Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Pequenina novela ribeirinha

João Gonçalves 22 Jun 15

Não sei se foi em "conversa", no intervalo de uma, se foi uma "ideia" ou o fumo de uma. O que se sabe é que o senhor arquitecto Salgado, antigo nº 2 de António Costa na Câmara de Lisboa (agora, com Medina, é Duarte Cordeiro), "sonhou" com a Estação de Santa Apolónia. E "sonhou" alegadamente em a aprimorar, fechando-a para dar lugar a um jardim. O arquitecto Salgado é uma figura que Lisboa conhece perfeitamente e, para usar as suas próprias palavras, com um "enorme potencial". Vem pelo menos de 2005 a sua "apetência" por uma vereação camarária conforme dei nota num post antigo. Mas o mais interessante nesta pequenina novela ribeirinha é saber o que pensa Fernando Medina de quem tenho boa impressão. A sua auoridade, no presente e para o futuro, passa por não deixar florescer boatos ou ervas daninhas. Seja em que parte de Lisboa for.

Cuidar dos seus

João Gonçalves 5 Jul 14

De acordo com o Correio da Manhã, o edil de Lisboa «dá emprego a, pelo menos, quase 30 ‘boys' do PS, muitos dos quais são familiares de deputados, autarcas e militantes históricos do partido. A autarquia justifica as contratações com "a natureza das funções, que exige elevada autonomia alicerçada num pressuposto de compromisso e confiança com o eleito, nomeadamente o cariz político inerente à função." A lista de militantes do PS com emprego na câmara inclui, por exemplo, as mulheres dos deputados Marcos Perestrello e Duarte Cordeiro, também vereador na autarquia, a filha de Manuel Alegre, o marido da autarca de Odivelas, ou a mulher de José Miguel Medeiros, ex-secretário de Estado de Costa no Ministério da Administração Interna, que também trabalha na autarquia. A contratação foi feita por nomeação do executivo e contratos de prestação de serviço.» Ontem à noite, em Beja, Costa defendeu a criação de "entidades regionais" entaladas entre os municípios e o poder central o que, enquanto "ideia", é velhíssima e até já foi derrotada num referendo em 1998. Mas que, à luz do que escreve aquele jornal, faz sentido: o sentido de cuidar dos seus.

Lisboa, merda e tudo

João Gonçalves 4 Mai 14

 

Há tempos a Câmara Municipal de Lisboa decidiu substituir as tampas dos contentores do lixo doméstico. Agora são verdes, amarelas, cinzentas e azuis. Supostamente cada tampinha representa o tipo de lixo que lá deve ser enfiado. E teoricamente haverá dias específicos para recolher o lixo do contentor conforme a cor da tampa. Sucede que, por causa das hesitações em torno de quem tem a responsabilidade pela recolha - a CML, as juntas de freguesia ou "privados" -, na dúvida, não se recolhe nada independentemente da cor. O que se traduz na proliferação de lixo indistinto, fora ou dentro dos contentores, espalhado aos molhos pelas ruas. Percebo que o mítico dr. Costa não tenha tempo político para minudências como estas. Mas quem não consegue impor-se para evitar prejudicar a "vida material" e a qualidade da saúde pública dos seus munícipes, como é que espera impor-se ao país sem sair do quentinho do ecrã da televisão ou de dois ou três eventos circunstanciais e sorridentes? Dá vontade de deixar os cães fazer as suas necessidades onde lhes aprouver. Para quê andar de saquinhos na mão com tanta merda humana por aí?

Lisboa, um esgoto ao ar livre

João Gonçalves 10 Dez 13

Aproveitei o sossego da bola para andar uma hora com o cão na rua. As ruas metem nojo. Como não chove, não são lavadas: a CML aprecia lavar as ruas precisamente quando chove. Há folhas por todo o lado e lixo lançado pelos animais de duas patas a roldos. Já "fixei" uns quantos "objectos" - desde objectos propriamente ditos a pombos ou pássaros mortos - que estão no mesmo sítio, onde pereceram ou foram atirados, há semanas. Em suma, Lisboa cheira mal e aparenta pior fora dos lugares previsivelmente frequentados por turistas. E é por um tipo politiqueiro, que não cuida da cidade que o elegeu, que alguns pernósticos suspiram para pastorear, não apenas um partido, mas o país?

Mau gosto

João Gonçalves 25 Ago 13

 

 

Com parte do país a arder e com mortos em combate às chamas, o dr. António Costa não arranjou melhor maneira de "comemorar" os 25 anos do incêndio do Chiado do que com uma "brincadeira" em forma de simulacro do dito incêndio. e da actuação dos bombeiros, na Rua do Carmo. Que mau gosto.

Lisboa na ambiguidade

João Gonçalves 7 Fev 13

Pedro Santana Lopes, se bem entendi, vai deixar de ser vereador em Lisboa para "deixar espaço" ao dr. Seara, o actual presidente da CM de Sintra que pretende vir para os Paços do Concelho da capital. Referi há dias que «interessa-me saber o que é que Pedro Santana Lopes, de quem fui apoiante em 2009, pensa disto tudo», onde o "isto tudo" era o desempenho global da CML/Costa, da oposição a Costa e a referida candidatura do edil sintrense. Santana, por consequência, "deixou espaço" aos seus eleitores de 2001 e de 2009 para deixarem respirar o dr. Seara. E, já agora, eles próprios. Fiquei esclarecido.

de acordo

João Gonçalves 5 Fev 13

 

Com o Manuel Falcão. «Digo sem problemas que, neste momento, em Lisboa, não tenho em quem votar. Se surgisse algum candidato independente com um discurso de ruptura com os interesses instalados e que pensasse no desenvolvimento da cidade e do seu bem estar, não hesitaria em lhe dar o meu apoio. Um candidato que não fosse politicamente correcto mas tivesse a coragem de melhorar a cidade teria o meu voto. Não me apetece votar numa eleição que está condenada a ser uma peça da disputa nacional e interna dos partidos, com dois candidatos que encaram a cidade como um meio e não um fim.»

À atenção do António Costa

João Gonçalves 30 Nov 12

A dona do quiosque onde compro jornais e revistas abordou-me, julgando que eu pertencia à CML, para me dizer que "fiscais" da dita estiveram lá dando nota que passava a ser vedado aos quiosques manterem bancas exteriores contíguas aos quiosques. A exiguidade dos quiosques obriga à existência dessas bancas que, no caso concreto, não perturbam a circulação pedonal. Com tanta porcaria para tratar na cidade, as bancas dos quiosques de jornais serão porventura prioritárias? Ou a piroseira das "decorações" natalícias?

O embuste

João Gonçalves 31 Out 12

 

O sr. Sá Fernandes, mais um profeta que entrou na CML para nossa eterna infelicidade (veja-se a irredemível estupidez dos circuitos das ciclovias), quer agora acabar com os graffiti em 2013. Entretanto, inventaram - a câmara - mais uma taxa, desta vez de conservação de esgotos, que acabei de pagar. Com a cidade permanentemente esventrada, suja, a cheiral mal, com um trânsito esquizofrénico, a "prioridade" deste alucinado é acabar com os graffiti e ajudar a inventar taxas (como se não bastasse o fatal IMI). Não haverá nenhum criativo que exiba este monumental embuste num graffiti inapagável?

 

Foto: streetfilles.org.

Pobres cães

João Gonçalves 9 Out 12

 

Um tipo, com a melhor das intenções, vagueia estupidamente por Monsanto até encontrar o canil municipal de Lisboa. Só para isto, é preciso um curso de estradística. Uma vez lá chegado, e sempre com a melhor das intenções, avista-se uma portaria onde um amável funcionário municipal recolhe os dados do BI. Digo, com a melhor das intenções, que apenas quero ver os cães para adopção. Manda-me esperar, como num centro de saúde ao ar livre, pela "colega" que me há-de conduzir aos ditos cujos. Com a melhor das intenções, fui esperando e aproveitar para contemplar o que me rodeava. Um prédio térreo em construção (parada), ao fundo o ladrar dos cães, um portão que se abre para entrar uma carrinha da CML, em suma, uma desolação. A senhora aparentemente só chegou meia hora depois quando já me tinha metido no carro. E parece que nem sequer era a "minha" senhora - era a senhora das vacinas que arrastava uma cadelinha renitente para o efeito. Pobres cães.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor