Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O bafio

João Gonçalves 28 Abr 14

A 25 de Abril deste ano, o primeiro-ministro, ladeado pelo inexistente secretário de Estado do desporto e da juventude e pelo inventor deste, o simpático dr. Marques Guedes, recebeu em São Bento, para almoço e paleio de circunstância, uns quantos "representantes" da referida juventude. Precocemente envelhecidos pelo "peso" das "academias" e "clubes" a que pertencem, os rapazinhos e as meninas ouviram, paciente e respeitosamente, o "pensamento" do dr. Passos sobre o evento que se comemorava nesse dia. A horticultura serviu-lhe de inspiração - falou em "regar" umas coisas - à semelhança da bacterologia por causa de uma alusão ao "bafio". Passaram três dias e, de facto, o cheiro a bafio voltou a impôr-se ao quotidiano governativo com um leve toque, assaz demagógico, de gás de botija. Voltaram o "DEO", o dr. Mota Soares e a sua fulgurante "sensibilidade social", o "verde" anunciador eng.º Moreira da Silva, as "limpas e as sujas" e a "responsabilidade orçamental" que é um eufemismo para "austeridade", inventado à pressa pelo dr. Rangel, para tentar evitar maiores estragos na sua infelicíssima e bafienta "aliança Portugal". Mas, como escreve o Luís Rosa, «pior do que o eleitoralismo das medidas anunciadas é a inconsistência do discurso do primeiro-ministro. Não pode dizer numa semana que a “austeridade vai continuar” e descer os preços da luz e do gás na semana seguinte. Não pode querer aumentar o salário mínimo a poucas semanas das eleições, quando há pouco tempo rejeitava tal ideia, e pensar que o eleitorado vai a correr premiá-lo (...). O desagravamento fiscal generalizado é a principal medida que a base social de apoio da maioria espera do governo de Passos Coelho. Os cortes na despesa pública (muitos dos quais continuam por fazer) só assim têm lógica. Mas três anos após o início da austeridade a pergunta que resta é: a maioria ainda tem uma base social de apoio? Há dois grupos que Passos Coelho conseguiu alienar e que não voltarão a votar tão cedo no PSD: reformados e funcionários públicos. As medidas que incidiram sobre estes grupos essenciais padecem de um problema comum: a forma como foram apresentadas e aplicadas. Tendo em conta o peso que as pensões e os salários da função pública têm na despesa do Estado seria impossível não mexer nesses items, mas a forma atabalhoada que caracteriza a acção de Passos Coelho estragou tudo. A substituição da Contribuição Extraordinária de Solidariedade e a tabela única salarial na função pública, medidas que devem ser conhecidas esta semana, só vão agravar a relação desses grupos com o governo. Os restantes cidadãos de classe média ainda não têm razões para voltarem a votar na maioria. Veja-se o caso das tarifas sociais da luz e do gás. A descida não se aplica à classe média. Pelo contrário, os preços da luz vão continuar a subir para estes cidadãos a propósito do défice tarifário. Passos Coelho sempre pensou que os primeiro sinais positivos macro-económicos que se têm vindo a repetir desde o final do ano passado fariam com que fosse premiado pelo eleitorado. Está enganado.» O dr. Rangel lamentavelmente também.

4 comentários

De Inexequível dos Campos a 28.04.2014 às 18:27

Sou um mau exemplo, porque nunca votei no PSD. Foi sempre uma questão de bafio, habituado que estava ao velho regime por razões familiares (havia de quase tudo o que se podia ser no governo, na assembleia nacional, na alta administração, etc.). Hoje aguardo qualquer eleição recordando o velho senhor Gomes, chefe do pessoal do Liceu Camões (General de Gomes, como era conhecido entre a malta) que à noite trabalhava no cinema S. Jorge como arrumador; era hábito dar uma gorgeta a este bom homem com uma moeda furada presa com um fio, que se puxava quando tentava agarrá-la (nesta criancice se "vingava" a disciplina que o bom Gomes impunha nos pátios de recreio).
Era isto que me dava gozo fazer no acto eleitoral: deixar o PSD a salivar por um voto que jamais verá, sentindo-o esvair-se entre os dedos.
Não será possível, jamais o verá, nem ao longe. Nem o de muitas centenas de milhares de pessoas, assim Deus nos ajude. 

De fado alexandrino a 28.04.2014 às 19:39

Falo por mim.
Sou reformado, vou votar novamente no PSD, além do mais porque as alternativas são tenebrosas.
As sondagens falam pelos outros reformados e funcionários públicos que aparentemente não vão todos votar nos outros partidos.
Como disse o filósofo João Pinto, "Previsões só depois do jogo".

De Anónimo a 29.04.2014 às 21:59

pois é: diz o povo e com razão"quem não se sente não é filho de boa gente"

De Maria a 29.04.2014 às 22:12

As alternativas são de facto tenebrosas, não tenho a menor dúvida, mas em PPC e seus comparsas é que não consigo votar. Vou ficar em casa. Pedro Passos Coelho </a></a>é um político obcecado que tem revelado uma enorme insensibilidade social. Inadmissível.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor