Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

POLÍTICA E BIRRAS

João Gonçalves 6 Fev 07

Mal dormido da infeliz passeata chinesa, o eng.º Sócrates mergulhou de imediato numa sessão intimista do seu partido dedicada ao “sim”. Correram os habituais lugares-comuns sobre o aborto clandestino, a “humilhação” e a “condenação”. Nada de novo por aqui. Todavia, a parte mais interessante da peroração do secretário-geral do PS consistiu na subtil chantagem que quis deixar no ar, dirigida particularmente a criaturas que representam o seu partido no Parlamento e que estão do lado do “não”. Que disse ele? Se o “não” ganhar, a lei fica tal como está e o PS arremessará a sua maioria contra qualquer iniciativa casuística para a alterar, venha ela de onde vier. Para quem, como eu, entende que a lei em vigor é perfeitamente equilibrada - porque pondera, quer os interesses de uma vida por vir, quer os interesses e a saúde da progenitora - Sócrates chegou tarde à evidência. E, para além disso, entrou em contradição. Não foi ele que pediu “respeito” aos camaradas pelas posições internas em sentido contrário? Ou o seu absolutismo democrático só funciona quando lhe é favorável? O primeiro-ministro e o governo não ignoram que está em causa dotar o serviço nacional de saúde de condições humanas e materiais para servir as populações. Entre outras, incluem-se as medidas – até agora desprezadas pela “esquerda” e pela “direita” que alternaram no poder nos últimos vinte e tal anos – que permitam às mulheres que justificadamente recorrem à interrupção da gravidez, poder realizá-la em segurança e livres de estigmas de qualquer natureza. O resto é política e birras sem importância.
Nota: Publicado no Diário de Notícias. Entretanto, o mesmo eng.º Sócrates esteve hoje no Porto com a mesma conversa. Esta chantagem que o secretário-geral do PS anda a exercer sobre o eleitorado - ou votam "sim" ou nós não mexemos "uma palha" - é elucidativa do "estilo despotista democrático-esclarecido" do nosso primeiro-ministro. No "não" cabem muitos "sim's". Inclusivamente o "sim" à actual legislação. É a percepção que as pessoas têm disso que irrita o senhor engenheiro. É elas perceberam que se trata, não de despenalizar - diga lá ao eleitorado a verdade toda, a de que o aborto, para além das dez semanas da perguntinha, continua criminalizado com excepções - mas sim de liberalizar unilateralmente. Isso, senhor engenheiro, é que não.

1 comentário

De Anónimo a 06.02.2007 às 18:44

Ó JG, deixe-se lá do senhor engenheiro! Ou, então, ponha-o entre aspas, como é devido.
Quanto ao anónimo anterior (6:01 PM), é de notar que não se discorda com, mas se discorda de...
Entendido?

Inserir comentário

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
captcha

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor