Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

OS DEZ MANDAMENTOS

João Gonçalves 21 Fev 06

José Pacheco Pereira é o Moisés da blogosfera?

A DERRADEIRA LÁGRIMA

João Gonçalves 21 Fev 06


O dr. Sampaio voou até Timor para verter uma derradeira e furtiva lágrima. Desta vez, a venera foi ao encontro do condecorado, o homólogo Xanana. Timor pesa-nos. É uma daquelas matérias que temos com nós mesmos que ficará eternamente mal resolvida. Fátima ou a língua portuguesa, duas coisas que apresentamos como ex libris do nosso relacionamento com Timor Leste, arriscam-se a ser cada vez mais uma memória, muitas vezes péssima. Andámos com o pathos timorense ao colo como se de uma cruz se tratasse. Pagámos os preços de todos os remorsos em todo o lado. Falta pagar mais um. Ramos Horta, o vaidoso ministro dos Negócios Estrangeiros, suspira pelo inútil cargo de secretário geral da ONU. Freitas do Amaral, o preclaro congénere português, já soltou o apoio. Deve seguir-se Sampaio, de preferência emocionado. Timor Leste merecia melhor sorte do que ter tido que depender de nós e dos caprichos de uma ditadura vizinha. Nós apenas nos "comovemos" e observamos, ao longe, o que se passa. A Austrália, afinal, é já ali ao lado e o inglês, a gramática global. Este tardio romantismo político de Sampaio, ao outorgar a Timor Leste uma simbólica e melancólica despedida, é inconsequente. A realidade política das coisas é o que ela é. Está longe de ser o que Sampaio, na sua frivolidade, pensa que ela é.

BUROCRACIA ÚNICA

João Gonçalves 21 Fev 06


O Eduardo Pitta foi a um dos mais concorridos serviços de finanças de Lisboa, o de Alvalade. Conta que, para o multibanco funcionar, os telefones têm de estar desligados. Ou um ou o outro. Este serviço devia pura e simplesmente ser encerrado. Os seus funcionários trabalham num ambiente deplorável que se estende ao atendimento. Há dias eram os próprios funcionários que andavam a limpar e a mudar caixotes. Em vez de se preocupar com a bufaria - pôr cá fora listas de devedores para o vulgo devassar sem que isso garanta o que quer que seja ao Estado- o governo faria melhor em tratar destas "micro-causas". Quem diz isto, diz levar as coisas a um tal ponto "tecnológico" que o contribuinte fique "dispensado" de entregar o seu imposto já que o fisco, devidamente assenhoreado, passará a fazer isso por si. Dispensamos o "big brother" fiscal ou outro qualquer. O "pensamento único", extensível ao nosso miserável quotidiano e à burocracia, é uma ideia desagradável. Convém, no entanto, estar preparado para ela.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor