Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Teatro de marionetas

João Gonçalves 29 Abr 15

 

Não vale a pena increpar a figura que a generalidade dos órgãos de comunicação social fez, de cócoras, diante da apresentação da mais recente (e talvez única) marioneta política concorrente às eleições presidenciais. Até o meu cão consegue ter mais respeito por si próprio. Mas o exercício encomendado teve ao menos a virtualidade de demonstrar duas ou três coisas. Desde logo que o dito concorrente é tão "independente" como uma formiga no carreiro. Os "donos" do regime e as oligarquias que mandaram "nisto tudo" até recentemente não  faltaram, desde o jazigo de família do pior PS até "vultos" como o Coronel Lourenço ou o dr. Granadeiro. Depois é manifesto que o concorrente se imagina a concorrer à chefia do Estado não em 2016 mas em 1916. Tudo ressumou a ranço salvo na "modernidade" no uso do "acordês". Por consequência, e apesar dos esforços abjectos de comentadores e jornalistas, o concorrente é um programa a preto-e-branco a quem nem sequer faltou o palco da salazarenta FNAT. Ao que a "esquerda" chegou.

3 comentários

De Anónimo a 30.04.2015 às 10:01

Quando há semanas vi num dos maiores blogues nacionais, ainda por cima de direita, o Henrique Neto com o triplo das escolhas de Marcelo e o resto a ficar com uns miseráveis votos, não tive dúvida nenhuma que ele ia ser abafado e outros tomariam o seu lugar nas antenas. E assim tem sido. A amostra nem é mais pequena que a de muitas sondagens que por aí se fazem "a sério".

De fado alexandrino a 30.04.2015 às 15:29

É difícil em tão pouca palavras resumir, uma candidatura, um país, uma não ideia.
Aquela do jazigo do PS é de mestre.

De Fernando Ferreira a 30.04.2015 às 21:11

Caríssimo João, em vésperas de 1.º de Maio nada mais resta se não constatar que Portugal passou ontem da situação de Estado Novo à condição de Estado Nóvoa, trocando a Névoa por Sócrates e cobrindo de Nívea o somatório de vacuidades intemporais que a história da pedagogia regista.
A (des)propósito, recordo a resposta desse estranhíssimo colosso chamado Agostinho da Silva que, há mais de vinte anos, nos preveniu em plena televisão de serviço público, e perante o sucessivo pasmo do Prof. João Grácio e do Dr. Miguel Esteves Cardoso, que «na Grécia antiga, o pedagogo era o escravo que obrigava o menino a ir à escola» e que «no futuro, Portugal devia aderir ao Brasil e não à Europa»: sábias palavras que ninguém quer escutar...

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor