Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

...

João Gonçalves 30 Jul 03

ANTÓNIO MARIA LISBOA

Por estar sempre a convocar o Cesariny, e por que não me apetece falar do Mestre Américo, lembrei-me de António Maria Lisboa, uma das mais talentosas promessas, e ainda realidade, do surrealismo português, em má hora morto surrealisticamente (ou nem tanto) de tuberculose aos 25 anos. A partir de 1947, com Pedro Oom e Henrique Risques Pereira, constitui um pequeno grupo algo distinto das actividades já conhecidas dos surrealistas. Em 1949, vai para Paris, onde permanece algum tempo. De volta a Lisboa, colabora com poemas e desenhos na 1 ª Exposição dos Surrealistas, do grupo dissidente. A partir dessa altura, forja-se a amizade com Cesariny, que o acompanhará até aos últimos dias. Em 1950 colabora na redacção de vários manifestos e, em carta a Cesariny, faz as primeiras declarações com referências aos objectivos do movimento surrealista. Apesar destas aproximações, Lisboa prefere ver-se como um metacientista, e não como um surrealista, porque, diz ele, a surrealidade não é só do Surrealismo, o Surreal é do Poeta de todos os tempos, de todos os grandes poetas.

Um exemplo :

PROJECTO DE SUCESSÃO

Para o Mário-Henrique

Continuar aos saltos até ultrapassar a Lua
continuar deitado até se destruir a cama
permanecer de pé até a polícia vir
permanecer sentado até que o pai morra

Arrancar os cabelos e não morrer numa rua solitária
amar continuamente a posição vertical
e continuamente fazer ângulos rectos

Gritar da janela até que a vizinha ponha as mamas de fora
pôr-se nu em casa até a escultora dar o sexo
fazer gestos no café até espantar a clientela
pregar sustos nas esquinas até que uma velhinha caia
contar histórias obscenas uma noite em família
narrar um crime perfeito a um adolescente loiro
beber um copo de leite e misturar-lhe nitroglicerina
deixar fumar um cigarro só até meio
abrirem-se covas e esquecerem-se os dias
beber-se por um copo de oiro e sonharem-se Índias.


(Ossóptico)



...

João Gonçalves 30 Jul 03

ELSINORE

Leio no Anarca Constipado que não se pode legislar com um olho no código e outro na televisão. Ainda há um terceiro olho, o azul do Cesariny.

...

João Gonçalves 30 Jul 03

LLOSA EM BAGDAD

Vale a pena acompanhar as crónicas de Mario Vargas LLosa no Diário de Notícias acerca do Iraque da pax americana e dos velhos ressentimentos. Começaram na segunda-feira.

...

João Gonçalves 30 Jul 03

INFERNO

Na zona das Beiras, Castelo Branco, Fundão etc, há um fogo que consome o terreno desde o fim de semana. Ao lado de muitas outras chagas, os incêndios, ora filhos da incúria ignorante, ora da malícia criminosa, estão para os nossos verões como o Algarve está para a populaça, entre Julho e Agosto. Dizer-se que "para o ano é que vamos fazer e acontecer..." não quer dizer rigorosamente nada. As populações e os bombeiros estão cativos desta anuidade inócua dos poderes públicos. Seja pelos rigores do Inverno, seja pelos castigos do Verão, há muitos de entre nós, nesse País ignorado, que só por intervalos saem do Inferno.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • João Gonçalves

    Primeiro tem de me explicar o que é isso do “desta...

  • s o s

    obviamente nao é culpa do autor ter sido escolhi...

  • Anónimo

    Estou de acordo. Há questões em que cada macaco se...

  • Felgueiras

    Fui soldado PE 2 turno de 1986, estive na recruta ...

  • Octávio dos Santos

    Então António de Araújo foi afastado do Expresso p...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor