Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

DA INFELICIDADE

João Gonçalves 6 Jun 06

Ascenso Simões, um dos quatro ou cinco secretários de Estado do dr. António Costa, desceu por instantes da estratosfera para ir a Barcelos "sossegar" as populações por causa de um fogo que esteve ateado desde domingo. Dois dias depois do incêndio ter começado, chegaram finalmente ao local os famosos "meios aéreos" de combate às chamas, tão caros ao dr. Costa e ao dr. Ascenso. As populações, muito justamente, ignoraram as explicações patéticas do dr. Ascenso depois de tudo estar já relativamente devastado. O dr. Ascenso, um esforçado cacique partidário, estará porventura por equívoco ou misericórdia no governo. Acontece que estar num governo por qualquer desses dois motivos, não faz a felicidade de ninguém. Não falo da dele, naturalmente, mas da nossa.

Adenda: Sobre os fogos - a "procissão" ainda nem saiu do adro - vale a pena ler o Paulo Gorjão e o Francisco José Viegas. O FJV, talvez por ser amigo dele, mereceu uma "resposta" de Duarte Moral, assessor de imprensa do dr. Costa. Aí Moral saiu-se com esta pérola: "Quando os fogos ganham alguma proporção, os meios aéreos deixam de ser eficazes (é como tentar apagar uma lareira com um conta-gotas...) e devem concentrar-se a apagar outros fogos nascentes. Nessa altura, só o combate terreste faz sentido. Não perceber isto é ceder ao populismo e aos impulsos mais primários das pessoas, certamente compreensíveis, mas para quem o fogo que está à porta de sua casa é sempre o fogo mais importante do mundo"</span>. Para a próxima, o dr. Ascenso que leve o dr. Moral consigo para dizer isto às populações. Oportunidades não lhe hão-de faltar, infelizmente.

Adenda 2: Juro que não andamos combinados, mas o Paulo Gorjão, numa série de posts intitulados "A montanha que pariu um rato", disseca com argúcia o argumentário oficial relativo ao combate aos fogos. Do famigerado Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, como de costume, é de esperar o pior. Bastou-me ouvir o respectivo "comandante operacional" (não sei bem do quê) para ficar esclarecido.
</span></span></span></span></span></span>

OS "PRÉMIOS"

João Gonçalves 6 Jun 06


Parece que parte da "poupança" em vencimentos com "funcionários excedentários" será destinada a pagar "prémios" aos "melhores". É a velha falácia do "mérito", avaliado de acordo com as "afinidades electivas" que unem quem avalia a quem é avaliado. E é mais um pretexto para humilhar pessoas e estimular a inveja e a "teoria da facada nas costas" nos serviços públicos. Pôr toda a gente a tropeçar e a passar por cima de toda a gente, uns contra os outros, corresponde ao também velho ensinamento do "dividir para reinar". No fim, costuma virar-se contra os respectivos promotores. Desta vez não será diferente.

LER OUTROS

João Gonçalves 6 Jun 06

Via Paulo Gorjão, o Francisco José Viegas sobre "a leitura e a virtude cívica". E o João Pedro George acerca do "porreirismo" caseiro, masturbatório e intelectualmente desonesto de algum jornalismo "cultural" português. Do Jorge Ferreira, uma pergunta oportuna: "A Expo 98 sempre existiu?". Finalmente, do Gabriel Silva, saudoso "cidadão livre" a agora um "blasfemo", "Tou"? Em suma, pobre país.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor