Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

...

João Gonçalves 30 Jun 03

O DR. PEDRO ROSETA

Esplendidamente cândido, o Ministro da Cultura disse ontem em Coimbra o seguinte: "só irei cumprir este mandato", e mais adiante, "interrogado sobre se está disposto a desempenhar até ao fim o seu actual cargo, o ministro respondeu afirmativamente. "Se o sr. primeiro-ministro quiser. Posso acabar já amanhã". Depois, a propósito dos dinheiros, referiu que "estamos a pagar os esbanjamentos dos outros ministros".

Eu - já o disse- simpatizo com Pedro Roseta. É um homem bom, generoso e culto. Percebe-se diariamente o incómodo que lhe causa a pasta que o Dr. Barroso lhe decidiu outorgar. A cultura necessita de uma outra ambição e de um outro desígnio, e é grave que um governo de maioria não perceba isto. Quando Roseta menciona os "esbanjamentos" anteriores, não pode ignorar o estado praticamente letárgico em que todos os sectores do seu Ministério se encontram. A plataforma custo/ benefí­cio, como programa, não faz decididamente uma polí­tica. Reduzir tudo, mesmo nestes tempos difíceis, ao dogma contabilístico e à  pura intendência, é menorizar a missão da instituição que dirige. Das duas uma: ou o Estado quer continuar a intervir na área cultural, como tutela, e dota o sector com a dignidade orçamental mínima adequada a uma ambição e a um programa "políticos", induzindo simultaneamente parcerias e mecenatos, ou deixa que o sector seja absorvido pela famigerada "sociedade civil" que, entre nós e nesta matéria, salvo honrosas excepções, tem a dimensão mental de um rato.

...

João Gonçalves 30 Jun 03

A GUERRA

Foi-me anunciado um novo blogue, de seu nome Guerra Civil Espanhola que tem em vista a recolha de recursos vários, o ponto de contacto entre interessados/as sobre este período histórico e a posterior construção de um arquivo digital mais consistente. Trata-se efectivamente de um dos períodos mais interessantes da história de Espanha e da Europa no século XX, muito dado a equívocos dramáticos. Deu pano para mangas a muitos e famosos escritores, a maior parte dos quais alinhados nas trincheiras anti-franquistas. Hemingway, Malraux, Orwell, Bernanos e outros, escreveram romances conhecidos acerca do conflito, e muitos perceberam in loco que os republicanos também tinham abundantes e sanguinários "pés-de-barro". Por isso, e se ainda o não fizeram, eu aconselho os autores do blogue a ler a obra de Hugh Thomas sobre a guerra civil espanhola que se encontra traduzida pela Ulisseia, salvo erro, em dois volumes.

...

João Gonçalves 30 Jun 03

O ANEL DA CULTURA

Leio e ouço que, para presidir ao novo Instituto das Artes, o novo produto fundido entre o Instituto Português das Artes do Espectáculo (IPAE) e o Instituto de Arte Contemporânea (IAC), foi escolhido o Dr. Paulo Cunha e Silva que, de entre outros méritos constantes dos dados fornecidos oficialmente, fez parte duma comissão de honra que apoiou o Dr. Ferro Rodrigues na liderança do PS. É curioso que a "fonte oficial" se tenha lembrado disto agora, pois não se descortina relação entre as funções que vai desempenhar e aquela atitude cívica. É como quem diz: "este não é dos "nossos", mas, nós, magnânimos e alheios a quaisquer interesses partidários, lá o nomeamos". Cunha e Silva, como bem nos lembramos, foi dos poucos a defender esta fusão, e antes disto, já tinha passado pela Porto 2001 como responsável pelos Projectos Transversais. É médico e professor na Faculdade de Motricidade Humana do Porto.
Cunha e Silva vai chefiar um Instituto que ainda não tem lei orgânica aprovada e, numa pequena entrevista de rádio que ouvi no carro, já perorou acerca dos subsídios e do orçamento, naturalmente preocupado. Tem motivos de sobra para isso. O IPAE ainda não atribuiu os subsídios aos candidatos aos ditos, na dança ou no teatro, porque não tem dinheiro. Do IAC pouco sei. Ele, porém, que repouse. A famosa "mão invisível" da "gestão flexível" do gabinete do Ministro da Cultura erguer-se-á na altura adequada. Nem que seja para dar uma machadada.

...

João Gonçalves 30 Jun 03

O DR. LOUÇÃ

Diz-nos o JPP que "no Combate, órgão do PSR, o partido trotsquista membro do BE, António Louçã compara-me com Goebbels e propõe que eu seja julgado como Milosevic no Tribunal Penal Internacional pelas minhas opiniões sobre a guerra do Iraque. Não é metafórico, nem blague, é mesmo a sério – se ele pudesse prendia-me."

O Dr. Louçã é uma daquelas figuras da extrema-esquerda portuguesa que, tendo algum brilho, faz nele convergir as piores heranças pátrias, com uma raríssima habilidade: é um misto de sacristão, com laivos de inquisidor, e de moralista profético. Não chega a ser verdadeiramente perigoso, mas o seu pequeno grupo de amigos insinua-se demasiado bem por entre os escombros do PC e as presentes angústias do PS. O que me espanta é ver pessoas que eu reputo de lúcidas "acharem graça" a esta rapaziada do BE. A Esquerda que não se ponha a pau, e o sacristão ainda sobe a pároco da aldeia.

...

João Gonçalves 30 Jun 03

ADIVINHA QUEM VEM JANTAR

Não é do jantar de Sampaio com Ferro ontem à noite em Belém que venho falar. Outro dia, com mais calma, trataremos disto. É que, brusca e tranquilamente, neste Verão, desapareceu Katherine Hepburn, aos 96 anos. Ela dizia que oscilava entre o céu e o inferno, sem que verdadeiramente tivesse entrado em nenhum deles ou sofrido as respectivas danações ou salvações. Era uma senhora eternamente apaixonada pelo colega Spencer Tracy, católico, que nunca deixou a mulher por ela. Foi assim até ao fim. Eu vi muitas fitas com Hepburn, mas recordo sempre a incontornável Mrs. Violet Venable, de Bruscamente no Verão Passado, de Joseph Mankiewicz, com argumento de Gore Vidal, baseado na peça homónima de Tenessee Williams.Há para aí em dvd. Imperdível.

...

João Gonçalves 30 Jun 03

MÁRIO CESARINY

Poema

Tu estás em mim como eu estive no berço
Como a árvore sob a sua crosta
Como o navio no fundo do mar.


...

João Gonçalves 29 Jun 03

LIGAÇÕES PERIGOSAS

Como é domingo, há mais tempo para deambular pela "blogosfera". Dei da caras com o último post do Mar Salgado, acerca do "Sexo e a Política", com base num artigo do "Spectator" ali citado. São oportunas as reflexões produzidas. Aqui ficam.

SEXO E POLÍTICA: A Spectator publica este excelente artigo a propósito da atitude do Partido Conservador em relação à vida privada de um dos seus altos quadros. É um bom pretexto para discutir a relação entre Sexo e Política. Devem os partidos políticos ter opinião sobre os hábitos sexuais dos cidadãos ou dos seus militantes ? Um partido conservador deverá defender uma moral conservadora nestas matérias ou respeitar a liberdade de cada um ? Há uma atitude de esquerda ou de direita nestas questões ?
Pretender que ideologias ou partidos políticos regulamentem esta área tão íntima denuncia uma pulsão totalitária. O Estado (e os partidos políticos fazem parte do aparelho de Estado) deve manter-se afastado destas matérias, desde que salvaguardada a protecção de grupos que devem ser especialmente protegidos como as crianças. A tentação para intervir é grande: hoje em dia respira-se sexo por todo o lado - nos media, na publicidade, no trabalho e na rua. A posição correcta e liberal é a de defender o direito de cada cidadão a não ser incomodado por causa dos seus hábitos íntimos.
Graças a uma história caricata, o Partido Conservador inglês está numa encruzilhada: aceitar o facto da vida sexual ser um problema individual ou seguir na linha do infelizmente célebre back to basics de John Major. Em suma, ser um partido preparado para os dias de hoje ou manter um espírito reaccionário em que os ingleses não se revêem. É que, como se escreve no artigo, não é o sexo que incomoda os cidadãos, é a hipocrisia.

Comentário:

Sobre estas matérias, recomendei outro dia a leitura de Gore Vidal. Aliás, no seu vastíssimo livro de ensaios "United States", há um texto que se intitula precisamente "Sex is Politics", cuja leitura vivamente recomendo, apesar de ter sido escrito há mais de 20 anos.

...

João Gonçalves 29 Jun 03

JOSÉ CARDOSO PIRES

Nelson de Matos, responsável pela Editora D. Quixote, tem hoje um belíssimo texto/retrato sobre Cardoso Pires. Aqui está uma prova de que há blogues que acrescentam algo de bom à nossa cinzenta atmosfera.

...

João Gonçalves 29 Jun 03

FLORILÉGIO DOMINGUEIRO

Não nos andam de feição estes domingos de Verão. Farejo por perto a data do desaparecimento de David Mourão-Ferreira, em 1996. Não é a sua morte que quero lembrar hoje, mas a fulgurância escorreita da sua poesia, a sua imensa alegria de viver, a compreensão que as suas letras fazem da beleza e do que há de imaterial e improvável no encontro despojado de dois corpos que, por momentos, se amam.

Ternura

Desvio dos teus ombros o lençol
que é feito de ternura amarrotada,
da frescura que vem depois do Sol,
quando depois do Sol não vem mais nada...

Olho a roupa no chão: que tempestade!
há restos de ternura pelo meio,
como vultos perdidos na cidade
em que uma tempestade sobreveio...

Começas a vestir-te, lentamente,
e é ternura também que vou vestindo,
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo...

Mas ninguém sonha a pressa com que nós
a despimos assim que estamos sós!

...

João Gonçalves 29 Jun 03

PASSAGENS SEM NÍVEL

O domingo começou, perto de Barcelos, com mais duas mortes numa passagem de nível, dentro de um carro. Uma terceira vítima estará mais para lá do que para cá, no hospital. Anda por aí espalhada o "Portugal em acção", uma nova "griffe " oficial. Porém, quando vejo as discussões bizantinas em torno do aeroporto da OTA, quando me lembro de que são precisas horas intermináveis para chegar ao Algarve de comboio, quando sinto as reduções de velocidade nos Alfas Lisboa/Porto por causa das nunca mais reformáveis linhas e carris, tudo culminando nestas pequenas mas significativas tragédias em obscuras passagens de nível espalhadas por esse País "real", ocorem-me as palavras de Milan Kundera a propósito do comportamento "kitsch" dos chamados "responsáveis" pelas coisas públicas, "a necessidade do Kitsch do homem-kitsch (kitschmensch)": "é a necessidade de se olhar ao espelho da mentira que embeleza e de aí se reconhecer com uma satisfação enternecida".

Pág. 1/8

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • João Gonçalves

    Primeiro tem de me explicar o que é isso do “desta...

  • s o s

    obviamente nao é culpa do autor ter sido escolhi...

  • Anónimo

    Estou de acordo. Há questões em que cada macaco se...

  • Felgueiras

    Fui soldado PE 2 turno de 1986, estive na recruta ...

  • Octávio dos Santos

    Então António de Araújo foi afastado do Expresso p...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor