Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

...

João Gonçalves 30 Jul 04

CAOS

Um bom amigo enviou-me a seguinte "sms", laudatória dos tempos que correm e da autoria desse grande "civilizador" que foi Mao Tse Tung (ou Zedong, para os íntimos, tipo José Barroso):

Tudo debaixo dos céus está num caos total, a situação é excelente

...

João Gonçalves 30 Jul 04

SER DIFERENTE
 
Em qualquer país minimamente desenvolvido, a demissão do director da polícia civil teria mais cobertura jornalística do que as filas para a Madonna. É uma área que tem que ver com os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, coisa que as pessoas só se lembram quando lhes convém. Dito isto, não me parece que haja nenhum mistério particular na saída aparentemente intempestiva do Sr. Juiz director-nacional da PSP. O mundo das polícias, da justiça e das informações é um mundo onde se movem indistintamente muitos magistrados, uns judiciais, outros do venerando Ministério Público. E movem-se, embora digam o contrário, "politicamente". Como facilmente se adivinha, não são propriamente corporações que nutram entre si a maior das estimas, apesar de ambas possuírem, em elevadíssimas doses, uma enorme e vaidosa "auto-estima". Acham-se obviamente subtis. Mário Morgado, o juiz demissionário, nunca se entendeu bem com a polícia, nem esta com ele. Também para ele, aquela não era a sua polícia, um jargão vulgarizado no meio desde há uns anos. Acresce que, pelos vistos, Daniel Sanches, procurador geral adjunto,  também não é o "seu" ministro. Figueiredo Lopes era um terreno relativamente fértil para magistrados desbravarem. Sanches pertence a outra "escola" até porque provém dela. Dificilmente estes dois homens se entenderiam, e é esperável que Sanches queira alguém da sua confiança à frente da PSP. Para a nossa mentalidade tacanha, a permanência de um director-geral em funções ad infinitum, é sinónimo de "seriedade" e de "independência". No entanto, ninguém nunca se lembra de interrogar as profundas razões que levam a que determinadas pessoas se "eternizem" na função, vendo alegremente passar ministros com propósitos sucessivamente diferentes, ou mesmo, antagónicos. É que, por detrás desse apurado e grave "sentido de serviço", esconde-se quase sempre um interesse  "transversal": ali uma igreja, aqui uma corporação, mais adiante outra coisa qualquer, com  a "carreira"  naturalmente à cabeça. Eu, por natureza,  desconfio  de pessoas dispostas a "servir" qualquer "amo",  já que não acredito em "independentes". Trata-se de uma mera sofisticação intelectual para satisfação dos distraídos e para perpétuo consolo dos próprios. A minha experiência pessoal dos últimos anos, esclareceu-me definitivamente sobre o assunto. Por isso, o gesto de Mário Morgado, descontadas as "dificuldades"  "relacionais" e "funcionais" apontadas, tem pelo menos a vantagem de ser diferente.

...

João Gonçalves 30 Jul 04

DESÍGNIO FATAL
 
O Dr. Sampaio e a D. Maria José, passados uns breves dias de nojo,  voltaram à estrada, enquanto o país arde serenamente. Com alguns bombeiros perfilados atrás de si, em vez de estarem onde deviam estar, Sampaio, não sei bem onde, perorou acerca da "descentralização". Findo o "desígnio" comum ao casal presidencial - a eurobola -, Sampaio lembrou-se de nomear um novo, a descentralização. Proferiu umas banalidades sobre o tema, arredondou a conversa e evitou, afinal, explicar o absurdo da deslocalização de meia dúzia de secretários de Estado. Como sempre, disse ele, está "atento". Os noticiários  tomaram imediatamente isto por "fiscalização ao governo". Imagine-se que Sampaio acha que "os governos devem governar" e as "oposições" devem "preparar-se". No fundo, e nós não sabíamos, Sampaio queria simplesmente obrigar o PS a umas massagens forçadas, pelo que deve considerar que tomou a melhor decisão da vida dele ao abraçar, na boca, e sem pestanejar, o fogoso Dr. Lopes. É justamente para ter Sampaio por aí debitando levezas, sem o maçar demasiado, que o referido Lopes, a cada segundo, finge que lhe afaga o ego. Verdadeiramente Sampaio "manda" governar um governo que ele julga que é inteiramente "seu". Fará seguramente disto mais um "desígnio". Só espero que não seja, nem para ele, nem sobretudo para nós, um desígnio fatal.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor