Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

...

João Gonçalves 21 Ago 03

ESCREVER, LER

Retiro do Guerra e Pás, este fragmento que se segue. Lendo-o de novo, fico mais aliviado e já não sinto tanta necessidade, nem de mandar a D. Paula Bobone à merda, nem de ler crónicas e artigos rebarbativos que tanto espaço inútil às vezes ocupam em jornais e revistas. Prova-se que esta blogosfera tem mais coisas no seu céu e na sua terra do que muita "filosofia".

A Literatura, como bem sabemos, reconcilia-nos o mundo. Não com o mundo, mas o mundo. Atrevo-me a dizer que quando estamos a ler, estamos de facto à procura da nossa resiliência, da nossa capacidade de nos esticarmos e, como os elásticos, de acumularmos energia – vida – que possamos consumir. Até à próxima leitura.
Na neurociência, e nas ciências psi, há um curiosíssima visão do nosso mundo: vivemos no passado. Um passado de pedaços segundo, o tempo que demoramos desde a captação do mundo até à sua digestão. E nas ciências mais exactas, mas amplamente especulativas, aquelas que querem compreender e explicar o universo, há uma teoria, incapaz de prova, que congela a nossa ideia de tempo como qualquer coisa que passa, para dizer que na realidade cada instante das nossas vidas corresponde em si mesmo a um universo. Assim, viveremos de fatia em fatia: cada correlação de nós com o mundo é um carpaccio. Haverá um universo em que nos apaixonamos; um universo no qual vamos abrimos o livro que mudará os próximos universos. Os nossos.

Estou certo que a ideia nada tem de novo nem de original, mas é preciso algum tempo para a assumirmos como uma das verdades mais elementares na leitura. Estamos a ler para ler aquilo que esperamos. Quando começamos a ler, a ansiedade é essa. E a ansiedade é uma reacção bioquímica defensiva – como é o riso ou o choro.
E o que esperamos? Claro, não sabemos. Mas sabemos o que não queremos. Se estamos a ler um policial há uma expectativa, uma grelha que deve ser preenchida. A nossa memória é terrível. Para o bem e para o mal, queremos sempre um detective/polícia espirituoso, ou pelo menos alguém que pudessem ser isso, se não fosse outra coisa, uma mulher, um padre, um cego.
Na literatura, os géneros existem porque os leitores são todos pretensores.

Mas depressa a nossa esquizofrenia passa a mestre dominante. Pouco depois da acalmia retentiva, que nos faz ficar pelo livro, começa a crescer em nós a urgência da ligação única que queremos ver estabelecida entre o que lemos e nós mesmos. O livro, o texto, deve começar rapidamente a dizer-nos segredos, bem encostado ao nosso ouvido. Ideal seria que fossem sussurros, murmúrios de meias palavras. E pode ser uma marca de pastilha elástica que nos leva à infância, não precisa de ser uma ideia das mais nobres.

Só que não chega.

O livro começa a subir dentro de nós, a ser menos um livro e mais um livro que ficará connosco, quanto mais sentirmos que quem escreve é capaz de escrever aquilo que lhe é intolerável. O problema é que até nós, o leitor mais exigente do mundo, o leitor que mais ambiciona ser leitor, estamos embriagados pelas contingências e imobilizados pela nossa própria armadura de prévios. E quem escreve sabe isso e portanto tende a escrever do que não lhe interessa (ou que lhe permite refúgio ou adiamento), como quem coloca placas de sinalização pelo livro todo. Os locais, os ambientes, as descrições, as piscadelas de olho culturais, as personagens acessórias, a cinematografia possível de uma história que recebemos por transfusão. Na maioria dos casos, são os sinais indicativos que ofuscam o resto e esse resto mirra irremediavelmente. Ora esse resto será, em princípio, da ordem do intolerável e, talento e humanidade existam, será um intolerável mais banal que terrível, porque a nossa vida é bem mais comum do que aquilo que gostamos de pensar.

O erro está, talvez, talvez, em ler um livro como um todo. Ou por outra, ler um livro é ter de esperar tudo isso. Num restaurante, por melhor que seja, não nos escapará a visão do prato sujo, da mousse a desfazer-se, da garrafa vazia e tombada. Cabe-nos desejar saborear apesar de tudo.

Num blog há mais provocação ao intolerável do outro que assunção do nosso próprio intolerável. Nesta medida, e até ver, os blogs têm pouco de literário. Isto com excepção de alguns posts, sem surpresa, os que mais entram em cada um de nós e se aninham dentro daquilo que somos.

...

João Gonçalves 21 Ago 03

INFORTÚNIOS DA VIRTUDE II

O PS escolheu a D. Ana Gomes para comentar a história de Maggioli Gouveia e de Paulo Portas. Em parte compreende-se que assim seja, dado ter estado na Indonésia como representante do Estado português na altura do referendo e das "touradas" de 1999. O problema é que a senhora não é exactamente um modelo de serenidade e de bom senso. Ficou-lhe sempre aquele jeito "mrpp" de ver as coisas, para além da muita emoção que junta quase sempre a tudo o que diz. Tem sido demasiadas vezes a porta-voz de um PS meio estonteado que ainda não encontrou um registo razoável para comunicar eficazmente com a Pátria. Não sei se o Dr. Ferro já percebeu, mas ela não lhe angaria um voto! Em certo sentido, foi a pessoa certa para zurzir Portas. Por razões diversas, estão muito bem um para o outro.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • João Gonçalves

    Primeiro tem de me explicar o que é isso do “desta...

  • s o s

    obviamente nao é culpa do autor ter sido escolhi...

  • Anónimo

    Estou de acordo. Há questões em que cada macaco se...

  • Felgueiras

    Fui soldado PE 2 turno de 1986, estive na recruta ...

  • Octávio dos Santos

    Então António de Araújo foi afastado do Expresso p...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor