Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

RACIONALIDADES

João Gonçalves 11 Out 06

Com aquele estilo nonchalant que o caracteriza, o senhor ministro da Saúde veio anunciar os 5 euritos/dia a pagar pelos internados em hospitais públicos. Tudo, disse ele, em nome da "racionalidade" que é preciso introduzir na gestão do serviço nacional de saúde. Concordo plenamente. Todavia, gostava que o dr. Correia de Campos acompanhasse o movimento com a introdução de idêntica racionalidade na sua cabeça.

A SÍNDROME DO 11

João Gonçalves 11 Out 06


Os telejornais - fora a RTP que está na bola - estão há quase uma hora a dar imagens do resultado de um embate de uma aeronave (tão depressa é um helicóptero como um pequeno avião) num edifício de 50 andares em Nova Iorque. Quem conhece Nova Iorque, mesmo a NI do "pós-11 de Setembro", sabe que é vulgar aparecerem helicópteros e pequenos aviões no céu baixo da cidade. Os jornalistas não param de lembrar que hoje é dia 11, embora os EUA garantam que não se trata de nenhum atentado. Enfim.

REALIDADE E MANOBRA

João Gonçalves 11 Out 06


Enfiou-se na cabeça do PS e dos farfelus tradicionais- o autor da famosa blague da "geração rasca", o madeirense Vicente Jorge Silva, que o partido do governo fez eleger deputado da nação, não se poupa na adjectivação - que é fundamental para a democracia portuguesa a remoção do dr. João Jardim da chefia do governo regional da Madeira. Quem conhece razoavelmente a Madeira pós-1976, sabe que o PS local é uma pequena ficção alimentada por duas ou três esforçadas e irrelevantes criaturas. Aquando das eleições europeias de 1999, encontrando-me no Funchal no momento em que o dr. Mário Soares, como cabeça de lista do PS lá foi, acompanhei a sua presença num hotel onde perorou para os socialistas. Pobre assistência e que perda de tempo. Em trinta anos, a Madeira, graças a nós, aos madeirenses e à liderança de João Jardim, revolucionou-se. Escavacar montanhas numa ilha para construir auto-estradas, dotar os autoctónes de um módico de qualidade de vida - é evidente que existe pobreza tal como existe aqui ao lado da minha casa - e ganhar sucessivamente eleições, é irrelevante para os defensores do correcto político. A virulência de Alberto João Jardim não faz exactamente o meu estilo, porém não me passa pela cabeça cometer a indelicadeza de tomar por parvos, coactos ou "menos" portugueses os eleitores madeirenses. À sombra da obsessão financeira, o PS - menos o governo e mais o PS - quer fazer uma "pega de cernelha" à Madeira. Carlos César, nesta matéria de autonomia regional, está contente e calado como um rato, e mais solidário com a cruzada socialista do que com os famosos "custos da insularidade". Não vão a lado algum, como rapidamente se verá. E o argumento "geográfico" avançado por Teixeira dos Santos, em Bruxelas - a Madeira está mais perto do que os Açores... -, à falta de outro, dá vontade de rir. Ninguém me passou procuração para defender a Madeira e, muito menos, Alberto João Jardim. Acontece que ainda consigo distinguir realidades de manobras. O ataque a Madeira é exclusivamente político-partidário. Como de costume, em votos, logo se verá se os nossos compatriotas madeirenses optam oportunamente pela realidade ou pela manobra. Pode ser que resulte. Pode ser que não.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor