Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

NOVIDADES EM BELÉM

João Gonçalves 17 Mar 06

Em algumas mentes mais propícias à interpretação literal e paternalista da Constituição da República, o discurso de posse de Cavaco Silva terá parecido excessivo. Apesar dos elogios, a ideia da “estabilidade dinâmica” e da “exigência” terá ficado a pairar nesses cérebros demasiadamente formatados como um possível aviso. Cavaco, convém afirmá-lo, foi igual nesse dia aos dias que antecederam a sua vitória. Não disse nem mais nem menos do que já tinha dito. Quando esclareceu na campanha que não pretendia ficar sentadinho no cadeirão presidencial a ver passar os comboios, o agora presidente deixou claro que não pretendia banalizar ou trivializar o cargo. O discurso inaugural limitou-se a confirmar esse registo de exigência, em relação a si próprio e aos outros. Cavaco será, com naturalidade, um presidente diferente dos que o antecederam. Os tempos, há que dizê-lo, também lhe facilitam paradoxalmente a tarefa. Lá virá o dia em que a mera propaganda não chegará para fazer uma política e para surpreender um desígnio. Cavaco rege-se por critérios de materialidade e de racionalidade e certamente que a “cooperação estratégica” que defende não deixará de ser aferida a partir deles. Em suma, o presidente também “manda” e é bom que mande. Tem legitimidade e ambição democráticas suficientes para o fazer. Não como um pólo alternativo de poder, mas como um ponderado factor de liderança institucional concertada, aquilo a que bem chama de “estabilidade dinâmica”. O país espera mais deste presidente do que de qualquer anterior. E estará atento ao modo como Cavaco irá agilizar os poderes presidenciais promovidos pela Constituição. Porque é disso que se trata, de agilizar para avançar e não de contemplar para deixar tudo na mesma. Para pior já basta assim.
(publicado no Independente)

O PRIMEIRO DIA

João Gonçalves 17 Mar 06


A principio é simples, anda-se sozinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no burburinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado, que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se, come-se e alguém nos diz: bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
olha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso, por curto que seja
apagam-se dúvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar, sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
e outra maré cheia virá da maré vazia
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida.


Sérgio Godinho

O MUNDO DE CAVACO - 2

João Gonçalves 17 Mar 06

Só hoje fui informado pelo próprio, o Pedro Rapoula, que, afinal, o Presidente da República já tem um adjunto para os assuntos culturais - ele mesmo - e um consultor, Diogo Pires Aurélio. Actualiza-se, assim, o que se escreveu aqui.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor