Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

PONTOS

João Gonçalves 4 Nov 06


Sobre Lisboa e a sua desgraçada Câmara, já disse o que tinha a dizer aqui e aqui. O Tomás Vasques - que é insuspeito, que é do PS, que foi chefe de gabinete de João Soares durante mais de dez anos e, por consequência, tem autoridade para o fazer- coloca o dedo na ferida. Ponto final. Quanto a "Zezinha", o facto de se achar "indispensável" a Carmona Rodrigues para este ter uma "maioria" - a qual, pelos vistos, não lhe serve, nem a ele nem à cidade, para nada -, não lhe confere o direito de se comportar na CML como a governanta sabida que manda nos donos da casa. Não foi para isso que votámos- eu votei- nela. Outro ponto final.

O MINISTRO-AJUDANTE

João Gonçalves 4 Nov 06

O dr. Santos Silva, ministro dos assuntos parlamentares, acusou o dr. Marques Mendes de se ter comportado "como um mero ajudante de Alberto João Jardim". O dr. Santos Silva é perito na matéria já que é o "ajudante" do 1º ministro e dos ministros politicamente mais toscos nos embates parlamentares. Nas presidenciais, este clarividente ministro-ajudante avisara o país para o "perigo" de "golpe de estado constitucional" que representava a eleição de Cavaco Silva. Ninguém deu por nada e, muito menos, por ele, o ministro-ajudante. Marques Mendes, como líder político-partidário, pode "ajudar" quem lhe apetecer dentro do seu partido. Já o dr. Santos Silva, enquanto membro do governo, não devia expôr com tamanha evidência o que move verdadeiramente o governo a que pertence contra João Jardim: uma idêntica motivação político-partidária apenas de sinal contrário. Como eles dizem, não sejamos hipócritas.

O ANIMAL MORIBUNDO

João Gonçalves 4 Nov 06


Consume my heart away; sick with desire
And fastened to a dying animal
It knows not what it is
and gather me

Into the artifice of eternity.


W.B. Yeats, Sailing to Byzantium


Ao passar pelos escaparates da FNAC do Colombo, deparou-se-me a tradução, com cinco anos de atraso, do livro de Philip Roth The Dying Animal ("O Animal Moribundo", da Dom Quixote). É um pequeno-grande livro que li na altura e que, por causa desta tradução avistada, reli pela noite adentro. A diferença entre um escritor e um aspirante a escritor está, por exemplo, condensada nestas cento e poucas páginas, da mesma forma que o está em Everyman, o último Roth que, talvez com alguma sorte, pode ser que apareça em português lá para 2010. Não me apetece falar da "história", nem da forma como ela é contada, nem sequer de quem intervém para contá-la. Roth, agora com 73 anos, é, nestes dois livros, o cruel narrador da perda. Todas as suas personagens estão em declínio físico, "moral", afectivo e sexual. American Pastoral, Patrimony e The Human Stain "prepararam", de alguma forma, estas duas últimas grandes sínteses. A prosa de Phlip Roth lê-se como uma epifania da morte. Como se se tratasse de um evangelho pagão no qual se rasurou a esperança de Deus.

"I think you're whole before you begin. And that love fractures you. You're whole, and then you're cracked open. She was a foreign body introduced into your wholeness. And for a year and a half you struggled to incorporate it. But you'll never be whole until you expel it. You either get rid of it or incorporate it through self-distortion. And that's what you did and what drove you mad (...) Attachment is ruinous and your enemy. Joseph Conrad: He who forms a tie is lost. That you should sit there looking like you do is absurd. You tasted it. Isn't that enough? Of what do you ever get more than a taste? That's all we are given in life, that's all we're given of live. A taste. There is no more."

NÃO É FÁCIL DIZER BEM - 7

João Gonçalves 4 Nov 06


O que o Actual (suplemento "cultural" do Expresso) tem de pastoso, têm as pobres páginas dedicadas à cultura" no Sol de levezinho. Caro José C. Saraiva: perdoe-me a presunção, mas é caricato que, a propósito do último livro de Vargas Llosa - Travessuras da Menina Má, na tradução da Dom Quixote - se diga que se trata de "uma menina-mulher inconformada, irrequieta e cheia de energia que dá voltas e voltas à vida serena e despreocupada de um rapaz". O que é isto? Este disparate tem alguma coisa que ver com o que o autor escreveu? O analfabeto funcional que produziu esta inanidade devia ser obrigado(a) a ler as obras completas de António Lobo Antunes, virado(a) para uma parede na Rua de São Nicolau, e a saber de cor as respostas do torturado autor às cinquenta torturadas entrevistas que lhe fizeram nos últimos dias. Aconselhar-lhe o Llosa já se percebeu que não servia para nada.

A HONRA PERDIDA DE UM JOVEM TENENTE

João Gonçalves 4 Nov 06

De acordo com o Expresso - e já o tinha lido noutro sítio qualquer - o ministro da administração interna, dr. Costa, instaurou um processo disciplinar contra o jovem oficial da GNR que se apercebeu das alegadas irregularidades praticadas na Escola Prática da Guarda. O tenente, de 28 anos, e com especialização nas contabilidades e na gestão, segundo a IGAI, teria sido o responsável pela informação veiculada ao Expresso e, vai daí, levou com um processo idêntico ao que levaram os supostos autores das irregularidades. Imagino que este jovem quadro da GNR se deve sentir maravilhado com esta diligência ministerial. E que, daqui para diante, se sinta como peixe na água na instituição que agora o condena. Para começar, e apesar de ser o melhor classificado do seu curso, já foi preterido na promoção a capitão. Ninguém, na vida e nos cursos (vários) que o jovem tenente frequentou, lhe explicou que o país é uma imensa paróquia, dividida meticulosamente em capelas, em que cada uma tem os seus oficiantes exclusivos. Na cabeça de quem dirigiu as averiguações, o jovem tenente terá violado o sagrado "segredo de justiça" e, por isso, é perseguido disciplinarmente da mesma maneira que o são os alegados infractores. António Costa, cujo desempenho como MAI lhe deu para mostrar uma inédita "musculação política", já varreu com dois sindicalistas pobres de espírito da PSP e prepara-se para estragar uma carreira promissora e íntegra à conta da "autoridade do Estado" que ele tem andado a confundir com autoritarismo gratuito. Não conheço o jovem tenente de lado nenhum, mas conheço o António Costa, o filho de Maria Antónia Palla e de Orlando Costa. Tenho pena pelos quatro.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor