Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

PROBLEMAS DE CARREIRA

João Gonçalves 31 Jan 06

Ler "Indexação" , por Vasco Pulido Valente.

FACILIDADES

João Gonçalves 31 Jan 06

Eu e o professor de Coimbra voltamos a estar de acordo, menos na coisa do "código de ética". Como dizia a boazinha, quem tem ética passa fome.

O PARTIDO

João Gonçalves 31 Jan 06


Vários veneráveis "colegas" da blogosfera, v.g o Paulo Gorjão e o Manuel, andam numa verdadeira excitação por causa do PSD. Consta que se preparam facadas e navalhadas de índole diversa tendo com alvo principal o estimável dr. Mendes. Depois, fazem-se "prognósticos" sobre putativos candidatos ao trono de presidente do partido e especula-se sobre a saída de Passos Coelho (quem?) do lugar de vice-presidente. Imagino que o país - a parte que faltava não dormir descansada depois da eleição de Cavaco - sofra terríveis insónias com semelhante temática. Apenas duas ou três observações. Marques Mendes, apesar de baixinho, é, como alguém já lembrou, um osso duro de roer. Averbou, sem se mexer muito, duas vitórias eleitorais expressivas por interpostas pessoas. E é homem de "métier", o que não é nada desprezível. Por outro lado, a "elite" partidária, desde a dos economistas até outros mais plebeus, não deve estar muito interessada em passar três anos "a pastar a vaca". E depois, se Mendes ganhar as "directas" e "aguentar", não é assim tão verosímil trocá-lo por um vidente de última hora. Quem eu gostava de ver a disputar as "directas", nem que fosse para estar entretido durante uns dias, era Santana Lopes, o eterno defensor da ideia. Este congresso que aí vem é, pois, uma pequena missa solene para saudar o presidente eleito e cuidar de vaga burocracia estatutária. Os peões, os mesmos de sempre, mexer-se-ão, como de costume. Não tenho todavia a certeza que jogo se altere assim tanto. Sócrates pode governar descansado e, no essencial, apoiado até mais ver.

UM OUTRO MESMO DIA

João Gonçalves 31 Jan 06


Meio mundo, nosso e próximo, prostrou-se embotado perante o patrão da Microsoft, o sr. Bill Gates. Nem à pindérica Ordem do Infante D. Henrique a criatura foi poupada. Gates parece que veio dar um empurrão financeiro ao "plano tecnológico" e simultaneamente exercer filantropia. De caminho, parou para ensinar ao governo, aos "altos quadros da administração pública e local" e a outras luminárias dispensáveis a "técnica" da "boa governança" e da boa "gestão" de acordo com o seu cânone. Este comovente interesse por Bill Gates - com direito à parola exibição televisiva das "medidas de segurança" que envolvem o acontecimento - apresenta contornos do foro erótico. Muita gente se terá espremido para estar presente, mesmo que de longe, e "tocar" o homem. O pior da coisa não é Gates, alguém a quem, naturalmente, muito devem os tempos correntes. A assistência é que me preocupa. O que é que tanta "elite" democrática e burocrática pode "beber" da cartilha Gates? O que é que, tudo somado a final, nos conforta e "moderniza"? Escuso-me de lembrar as tentativas, desde as sérias às puramente grotescas, feitas ao longo da nossa história em prol da "modernização" e de um "novo homem", português e mais recentemente cibernético. Suspeito que Bill Gates não imagina com quem é que se veio meter, nem isso lhe deve interessar para o efeito. Daqui parte para outra, designadamente para a Europa a sério, e não se fala mais nisso. As "elites" e os burocratas regressam a casa mais contentes. Afinal, amanhã é um outro mesmo dia.

EVERNESS

João Gonçalves 31 Jan 06

No Minha Rica Casinha.

NADA

João Gonçalves 31 Jan 06



Hoje acordei assim. É mais ou menos isto, sem pensar.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor