Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

DIZER ALGUMA COISA

João Gonçalves 24 Jun 08

«Alguns escritores escrevem directamente e dizem: Escrevo cinco páginas por dia, o que parece aberrante. Não escrevem, apenas redigem um texto qualquer. Eu escrevo uma frase. Simplesmente, reviro-a vinte vezes para conseguir dizer alguma coisa.» (Michel Mitrani, Conversas com Albert Cossery, Antígona) Cossery vai ao osso da questão. Perde-se demasiado tempo a ler "um texto qualquer" que se toma por um "grande livro" ou por um "ensaio indispensável". Apesar de tantos palavrosos espojados nos escaparates, nos jornais, nas revistas, nas televisões e nas universidades, é cada vez mais difícil, entre nós, encontrar quem, verdadeiramente, consiga "dizer alguma coisa" .

4 comentários

De Ricardo Guerra a 24.06.2008 às 15:46

Grande "posta", e está tudo dito.

De Anónimo a 24.06.2008 às 18:19

as livrarias portuguesas não repõem os livros vendidos, de modo que só expõem os monos. normalmente merda embrulhada em papel "cu-chê"
radical livre

De JCM a 24.06.2008 às 19:11

Mas para dizer alguma coisa é preciso pensar. Pensar não é raciocinar, como escrever não é alinhar letras e palavras e páginas. Quem pensa parte do mesmo sítio de quem raciocina, mas enquanto este vai por aí abaixo preso nas cadeias lógicas, o que pensa sobe, espreita o movimento dos conceitos, tenta descortinar o segredo que neles sempre se oculta. Quando se escreve como se se estivesse numa linha de montagem, montam-se textos que têm a utilidade de uma torradeira. E nunca uma torradeira serviu para dizer coisa alguma.

De Anónimo a 25.06.2008 às 01:44

Albert Cossery, egípcio que nunca renegou a sua pátria, é um dos grandes escritores do nosso tempo. Vivia há mais de meio século em Paris, no hotel La Louisiane e deixou uma obra reduzida mas notável. O seu livro "Mendigos e Altivos" foi passado ao cinema pela realizadora egípcia Asma Al Bakri. É uma película interessante, embora não consiga traduzir, como normalmente acontece, a verdadeira essência do romance. Além disso, omite um episódio de homossexualidade, menos consentâneo com a aparência egípcia dos "bons costumes". Foi preciso o recente filme "Imarat Yacoubian", a partir do romance homónimo de Alaa Al Aswani, para se ver no écran um jornalista ser possuído por um soldado. Acrescente-se que as salas de cinema do Cairo e de Alexandria se encheram durante semanas, isto apesar do incremento do fundamentalismo islâmico. Falhei um encontro em Paris, há dois anos, com Cossery, já então muito doente, e lamento não o ter conhecido pessoalmente. Esperemos que a História registe a sua obra.

MINA

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor