Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

LER OS OUTROS

João Gonçalves 17 Set 04

Na Bloguítica, "Roller Coaster", e no Abrupto, "Obsessão". Por causa da "temporada", desta vez no bom sentido, no Crítico, "Festival de Órgão de Lisboa". Agora arrumadinho por "temas", "O Dicionário Não Ilustrado" no Opiniondesmaker.

A TEMPORADA

João Gonçalves 17 Set 04

Pelo que vejo e ouço, o "parque cultural" da tutela do ministério da Cultura continua moribundo e soturno. O fantasma Roseta paira sobre o leque da actual titular, a bem parecida Dra. Maria João Bustorff. Os dois secretários de Estado arrastam-se no conveniente anonimato. Não se sabe sequer se Amaral Lopes já consegiu chegar a Évora para onde foi desterrado com os seus "bens culturais". A poliédrica Casa da Música do Porto não tem aparentemente remédio e o o Dr. Monteiro, o ano passado "salvador", acaba de pedir a honrada demissão.Os teatros nacionais tardam em acordar da habitual letargia, onde as únicas pessoas com talento e imaginação, o Ricardo Pais e o António Lagarto, vão fazendo o que podem. No São Carlos prolonga-se doentiamente a vulgaridade embotada dos últimos anos e não se apresenta um programa nem se fecha o teatro para o pensar convenientemente, como se devia fazer. A temporada continua sombria.

MARIA CALLAS

João Gonçalves 17 Set 04



Numa das biografias da Callas, Tito Gobbi, esse extraordinário barítono e amigo da cantora, contava que, para o fim, o seu medo da solidão era de tal ordem que Callas adiava o mais que podia o regresso a casa quando se encontravam. Qualquer pretexto servia. Bastava um gelado para continuarem a dar uma "voltinha". Maria Callas, cujo desaparecimento ocorreu a 16 de Setembro de 1977, constitui seguramente um dos maiores fenómenos musicais do século XX. Nada ficou na mesma no mundo operático depois da sua passagem. Com um timbre particular - os puristas dizem mesmo que nem sequer era "bonito" -, Callas ressuscitou papéis há muito esquecidos e difíceis de trabalhar, tornando essas versões incontornáveis. Até aos anos 60, altura em que a sua voz começou a seguir uma direcção imprevista, quaisquer gravações da Callas são amplamente recomendáveis. Com a diluição da figura do "grande intérprete" nas produções e nas encenações dos dias de hoje, é mais complicado perceber o que significava esta genialidade pura. Callas passou por cá uma única vez para cantar La Traviata no São Carlos, no tempo do cada vez mais saudoso José Figueiredo. Os últimos anos foram passados entre o recolhimento e uma patética tournée mundial com Di Stefano, em que ambos eram já uma pálida imagem do que haviam sido. Os comprimidos, esses falsos amigos, eram o resto da companhia. Em Paris, a 16 de Setembro de 1977, Maria Callas, numa súbita vertigem, entrava definitivamente na eternidade que a consagrou e puniu.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor