Medeiros Ferreira, alguém que devia servir de exemplo aos bonzos da democracia, pronuncia-se sem temores sobre o tema aqui.

O REGIME DO BOLHÃO

João Gonçalves 12 Abr 08


O governo agachou-se. Daqui para diante todos os restantes funcionários públicos podem passar a andar pela rua a berrar. Têm a mesma legitimidade que o governo concedeu a cerca de cento e tal mil deles. Por isso não se entende o registo "mercado do Bolhão" usado pelo 1º ministro no debate quinzenal. Sócrates debate com a rua, não debate com os seus "pares". Com estes grita, é mal educado e autoritário à vontade. É o território que ele domina graças ao seu ADN partidário caciqueiro. A rua é outra conversa. Aí Sócrates tem perdido e alguém já lhe deve ter explicado que o facto lhe vai custar a maioria absoluta. Nenhum voto de esquerda se transfere ou mantém no PS por o governo "baixar as calças". À esquerda dele, ninguém - muito menos os sindicatos - lhe agradece o frete. E a "direita" não aprecia frouxos demagógicos que falam alto com quem não devem e que voam como crocodilos com quem não podem. Neste panorama pusilânime, o PSD, muito a propósito, não existe. Menezes é o grande aliado deste Sócrates em regime de meia-dose. Ele e a esquerda agradecem que a presente mediocridade social-democrata vá a votos em 2009. Já se viu que, em estado de necessidade, Sócrates não hesitará em descer a avenida. No Bolhão fazem-se apenas negócios. Não é necessário vergonha na cara.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor