Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

DO TOSCO ENQUANTO TRIVIALIDADE NACIONAL

João Gonçalves 5 Abr 10


A "história das casinhas" foleiras, supostamente inventadas por Sócrates na versão engenheiro técnico camarário, não acrescenta um átomo a nada. Vinte ou duzentos "projectos", maior ou menor "desleixo" do seu autor e a eventual violação do princípio das incompatiblidades parlamentares mudam alguma coisa no país em relação a Sócrates ou de Sócrates em relação ao país? Não mudam. Pelo contrário, banalizam essa relação e trivializam o putativo faltoso desleixado (quem é que não gostava de ter imaginado trambolhos assim ou assado e ser, menos de vinte anos depois, 1º ministro?) . Porque, de uma forma geral, o português dito "médio" é como esse Sócrates dos anos oitenta, um parvenu acabado de chegar das berças para se sentar no parlamento. Um esperto deslumbrado. Até aquelas coisas que alegadamente desenhou são o retrato dessa mediania muito satisfeita consigo mesma que, apesar da mudança de visual, ele personifica. Julgo que ninguém minimamente alfabetizado possui alguma ilusão acerca do "progresso" e da "modernidade" representados por Sócrates. As "casinhas" são apenas um episódio na vida de um homem com uma não biografia apesar dos hagiógrafos das fichas e dos analfabetos funcionais espalhados pelos media sempre prontos para rameirais figuras. Ele existe precisamente porque não existe. Um dia, quando desaparecer do poder, muito adequadamente ninguém se lembrará dele. Porque, quando existe, é em tosco retocado algo que, nestes pequenos monumentos ao mau gosto, nem sequer houve o cuidado de disfarçar.

22 comentários

De Anónimo a 05.04.2010 às 17:12

«Nos aspectos essenciais da ques~tão haverá alguma diferença entre o anjo beirão e o anjo argarvio?»
Há muitas. O Algarvio dá-se ao respeito e é respeitado, mesmo por muitos daqueles que o não apoiam; O Algarvio é ouvido, mesmo por aqueles que não o apoiam; O Algarvio sabe daquilo que fala; O Algarvio é uma referência ética da República; O Algarvio passou pelo Governo da República e deixou uma marca positiva no País (embora não seja isento de criticas, claro está); O Algarvio diz que é e é mesmo aquilo que diz ser; O Algarvio não é nem nunca foi suspeito de «coisas»...
O Beirão deveia chamar-se mosca: onde há merda ou está lá ou anda por perto!
TNSBA

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor