Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Somos o mundo, somos as crianças

João Gonçalves 7 Fev 15

 

Se não tivesse visto, na televisão, não acreditava nesta palhaçada (vale a pena ver o clip). O texto do jornal, aliás, resume-a perfeitamente. «Batem com as mãos nas pernas, no peito, agitam os braços, fazem a onda, gingam as ancas e gritam “Aicep go go go”, às ordens de três figuras no palco. Os 300 jovens do programa de estágios Inov Contacto completam assim – com uma equipa motivacional - o segundo dia de formação antes de partirem para um estágio no estrangeiro. A imagem é desconcertante: Não parece, mas pouco passa das nove da manhã e espera-se pelo vice-primeiro-ministro num circunspecto auditório da faculdade de Economia da Universidade Nova. Paulo Portas viria a dar uma espécie de aula de economia, também ela motivacional, mas já com a sala em silêncio. Os mais de 40 minutos de sessão motivacional, com muita linguagem corporal, acabaram com uma selfie improvável (tirada do palco para o auditório e uma moldura kitch de luzes verdes e vermelhas intermitentes) tirada pela equipa de animação contratada, ao som de All You Need Is Love e muitas palmas da plateia. Minutos de descontração que fazem arrancar o segundo dia de formação destes jovens – a média de idades é de 25 anos – que só ao final desta sexta-feira vão saber qual o seu país de destino do estágio proporcionado pelo programa apoiado pelo Aicep (Agência de Investimento e Comércio Externo de Portugal). Pode ser Estados Unidos, Brasil ou Moçambique. Mas levam algumas lições de Paulo Portas que conseguiu calar o ânimo da sala, depois de entrar ao som de um êxito de Anselmo Ralph: ‘Agora não me tocas…’.» A propósito deste misto de carnaval propagandístico com gravitas de opereta, lembrei-me de Heidegger, num pequeno livrinho, "Serenidade" ("Gelassenheit"): «a ausência de pensamentos é um hóspede sinistro que, no mundo actual, entra e sai em toda a parte». E também de Alain Finkielkraut, em "A derrota do pensamento", reflectindo sobre a emergência dos mega concertos rock e citando Paul Yonnet, "L' esthétique rock": «Face ao resto do mundo, o povo jovem não defendia apenas gostos e valores especí­ficos. Mobilizava igualmente, diz-nos o seu grande turiferário "outras zonas cerebrais para além das da expressão linguística. Conflito de gerações, mas também conflito de hemisférios diferenciados do cérebro (o reconhecimento não verbal contra a verbalização), hemisférios durante muito tempo cegos, neste caso um para o outro". A batalha foi dura, mas o que chamamos hoje comunicação, atesta-o: o hemisfério não verbal acabou por vencê-la, o clip triunfou sobre a conversa, a sociedade "tornou-se por fim adolescente", encontrou o seu hino internacional: we are the world, we are the children. Somos o mundo, somos as crianças.»

5 comentários

De Pedro a 08.02.2015 às 00:04

Disgusting, dégueulasse, widerlich.

De Ed a 08.02.2015 às 16:29

Não acho nada de mais... O governo tem na generalidade dos jornalistas os seus detractores... Qualquer coisa que faça tem sempre algo a ser apontado como negativo, na forma ou na substância. Alguma honestidade intelectual faz falta...

De eirinhas a 08.02.2015 às 18:50

Fazem-se afirmações que não têm que ver com a realidade.Gostava que esse sr.ED indicasse um jornal,desde Sol,Expresso,Económico,Correio da Manhã,Diário de Notícias,Negócios,ionline,etc.em que se vislumbre essa má vontade contra este governo!Para não dizer o contrário.

De Maria a 13.02.2015 às 23:26

Onde pára o meu comentário enviado há quatro dias sobre o Paulo Portas? Que ficou registado, lá isso ficou...
Maria

De Maria a 19.02.2015 às 21:51

Estou a ver que não vale a pena enviar comentários para um espaço que muito aprecio (como sabe) o qual visito quase diàriamente vai para bastante tempo, simplesmente porque os meus comentários nunca aparecem... Como aconteceu há cerca de dois ou três meses com um sobre Vasco Pulido Valente e há cerca de duas semanas com outro sobre Paulo Portas...
Maria

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor