Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

...

João Gonçalves 15 Jan 04

IRONIAS E CANSAÇOS

Um. Vinha no meu carro a ouvir o ministro da Saúde defender os aumentos proporcionados aos gestores dos hospitais SA, em pecúlio e em cartão de crédito, ao que parece. A argumentação do senhor pode servir, por exemplo, para os funcionários do Estado com responsabilidades de "gestão" ( e não só), os tais que acima de mil euros continuam a não "ver o padeiro" em 2004. Tudo, disse, devidamente autorizado pelas austeras "Finanças". Finalmente começa a entender-se o alcance deste "Portugal SA" ( o "anónimo das denúncias, e o anónimo dos "interesses" ), generosamente subsidiado com o dinheiro dos contribuintes tansos, os que declaram e pagam, naturalmente. A moda segue para os teatros nacionais. E na Cultura, como se previa, anunciam-se as habituais cativações orçamentais em PIDDAC e provavelmente em "funcionamento" , enquanto um ou outro dirigente já sonha com a sua "SA" de estimação. Agora, porém, aguentem-se e aturem-se uns aos outros nos assuntos de "mercearia". Eu "dei para o peditório" e sei do que falo. É bem feito. Estão muito bem uns para os outros. Dois. Outro dia, entre Paulo Portas e António Calvário, Santana Lopes anunciou ao mundo "um tempo novo", seguramente protagonizado por ele. Tratava-se de um mero lançamento de um livro menor, mas assistiram um primeiro-ministro e um ministro de Estado, no meio de uns quantos ornamentos do regime, eminentemente esquecíveis. Não, não foi em nenhum país africano ou que tivesse descoberto recentemente os efeitos perversos da democracia. Foi mesmo aqui, entre nós, no quentinho do Grémio Literário, ao Chiado, em Lisboa, Janeiro de 2004. Três. José Régio, de quem não gosto particularmente, tem umas quantas poesias aproveitáveis e dois livrinhos interessantes, Davam grandes passeios aos domingos e O vestido cor de fogo. No meio deste arrivismo delirante e desta "insustentável leveza" que se anda a espalhar por aí como uma praga, lembrei-me do seu Cântigo Negro, e olho para isto tudo com uma imensa ironia (preocupada) e um enorme cansaço (irritado). O que é preciso é um tempo de malditos, de saudáveis malditos.

[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] <br>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<b>IRONIAS E CANSAÇOS</b><br /><br /><b>Um. </b>Vinha no meu carro a ouvir o ministro da Saúde defender os aumentos proporcionados aos gestores dos hospitais SA, em pecúlio e em cartão de crédito, ao que parece. A argumentação do senhor pode servir, por exemplo, para os funcionários do Estado com responsabilidades de "gestão" ( e não só), os tais que acima de mil euros continuam a não "ver o padeiro" em 2004. Tudo, disse, devidamente autorizado pelas austeras "Finanças". Finalmente começa a entender-se o alcance deste "Portugal SA" ( o "anónimo das denúncias, e o anónimo dos "interesses" ), generosamente subsidiado com o dinheiro dos contribuintes tansos, os que declaram e pagam, naturalmente. A moda segue para os teatros nacionais. E na Cultura, como se previa, anunciam-se as habituais cativações orçamentais em PIDDAC e provavelmente em "funcionamento" , enquanto um ou outro dirigente já sonha com a sua "SA" de estimação. Agora, porém, aguentem-se e aturem-se uns aos outros nos assuntos de "mercearia". Eu "dei para o peditório" e sei do que falo. É bem feito. Estão muito bem uns para os outros.<b> Dois. </b>Outro dia, entre Paulo Portas e António Calvário, Santana Lopes anunciou ao mundo "um tempo novo", seguramente protagonizado por ele. Tratava-se de um mero lançamento de um livro menor, mas assistiram um primeiro-ministro e um ministro de Estado, no meio de uns quantos ornamentos do regime, eminentemente esquecíveis. Não, não foi em nenhum país africano ou que tivesse descoberto recentemente os efeitos perversos da democracia. Foi mesmo aqui, entre nós, no quentinho do Grémio Literário, ao Chiado, em Lisboa, Janeiro de 2004. <b>Três.</b> José Régio, de quem não gosto particularmente, tem umas quantas poesias aproveitáveis e dois livrinhos interessantes, <i>Davam grandes passeios aos domingos</i> e <i>O vestido cor de fogo</i>. No meio deste arrivismo delirante e desta "insustentável leveza" que se anda a espalhar por aí como uma praga, lembrei-me do seu <b>Cântigo Negro</b>, e olho para isto tudo com uma imensa ironia (preocupada) e um enorme cansaço (irritado). O que é preciso é um tempo de malditos, de saudáveis malditos.<br /><br /><img src="http://www.culturabrasil.pro.br/imagens/joseregio.jpg" border="0" <br /><br /><br /><b>"Vem por aqui" --- dizem-me alguns com olhos doces,<br />Estendendo-me os braços, e seguros<br />De que seria bom se eu os ouvisse<br />Quando me dizem: "vem por aqui"!<br />Eu olho-os com olhos lassos,<br />(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)<br />E cruzo os braços,<br />E nunca vou por ali...<br /><br />A minha glória é esta:<br />Criar desumanidade!<br />Não acompanhar ninguém.<br />--- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade<br />Com que rasguei o ventre a minha mãe.<br /><br />Não, não vou por aí! Só vou por onde<br />Me levam meus próprios passos...<br /><br />Se ao que busco saber nenhum de vós responde,<br />Por que me repetis: "vem por aqui"?<br />Prefiro escorregar nos becos lamacentos,<br />Redemoinhar aos ventos,<br />Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,<br />A ir por aí...<br /><br />Se vim ao mundo, foi<br />Só para desflorar florestas virgens,<br />E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!<br />O mais que faço não vale nada.<br /><br />Como, pois, sereis vós<br />Que me dareis machados, ferramentas, e coragem<br />Para eu derrubar os meus obstáculos?...<br />Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,<br />E vós amais o que é fácil!<br />Eu amo o Longe e a Miragem,<br />Amo os abismos, as torrentes, os desertos...<br /><br />Ide! tendes estradas,<br />Tendes jardins, tendes canteiros,<br />Tendes pátrias, tendes tectos,<br />E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.<br />Eu tenho a minha Loucura!<br /><br />Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,<br />E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...<br /><br />Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.<br />Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;<br />Mas eu, que nunca principio nem acabo,<br />Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.<br /><br />Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!<br />Ninguém me peça definições!<br />Ninguém me diga: "vem por aqui"!<br />A minha vida é um vendaval que se soltou.<br />É uma onda que se alevantou.<br />É um átomo a mais que se animou...<br />Não sei por onde vou,<br />Não sei para onde vou,<br /> Sei que não vou por aí.<br /></b>

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor