Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

UM SINAL

João Gonçalves 21 Jun 09


Quando ouvi a declaração de Moniz (sobre a presidência do Benfica), recordei as primeiras investidas de Manuel Alegre para Belém. Parecia que a meio avançava e, por fim, desistia. Acabou, todavia, por avançar. Perdeu e voltou para o seu lugar de deputado e de vice-presidente do "Solene Congresso". Ora se calhar Moniz não tinha a mesma certeza de, perdendo, poder manter-se como director-geral da TVI. Seja como for, ficou o sinal. Moniz já está a prazo em Queluz. Em televisão, o que parece é.

15 comentários

De Rato a 21.06.2009 às 21:29

http://5dias.net/2009/06/21/sou-so-eu-a-achar-que-isto-e-uma-intromissao-intoleravel/

O assunto é mais grave do que o post do João quer fazer crer, porque tudo aponta para uma nova ofensiva do poder socretino contra a informação que ainda não se lhe submeteu. O querido líder definiu a TVI como um inimigo a abater rapidamente e conta com a colaboração da Prisa para liquidar Moniz. As manobras estão em curso, como noticiou o Expresso deste fim-de-semana. O episódio Benfica acabou por funcionar como um alerta , pois Luís Filipe Vieira não é diferente de Sócrates a actuar. O poder socretino já tem um domínio toal sobre a RTP e a SIC, como se viu na operação falhada para mudar a imagem do querido líder. Falta-lhe a TVI e Moniz é o maior obstáculo. Por isso, é preciso pô-lo a milhas.

De Mani Pulite a 21.06.2009 às 21:57

Se tentarem tocar no Moniz e na Moura Guedes a resposta do Povo Português será dada na RUA.Como em Teerão.Portanto,muito juizínho Zézito!

De radical livre a 21.06.2009 às 22:04

pequeno pormenor do tempo verbal.
não é está, mas sim já estava por causa do ainda pm

esqueci de referir sobre o seu blog e livro
Juvenal; Satirae, sátira 7, vers. 51
«insanabile cacoethes scribendi»

De www.angeloochoa.net a 21.06.2009 às 22:04

Já chegámos a Teerão, amigos?
É só fumaça...
O povo é sereno.

De Gonçalinho a 21.06.2009 às 22:18

Se acontecer na TVI o que o Expresso prevê neste fim-de-semana, o afastamento de Moniz da direcção da TVI, por pressões do poder socialista, teremos um caso político muito sério. Em Caracas, Chavez procura também acabar com o único canal independente da Venezuela.

De Olex a 21.06.2009 às 22:39

Quem não se lembra do Moniz na encenação Marcelo R. S.?
Quem com ferros mata...

De Salmón a 21.06.2009 às 22:47

Já vi que este Olex faz parte da central de informação do governo. Quem fez sair Marcelo da TVI foi Pais do Amaral que, depois, vendeu a TVI à Prisa para facilitar o controlo socialista.

De Olex a 21.06.2009 às 23:28

Pois é Salmon.
O Moniz não é o autor da peça.
Mas desempenhou bem o seu papel de valet de chambre.

De garganta funda.... a 22.06.2009 às 00:28

Uma coisa é certa: o Socretino-Mor e todo o seu séquito de trafulhas e labregos não se dão por vencidos.

E até à "prova dos nove" vão fazer "trinta por uma linha".

Desde a contra-informação até aos interesses comerciais e empresariais que orbitam à volta dessa seita, vão "inundar" o mercado comunicacional com as mentiras e os truques mais refinados.

Todavia, a sentença já está proferida: em Outubro, essa escumalha regressa às "boxes" e muitos deles vão responder por todas as malfeitorias que fizeram ao povo honesto e trabalhador.

Deus não dorme, e não castiga "nem com pau nem com pedra"!!!

De Anastacio a 22.06.2009 às 03:08

Nestas coisas nunca há fumo sem fogo. O PS há muito que anda danadinho para acabar com a espinha cravada na garganta que se chama TVI e Jornal de Sexta. Compreende-se o mal-estar, pois ter 1300000 alminhas a ver e ouvir trafulhas chamar com o maior dos desplantes corrupto ao Primeiro Ministro de Portugal não é coisa politicamente saudável.

O primeiro arremesso contra a TVI não funcionou e Pina Moura saiu pela porta pequena, e deixando Socrates à beira de um ataque de nervos com a Manelinha e o Marido. E tem toda a razão, porque se hoje os portugueses conhecem um pouco melhor o seu Primeiro Ministro a estes dois ( e a poucos mais) o devem.

O que está a acontecer em Portugal com a comunicação social é digno de figurar nos manuais dos Tiranetes deste Mundo. A receita enuncia-se facilmente. Sabendo que o mercado é e será sempre exíguo, acena-se com a criação de mais um canal de TV, sabendo que isso significa rebentar com o modelo de negócio dos existentes, para depois deixar a coisa em banho-maria e esperar pela docilidade dos desgraçados que estão metidos no embróglio. Para os que não estão é a sua grande oportunidade de crescimento e por isso colaborarão também. O jornalismo "português suave" para com o Governo da parte dos grupos Impresa e da Controlinveste e a quantidade de apaniguados do PS que controlam a sua informação sinaliza a eficácia da estratégia. Cria-se legislação (como esta última do "pluralismo" que foi travada a tempo pelo Presidente da República) e dá-se gás a uma "autoridade" ERCiana para limitar, condicionar e intimidar. Aperta-se a intervenção nos meios do Estado, RTP e Lusa, chegando ao ponto de prescrever aos jornalistas o vocabulário proibido. Intimida-se e processa-se todo aquele que ouse opinar contra o Grande Líder.

Sobra a TVI, Moniz (e poucos mais) a resistir à investida. Os Espanhois estão num dilema, porque precisam mas sabem que só vendem a empresa se o Governo permitir e por outro lado não podem pagar o pontapé milionário no Moniz. Uma trapalhada que esta história mal contada do Benfica poderia resolver. Mas Moniz não é nenhum cordeiro que se deixa facilmente imolar. Limitou-se medir a temperatura a uma opção de futuro. Mas apenas isso. Não pense Socrates que se livra dele tão cedo.

Comentar post

Pág. 1/2

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor