Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Cunhal: "honra e vergonha"

João Gonçalves 13 Jun 15

jpp.jpg

Dez anos após a sua morte, Álvaro Cunhal é recordado numa entrevista ao Diário de Notícias pelo seu melhor biógrafo político, José Pacheco Pereira. Estão publicados três de quatro volumes desse tão monumental quanto preciso trabalho que culminará, naquele por vir, com a saída de cena de Salazar em 1968. Tem talvez razão o autor quando afirma "perceber" Cunhal, a função específica do historiador. Isto é, não se perceberá Cunhal ou as suas tensões e circunstâncias políticas sem ler, ou reler, com gosto igualmente literário, os livros de Pacheco Pereira. Porquê? Socorro-me da apenas da entrevista. «Era uma personalidade psicologicamente muito complexa. Muitas vezes isso só se revela mais tarde e retrospectivamente percebemos que a persona era a mesma. Cunhal foi transformado numa personalidade a preto e branco, um monge laico do comunismo, que obviamente não era. Uma espécie de teórico absoluto, ortodoxo, inteiramente ligado aos soviéticos, e em vários momentos decisivos ele não foi isso. Mesmo quando muda de posição, como no caso da Checoslováquia, muda por razões geopolíticas: está convencido de que mais importante do que o sucesso da experiência checa, que ele vê com bons olhos, é que a União Soviética não perca o hegemonia no movimento comunista internacional (...). Cunhal nunca abandonou a ideia de que o derrube do regime se faria também através de uma componente de luta armada, que é a tese dominante do Rumo à Vitória, onde fala no levantamento nacional armado. A fórmula é ambígua mas implica uma forma de violência revolucionária (...). Uma biografia de Cunhal é complexa, porque tem de tratar não só evoluções mas também pensamentos (...) O PCP tem uma história política ideológica muito marcada pelas ideias dele. Uma vez chamei-lhe o idealista pragmático, ou o revolucionário pragmático. Manteve sempre uma postura revolucionária, no sentido leninista, nunca abandonou a necessidade da violência, da luta armada, nunca defendeu que a transição em Portugal pudesse ser pacífica (...) Ele deixou ficar inscrito no programa do PCP uma coisa que lhe garantiu a sobrevivência: mais vale ser o que era do que tentar mudar (...). De todas as pessoas públicas que conheço, Cunhal é das mais vaidosas que é possível imaginar. É uma vaidade muito especial, não é dizer “eu sou o melhor”, mas traduz-se na representação que ele faz de si próprio na ficção. São Bernardo fala na vaidade do monge que é perfeito, que escolhe sempre os trabalhos mais difíceis, comporta-se sempre de forma exemplar. E as personagens em que Cunhal se representa na ficção são perfeitas, mesmo nas suas imperfeições (...). É um homem que se descreve a si próprio como a encarnação viva de um ideal que lhe apaga a personalidade, que lhe tira a pulsão pelos defeitos, que lhe apaga os pecados, sem os negar. Cunhal tem um grande corpus de textos – como aliás têm outras pessoas no PC – sobre os defeitos. O entendimento da clandestinidade do PC não é idealizado. Sabe que estão a lidar com homens com defeitos em situações de grande risco. Essa combinação do defeito com o risco e as fragilidades na experiência clandestina Cunhal percebe-a muito bem. Daí que nunca apele à ortodoxia nem à ideologia nem a uma espécie de situação abstracta. Ele usa aliás os valores do mundo mediterrânico: a honra e a vergonha (...). As ambiguidades são interessantes, quem trabalha sobre esta matéria tem sempre de perceber o que não é dito (...). Cunhal é uma das duas ou três figuras que explicam o século XX português, como o Salazar. Há outras pessoas muito importantes para se perceber o século XX. O Afonso Costa, que explica o republicanismo. O Marcello Caetano, o Mário Soares, várias figuras. O Cunhal é sem dúvida uma delas. Muitas coisas que marcam o século XX, ainda hoje vivas, têm a ver com o pensamento dele. Por exemplo, a ideia de que Portugal não é um país pobre (...) Eu percebia-o bem de mais e ele percebia-me bem de mais.»

Cunhal

SERENIDADE

João Gonçalves 1 Set 09


Enquanto o PS do admirável líder se descobra em gastos e propaganda reles, onde se confunde o governo da nação com o partido à boa maneira de certos regimes, prefiro a amenidade de Vale de Lobos e, depois, a calma do Martinho da Arcada*. Arregimentado, nunca. Apenas voluntário onde me apetece e com quem me apetece.

*o debate "blogosférico" com Santana Lopes pode ser seguido em directo aqui.

EVITAR MAIS "VALE DE LOBOS"

João Gonçalves 31 Ago 09


«E quando, ele que observara impenitente o velho Portugal, abandonado ao lodo utilitário os seus coevos, via também a mocidade mediocremente respeitosa por essa religião do Indivíduo que era a sua; quando via as tendências centralistas e socialistas - confessas ou inconscientes - dominarem nos governos e oposições, nos partidos conservadores e nos revolucionários, ele chorava, outro Isaías, sobre as ruínas do templo abatido, sem reconhecer que as pedras desse edifício derrubado já começavam a formar um novo monumento.» Isto é Oliveira Martins sobre Alexandre Herculano o tal que «antes de expirar disse apenas: «Isto dá vontade de morrer!» Para contrariar esta fatalidade nacional tão bem encarnada no retiro moral e físico de Herculano em Vale de Lobos, o José Pacheco Pereira apresenta amanhã, simbolicamente na Quinta de Vale de Lobos, a lista de candidatos a deputados que ele encabeça em Santarém. Vou até lá dar-lhe um abraço. Um dividido em dois. O político, que é óbvio. E o pessoal, que é apenas óbvio para mim.

À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

João Gonçalves 6 Jul 09


É o nome do programa de José Pacheco Pereira, aos domingos à noite, na Sic-Notícias. Por ter "participado" indirectamente no primeiro, entendi nada dizer. Também, aqui ou ali, as tradicionais referências ao "pequenino" não foram naturalmente esquecidas por alguns pequeninos "de referência". O "desconstrutivismo" da "mensagem" e da "massagem" que essencialmente jornais e revistas veiculam (prolongando muitos o exercício em blogues e através das "redes sociais") é fundamental para se entender a gramática do regime. Ou a promiscuidade do regime, o que vai dar praticamente ao mesmo. Há excepções e os exemplos escolhidos no programa de ontem foram adequados. Não me parece que JPP pretenda ensinar o "padre-nosso" a quem quer que seja. "Desmontar" e explicar como se "monta", assinando em baixo, importa imenso numa democracia que vive e morre pela imagem e pela palavra associada à imagem, ou vice-versa. O caso Pinho, por exemplo, noutra encarnação não teria tido a menor repercussão. Quando muito, um cartãozinho a agradecer a colaboração teria sido suficiente e o país prosseguiria, tranquilo e manso, ignorando os "corninhos". Hoje é impossível porque, contra toda a propaganda e contra toda a "massagem", a evidência pode, num segundo, tornar-se evidente. Pinho já era praticamente nulo há quatro anos mas a "mensagem" (no caso, visual) liquidou-o. De tal forma que o cartãozinho acabou por ter de ser verbalizado pelo actual presidente do Conselho porque não havia "massagem" que salvasse o infeliz mensageiro. E, antes disso, convinha ao actual presidente do Conselho salvar-se a si mesmo. O facies hirsuto de Pinho, na posse do seu sucessor, quando foi abraçado pelo homem do cartãozinho verbal, não deixou margem para dúvidas. »Ponto Contraponto» é disto que é feito. Só vale a pena se, como diz o seu autor, "tocar num nervo muito sensível". E deixar uns quantos idiotas úteis (e outros tantos inúteis idiotas) à beira de um ataque de nervos.

Foto: tvi24

A NOMENCLATURA DO CÍRCULO -2

João Gonçalves 18 Out 08

A habitual azia "santanista" de JPP (o lado bom da "força") passou para alguns comentadores do post anterior. No entanto bastou-me ver a RTP (a mesma RTP que merece, e bem, tanta atenção do JPP) para perceber o "sucesso" da diatribe de Pacheco na Quadratura. O telejornal de Rodrigues dos Santos passou parte das afirmações de JPP seguidas de imagens dos putativos candidatos à CML "indicados" por ele (Passos, Borges e Sarmento). A RTP até "esclareceu" que Passos, quando muito, aceitaria concorrer à presidência de uma remota assembleia municipal. JPP - este é o "ponto" que me interessa e tanto se me dá que o apreciem ou não - fez objectivamente um frete a António Costa enquanto irrelevante presidente e recandidato do PS a presidente da CML. E não ajudou um milímetro o seu partido com mais um monólogo "estratégico" sobre o diabo (o lado negro da "força"). Para além disso, não convém tentar o referido diabo. E se ele ganha, como Vasco Pulido Valente colocou, em hipótese, num canal ao lado?

Adenda: Apoie ou recuse Lopes, Ferreira Leite irá sempre a reboque, ora de uns, ora de outros, para as autárquicas em Lisboa. Se deixou que se soubesse que falara com o antigo 1º ministro sobre o tema, mais valia ter concluído publica e pessoalmente a "conversa" e não deixá-la a pairar na boca de terceiros. Desde JPP ao sr. Carreiras da distrital de Lisboa. O único que se tem portado bem nisto, paradoxalmente, é o pseudo-interessado.

Adenda 2: Ao introduzir o tema "Santana", Pacheco Pereira "desviou" as atenções da aparição de Manuela Ferreira Leite destinada a comentar o OE para 2009. Ninguém deu conta do que o PSD disse sobre a matéria porque havia no caminho a solene opinião de JPP sobre um seu companheiro de partido. Foi isso que sobrou para as televisões e para os jornais. Prioritário é mesmo o que JPP pensa, ao lado de António Costa, sobre Santana Lopes. O resto (e o resto é "apenas" a presidente do partido) é tido por maledicência da senhora em tempos de crise e de "união nacional" em torno de Sócrates.

A NOMENCLATURA DO CÍRCULO

João Gonçalves 17 Out 08


Conforme previsto - e tomo por boa a informação do Pedro Correia - José Pacheco Pereira terá feito na Quadratura a "apologia anti-Santana". Todavia lançou, provavelmente sem se rir, três nomes para a mesa que partilhava com António Costa: a promessa Passos Coelho, o desconhecido Borges e o ginasta Morais Sarmento. Realmente, só por maldade, como sublinha o Pedro, ou por um vago sentido de humor negro é que qualquer uma destas aventesmas pôde ter emergido da boca do ex-presidente da distrital de Lisboa do PSD. Porque qualquer delas levaria a competente sova do colega de programa o qual, tudo o indica, chegará às eleições sem nada de especial que o recorde como edil. "Protocolos" para limpar as paredes do Bairro Alto, convenhamos que é pobrezinho para quem é "nº 2" do poder socialista. JPP esteve, pelos vistos, a coçar as costas de Costa. Daqui para diante, sempre que um papagaio qualquer fizer o mesmo a um qualquer outro membro da nomenclatura socialista, que dirá JPP?

A BOLEIA

João Gonçalves 16 Out 08

Parece que José Pacheco Pereira vai aproveitar o seu "tempo de antena" na Quadratura do Círculo para desancar a hipótese Santana Lopes em Lisboa. Faz mal. O assunto ainda não deixou de ser "doméstico". Ninguém ouviu uma palavra a Ferreira Leite sobre Santana. Apenas linhas e "bocas" nos jornais. Por outro lado, na Quadratura senta-se António Costa, o mais do que provável opositor de qualquer candidato do PSD em Lisboa. Não é, por isso, o melhor lugar para fazer "doutrina". Seria, por exemplo, mais interessante JPP confrontar Costa com o "património disperso" de uma Câmara que ele "gere" à bolina e de forma medíocre. Todavia, Costa e Pacheco têm um "laço" que vem de Loures, de umas frustradas autárquicas para ambos. Foi o tempo do burro e do Ferrari, uma corrida idiota inventada por Costa para provar não sei o quê. O que importa, JPP, é V. não lhe dar, de novo, uma boleia à conta da sua azia "santanista".

MULHER-FURACÃO - 2

João Gonçalves 7 Set 08

O meu amigo JPP, como eu, aliás, não gosta das "jotas". Todavia, ontem à noite, como nos bons velhos tempos (só que, agora, ao lado da "boa senhora"), arrastou-se militantemente a Castelo de Vide para "leccionar". Sabe - tão bem como eu - que, para aquelas jovens almas ambiciosas e nulas, é letra-morta. Os "ídolos" deles não vêm em velhos livros coçados pelo tempo. São-lhes fornecidos pelos "jornais de economia" e pela televisão. "Competitividade" e "mérito" significa, para eles, espetar a faca no dorso do concorrente mais próximo, um "lugar" e chegar, por exemplo, a Dias Loureiro. Numa coisa acompanho JPP. No meio de tanto papagaio e de uma colossal máquina de propaganda oficial que mais parece uma permanente abertura de jogos olímpicos chineses, "falar" dever ser a excepção e não a regra. Ferreira Leite fez mais um diagnóstico. Bem feito, naturalmente. Sobretudo porque recordou - os papagaios escondem isto permanentemente - que, em quase treze anos (catorze em 2009), mais de dez são poder PS, primeiro com o bonzinho do alto comissário (com Sócrates sempre ao lado) e depois, em maioria, com o "menino de ouro". E que, apesar de socialistas e laicos, estes rapazes possuem uma cultura de absolutismo democrático incompatível com "diferença" e crítica. Ferreira Leite também disse que a política portuguesa vive num "círculo vicioso". Sucede que o partido dela também vive disso. Do regime, no fundo. Daquilo para que os jovens amestrados de Carlos Coelho, afinal, se estão a preparar.

O INTELECTUAL NO SEU LABIRINTO

João Gonçalves 22 Jul 08


À excepção do PC que, suponho, mantém um "organismo" específico interno de "enquadramento" dos "intelectuais" - como tem para quase tudo -, os restantes "grandes" partidos tratam particularmente mal os seus "intelectuais". É evidente que o PC "enquadra" porque o "centralismo democrático" pressupõe tudo muito arrumadinho, nas gavetas adequadas, e sem veleidades "individualistas". O PC "cedeu" o sr. Saramago ao país e o sr. Saramago aceitou a "cedência" porque foi adoptado pelo nosso provincianismo paroquial. Bajular o sr. Saramago é o sonho de qualquer dirigente partidário fora do PC. Ora isso, por definição, agrada a Saramago mas não agrada ao PC. Vem isto a propósito do lançamento do livro* do José Pacheco Pereira (na foto à direita). Do PSD , "actual" ou menos "actual", estava o dr. Arnaut e a editora, Zita Seabra, evidentemente na condição de editora. Seria de elementar cortesia, para dizer o menos, que alguns membros da "família laranja" celebrassem a saída de um livro de um "dos seus" marcando presença. O ano passado, quando Zita Seabra lançou o seu "Foi Assim", não faltou ninguém da "nomenclatura" e Marques Mendes, o líder do momento, esteve lá. O "projecto" de JPP - "seguir" o trajecto da extrema-esquerda, "ideológica" e partidária, desde os anos 60 em diante, com o indispensável "quadro" internacional em que a doméstica se moveu - merece atenção até porque se trata de um trabalho pioneiro. Muitas das nossas "elites" actuais vieram dali. O PSD, que já teve à sua frente um ilustre maoísta, possui um negativo lastro "anti-intelectual". É o resultado, em parte, da própria história do partido, forjada num "registo" mais pragmático do que ideológico e de uma presença assídua no poder. No poder, por natureza, pensa-se pouco e tende-se a desprezar quem pensa. Veja-se, no caso do PS, o que aconteceu a Manuel Maria Carrilho. JPP é atípico da condição "militante", dentro ou fora do poder. Todavia, são militantes como JPP no PSD, Carrilho no PS ou como foi Lucas Pires no CDS que demonstram a subsistência, dentro dos partidos, de formas de vida inteligente apesar do cartão partilhado com outras formas de vida inqualificável.

*"O um dividiu-se em dois" - origens e enquadramento internacional dos movimentos pró-chineses e albaneses nos países ocidentais e em Portugal (1960-1965), Alêtheia Editores, 2008

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor