Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

DA GREVE AO PAPA

João Gonçalves 10 Nov 06

O melhor do Abrupto de hoje não é o "abrupto-feito-pelos-leitores-grevistas-e-anti-grevistas". Mesmo assim, vale a pena ler um ou outro para se perceber duas coisas fundamentais. A primeira, que o poder de compra e as condições de vida (o "trem" de que falavam as sebentas de direito da família) determinam - e muito - a decisão de fazer ou não fazer greve. Dois dias pesam como chumbo num orçamento familiar depauperado. Não há "consciências de classe" e tretas afins. Há, apenas, a carteira. E a carteira do "lugar-comum" - que é designação do 1º ministro para a classe média - está cada vez mais vazia. Em segundo lugar, parece, pelos depoimentos idiotas e populistas que as televisões mostram, que a "vida" do cidadão que não serve o Estado foi irremediavelmente marcada por estas paralisações e que, como escreve um leitor do Abrupto, bom mesmo é nivelar "por baixo" por causa da "inveja" nacional. É que, não sei se já deram por isso, é disso que se trata, é isso que o governo "explora", é disso que o governo anda a tratar, e a que a economia e o nosso sublime "empresariado" vão dando uma ajuda preciosa. Bom, mas não foi para isto que "chamei o Abrupto à colação". É porque fiquei satisfeito por Pacheco Pereira ter "descoberto" Joseph Ratzinger: "apercebemo-nos agora (...), que o papa Bento XVI foi um dos intelectuais que com mais importância e influência pelo seu papel em muitos documentos da Igreja, tratou destas questões [de reflexão identitária sobre a Europa, sobre as raízes civilizacionais da nossa história do "Ocidente"] ,em termos teológicos, filosóficos, históricos e culturais". Mais vale tarde que nunca.

A SINISTRA

João Gonçalves 10 Nov 06


Porventura a pensar no congresso do PS - o "partido Sócrates", como lhe chama significativamente o Público - o Diário de Notícias lembrou-se de perguntar a algumas luminárias da "esquerda" o que é que elas entendiam por tal toponímia. O soba Mega Ferreira saiu-se com este diamante - "adoptar, como ponto de princípio, o partido dos que menos têm, em vez dos que têm mais" - como se fosse um modelo "intelectual" dos que "menos têm". Já o prof. Boaventura "sonha" com o nirvana anti-capitalista - apesar do "capitalismo" lhe propiciar a divulgação da sua "obra" e "pensamento" nos Estados Unidos - e clama pelo seu fantástico "fim". Nuno Brederode dos Santos supõe a "esquerda" como sendo o monopólio daqueles "que cultivam a inquietação da dúvida, contra o conforto da certeza", sem se lembrar que muito do pensamento filosófico e político essencial do século XX (para não andar mais para trás) teve um "parto doloroso" com Nietzsche e seguiu em frente com Heidegger ou Wittgenstein (este por contraponto ao "oportunista" Russell). São eles os filósofos do nosso desgraçado tempo e não o trombudo Marx, os "estruturalistas" ou os "pós-modernos". Até os pragmatistas americanos - sociais-democratas como Rorty, por exemplo - lá vão "beber". Silva Melo não interessa. Só lhe interessa quem anda com ele ao colo, seja de "esquerda" ou de "direita". Baptista-Bastos desceu da bonita lua onde normalmente vive para falar em "ganância" e em "globalização". Dois socialistas (Alfredo Barroso e Pedro Adão e Silva) limitam-se a lugares-comuns sobre o "papel" do Estado, enquanto Helena Roseta, para sempre nostálgica do milhão de votos de Alegre, aposta no "poder dos cidadãos". Marcos Perestrello, a nova coqueluche do "socratismo", banaliza a "esquerda" em torno do cliché "igualdade e solidariedade" para poder dormir descansado. Carlos Brito, ex-PC duro e actual PC "reformador", descobriu, na terceira-idade, o valor insubstituível da liberdade como se esta fosse propriedade privada da "esquerda". Mário de Carvalho, finalmente, é mais prosaico e, apesar de umas divagações realistas sobre a "esquerda concreta" - a dos "ismos" - não resistiu ao disparate (infelizmente offline) : "a direita não tem, nem nunca teve, princípios: tem preconceitos". E continua: "quando alguém se proclama de direita assume um lastro de opressão, violência, ignomínia, mentira, obscurantismo, que pesa através dos séculos e que nos vem diminuindo e amesquinhando até aos nosso dias". Se isto não são preconceitos, então já não sei o que é um preconceito. Lembrar a "esquerda" a propósito do congresso deste PS, é o mesmo que falar de omeletas a propósito de salmão. Em suma - e à excepção de Medeiros Ferreira que diz qualquer coisa que é comum aos homens de bom senso da "esquerda" e da "direita" (evitar empurrar "a vida das pessoas para baixo") - à "esquerda" assenta-lhe bem a designação italiana. Persiste sinistra.

NO BOM CAMINHO

João Gonçalves 10 Nov 06


É isso mesmo, João. Já que tem de ser, que seja a sério. E não lamente passar ao "lado da modernidade". Eu faço isso diariamente. Há coisas em que sou um clássico empedernido. Estamos, pois, eu e o meu amigo, no bom caminho.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor