Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

REQUIEM POR GONÇALO

João Gonçalves 12 Jul 09


Lembro-me de Gonçalo Ribeiro Telles da AD de 1979. Na primeira manifestação pública da AD entre o Marquês e o Rossio. E de 80. Depois, dá-me ideia que votei nele (ou em alguém por ele, talvez Miguel Esteves Cardoso) numa autárquicas quaisquer em Lisboa. Quando Soares saiu de Belém, Ribeiro Telles recuperou o seu anti-fascismo romântico e monárquico (sempre estes "nossos pobres monárquicos" na sábia síntese do Doutor Salazar) através do ataviamento arquitectónico que proporcionou à Fundação Mário Soares em São Bento e nas Cortes, perto de Leiria. Andou com o Joãozinho ao colo (ou ele ao colo do Joãozinho) quando este foi edil em Lisboa. Aos poucos, e com as ridículas dissidências no campo monárquico, Ribeiro Telles deixou-se embalar pela "esquerda". Apoiou o "Zé" (Sá Fernandes) quando ele supostamente fazia falta. Agora, que já é uma certeza como oportunista político-delirante, devidamente "encaixado" pelo traquejo tarimbeiro do dr. Costa, Ribeiro Telles não hesita em ir atrás desta mixórdia para Lisboa. A senectude não desculpa tudo.


Adenda: De um leitor devidamente identificado, por mail.
«Ribeiro Telles é assim, mas sempre foi assim. É por isso injusto atribuir à idade as suas opções. O consenso acerca de Ribeiro Telles só foi possível pela ignorância generalizada sobre o que escreveu Caldeira Cabral e o que fizeram vários outros paisagistas da geração de Ribeiro Telles. Durante anos o jardim da Gulbenkian foi atribuído apenas ao Ribeiro Telles quando a base do jardim estava desenhada por Viana Barreto quando o convidou a integrar a equipa de projecto (na sequência da demissão de Ribeiro Telles da Câmara de Lisboa, por causa de uma polémica sobre a vegetação da avenida da Liberdade). Nem por isso Viana Barreto deixou de ser amigo e defender sistematicamente Ribeiro Telles. Ribeiro Telles é um grande comunicador, é um homem de traço fácil no desenho de jardins mas com um ego tremendamente grande que sempre o impediu de reconhecer as dívidas intelectuais que tinha quer para com o professor Caldeira Cabral, quer para os colegas da sua geração que pensaram e escreveram quase todas as ideias que são atribuídas ao seu grande divulgador, Ribeiro Telles. É exactamente este ego, igual ao que sempre foi, que o faz apoiar agora quem apoia. Mas é injusto dizer que está senil porque efectivamente não é verdade.»

23 comentários

De Anónimo a 12.07.2009 às 21:50

muito injusta opinião

De João Gonçalves a 12.07.2009 às 21:50

É a minha.

De radical livre a 12.07.2009 às 21:52

contam que o (supremo) arquitecto tinha ido ver a floração do jaborandi ao jardim botânico da escola politécnico.
atravessou com o sinal errado o semáforo do largo dos ratos. o policia mandou-o parar e perguntou:
o sr não viu o vermelho?
-vi. é lindo (o jaborandi)

esquerda volver!
agora é cor-de-rosa

De Anónimo a 12.07.2009 às 21:59

Respeitinho, Dr. João Gonçalves. Respeitinho.

De Anónimo a 12.07.2009 às 22:13

Ora aí está o ´"anónimo do respeitinho"...

Mas o que eu queria era escrever brevemente sobre o velhote... O Sá Carneiro deve ter pensado que precisava de todas as migalhas para a AD de 79/80. Aí, ainda o arquitecto tinha algum tino. Depois... achou que era autoridade de ambiente, cada vez mais maduro, mais maduro, mais maduro...

PC

De garganta funda.... a 12.07.2009 às 22:43

É triste ver o Sr.Arquitecto em conluio com essa trupe que envergonha Lisboa.

Como diz o Dr.João Gonçalves, a provecta idade não explica tudo...

Estar em conclave com um dos grupos mais reaccionários e "sucialistas" desde o 25 de Abril e que paulatinamente destruiram uma das mais belas capitais imperiais da Europa é um anátema que o perseguirá até aos fins do tempo...

De Licenciada a 12.07.2009 às 23:18

Coisa triste. Já vai para o "Braganza"... :-\

De garganta funda.... a 12.07.2009 às 23:36

Quanto ao vergonhoso ou misterioso apoio do Sr.Saramago ao alcaide Costa, ficamos à espera que o PCP instaure um processo disciplinar ao referido cavalheiro.

Ou será que no PCP, tal como profetizou Georges Orwell, há militantes mais iguais do que outros?

De Ricardo Gomes da Silva a 13.07.2009 às 00:24

O bem publico vai muito além das politiquices de alguns jovens alpinistas sociais.
Que o Sá Fernandes não valha um tostão furado e o Costa seja totalmente ignorante em tudo o que vá além da intriga de uma corte sem Reis nem roque...ai estamos de acordo
E até poderiamos acrescentar um Santana desfocado da realidade e uns outros quantos traidores à dignidade própria das suas espinhas dorsais

Mas no que toca ao Ribeiro Telles o meu caro amigo nem tangencialmente sabe do que está a falar...não se esuqeç que está a falar de alguém que já contestava publicamente a gestão da Cidade nos idos tempos da Ditadura, fez parte da resistência monárquica e chega hoje ainda activo sem que ninguém lhe consiga apontar um defeito de carácter, corrupção ou incoerência no discurso....falamos de mais de 40 anos e isso é muito tempo.Podemos contar pelos dedos de uma mão os politicos nesse plano

E o que é mais ridiculo é que o discurso do arq não mudou e mantem-se actual..pena é que muitos pessimistas e delactores das falhas alheias não tenham espelho em casa e leiam os jornais pois saberiam que a RAN criada pelo arq é hoje contestada pelo executivo a bem da especulação e roubo do bem publico.

bem haja

De Eloy a 13.07.2009 às 00:42

Respeito Ribeiro Telles,ele merece.
Ninguém está imune a ser enganado,sobretudo se os vígaros são de alto coturno.
Ele não tem culpa que o regime tenha colocado o poder judicial no bolso do PS,caso contrário o Costa não andava por aí a enganar velhinhos.

Comentar post

Pág. 1/3

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Gabriel Pedro

    Meu Caro,Bons olhos o leiam.O ensaio de Henrique R...

  • Maria Petronilho

    Encontrei um oásis neste dia, que ficará marcado p...

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor