Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

3 comentários

De Cáustico a 17.02.2009 às 16:09

Anormal e anormalidade são palavras que soam aos meus ouvidos com uma frequência que me é indesejável.
Detesto tudo o que se afasta das normas, dos padrões correctos amplamente desejados; detesto as irregularidades absurdas, principalmente quando nada acrescentam à harmonia e à beleza das coisas.
Quando era menino, adorava observar o azul do céu naquelas ocasiões em que se tornava ainda mais encantador por força do contraste com os novelos de nuvens muito brancas; era o céu normal, para mim. A anormalidade acontecia quando o azul desaparecia, as nuvens brancas davam lugar a outras negras, que despejavam água em quantidade muitas vezes não desejável, e que, ao movimentarem-se no espaço, provocavam ruídos e luzes assustadoras.
No quintal da casa que constituía a minha habitação, muitas horas passei a observar as plantas e as bichezas que por lá havia. Observava para tentar compreender, naquela altura em vão, como apareciam, como se desenvolviam e como desapareciam.
Surpreendia-me, por vezes, ao deparar com bichezas da mesma espécie mas ligeiramente diferentes na cor ou no tamanho. Anormais, aceitava eu.
Nas plantas verificava a existência de algumas situações similares: plantas da mesma família que não se desenvolviam de forma idêntica, umas com caules direitos outras com eles retorcidos, evidenciando, por isso, para mim, uma certa anormalidade, que não constituía, de forma alguma, obstáculo à realização do fim que esteve na origem do seu aparecimento.
Sem conhecer as causas que provocaram o estado em que apareceram, encontrei ao longo da minha vida, que felizmente não é curta, alguns seres humanos que não respeitavam as normas da espécie a que pertenciam. Sem braços, sem pernas ou com estes membros fortemente atrofiados, com dedos em número fora do normal, incapazes de ver, de ouvir, de falar. A estas anormalidades de ordem física encontrei outras do foro psíquico.
Os cientistas têm-se esforçado por encontrar meios de correcção de tais anormalidades, já que se torna difícil senão impossível evitar o seu aparecimento.
E resultados muito positivos têm sido alcançados.
Conheci crianças que nasceram com o lábio superior e o palato fendidos e que ficaram quase normais por força de operações a que foram submetidas. E o que dizer das próteses para substituir pernas e braços. Já se fala no desenvolvimento de um aparelho que permitirá aos cegos ver, em certas condições.
As aberrações sempre surgem e o desejável é que haja suficiente inspiração dos cientistas para as reduzir e até eliminar.
Uma das aberrações que está muito em voga, até pela propaganda que a comunicação social imbecilmente faz, é a dos paneleiros e das lésbicas.
A anormalidade dos paneleiros resulta da utilização indevida de dois órgãos fundamentais: o ânus e o pénis.
Estes dois órgãos têm funções específicas: o ânus, para a saída do nosso corpo dos dejectos que constituem a parte dos alimentos que não foi aproveitada na digestão; o pénis, para a saída da urina e para a copulação.

Ora, acontece, que o paneleiro, por razões que os médicos não desconhecem, altera, em parte, as funções destes dois órgãos. Para o pénis, pobrezinho, reserva apenas a função da saída da urina; ao ânus acrescenta uma função estúpida para a qual não foi criado.
Se os médicos conhecem a origem, também podem encontrar a cura. E seria óptimo que ela aparecesse já, se é que ainda não existe, para se evitarem, de uma vez por todas, os espectáculos degradantes, indecentes, nojentos que esses anormais, com o apoio da comunicação social, ela lá sabe porque o faz, constantemente andam a dar.
E desapareceria a preocupação que os paneleiros e seus assimilados mostram pelo aproveitamento da lei que não prevê as anormalidades de que muito se ufanam.

De Anónimo a 17.02.2009 às 16:17

a última coisa que desejo é que o estado regulamente
mais a minha vida. só falta indicar com quem devo ir para a cama.
estou cansado de socialismo aldabrão, ladrão e por aí fora.
PQP

radicallivre

De José Luiz Sarmento a 17.02.2009 às 21:25

Também eu sugeri ao Miguel Vale de Almeida, no «Jugular», que a solução correcta seria desregulamentar o casamento. O casamento civil é uma invenção recente e não há razão nenhuma para que se eternize como instituição.

A resposta do Miguel foi uma pergunta: «E daqui até lá fica tudo na mesma?»

Em tese, o casamento homossexual implica logicamente o casamento poligâmico, poliândrico ou incestuoso. Mas as sociedades não são lógicas: consigo imaginar a nossa a tolerar o casamento homossexual, não a consigo imaginar a tolerar os outros.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor