Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Custe o que custar

João Gonçalves 5 Fev 15

 

Como costuma escrever o Rui Ramos a propósito de todos aqueles que não seguem as "boas práticas" políticas defendidas pelo Observador, os "oligarcas" não eleitos da "Europa estilo Draghi" - infelizmente com a complacência servil de periféricos eleitos - decidiram antecipar-se à boa-fé negocial do governo grego e despromoveram-lhe a dívida. Algumas alimárias domésticas aplaudiram o exercício porque "nós não somos a Grécia" e porque, no fundo, sofremos de uma mesquinhez pequeno-burguesa congénita. O "tratado orçamental" a que apreciam assoar-se, e eventualmente limpar outras partes do corpo, é aparentemente inamovível: as pessoas, as economias e as soberanias nacionais que se adaptem, mortas ou vivas, ao "tratado". Como se viu ontem a propósito de medicamentos, o dr. Passos comunga fervorosamente desta "tese" do "custe o que custar". Sucede que nós só nos livramos, para já, das NEP's do sr. Dragui porque há uma - uma e apenas uma - agência de notação canadiana que acha que a nossa dívida não é lixo e que serve para investimento. Senão estaríamos a negociar, como adultos e como a Grécia, com estes nossos tristes parceiros inconfiáveis e hipócritas. Assim continuamos sob o espectro da leveza, a pagar mais juros do que os gregos e com uma dívida directa do Estado que, no final do ano, ascendia a cerca 218 mil milhões de euros. Coragem, portugueses. Havemos de a pagar. Custe o que custar.

6 comentários

De Jorge Diniz a 05.02.2015 às 14:36

CUSTE O QUE CUSTAR!


Toda gente sabe que Passos Coelho ganhou as legislativas mentindo com quantos dentes tinha.
Ora, quando em Dezembro de 2010 foi empossado Primeiro Ministro, a divida pública era de 151 mil milhões. Todos os anos foi subindo. De acordo com a Agência de Gestão da Tesouraria da Dívida Pública, em Novembro do ano transacto (014) essa mesma dívida somava a módica quantia de 218 mil milhões. Isto é, aumentou 67 mil milhões.
Isto tudo depois de 99% dos Portugueses pagar mais impostos (como nunca), ficarem mais pobres, mais velhos, mais desempregados e mais abandonados.


Diz o nosso Primeiro Ministro que é um "homem sério"!!!

De murphy a 05.02.2015 às 17:50

Jorge Diniz, para quem diz coisas tremendas como "Passos Coelho ganhou as legislativas mentindo com quantos dentes tinha.", convém ter algum cuidado com o que diz...


Então, Passos foi empossado PM em Dezembro de 2010?!


Repare que o empréstimo de 78.000.000 € emprestados pela troica foram negociados por Sócrates & T. Santos am Abril / Maio de 2011. Continua atribuir a Passos essa subida de dívida?


http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/01/o-fardo-do-juros-o-chico-espertismo-e-o.html (http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/01/o-fardo-do-juros-o-chico-espertismo-e-o.html)  

De Clark a 05.02.2015 às 21:51


MURPHY,
Tem razão quando afirma que "convém ter algum cuidado com o que diz...".
Com efeito, Jorge Diniz deveria ter indagado, em primeiro lugar, se Passos Coelho é "desdentado".

De Jorge Diniz a 06.02.2015 às 12:00

Então, Passos foi empossado PM em Dezembro de 2010?!


Arreliador lapsus calami: deve ler-se" quando  foi empossado Primeiro Ministro, a divida pública era de 151 mil milhões, com referência a Dezembro de 2010".


Claro que PPC foi empossado em Junho de 2011. Em Dezembro de 2010, a divida pública era de 151 mil milhões


Quanto às promessas eleitorais feitas por PPC, creio que essas "verdades" modificaram-se após lograr ganhar as eleições. Certamente se lembrará de todas as promessas feitas, nomeadamente da promessa de não aumentar impostos! Diga-me, quantas e quais as que cumpriu?

De Afonso a 05.02.2015 às 20:46

Mas ontem pareceu-me ouvir o sr Coelho dizer que não é possível salvar vidas custe o que custar...ah pois,custe o que custar é só para efeitos de obedecer à troika e afins.

De Zephyrus a 05.02.2015 às 21:19

Conhecendo um pouco da máquina do Estado facilmente se constata a falácia que é a austeridade dos cortes cegos, do fim do investimento público ou do ataque aos salários e pensões.

Existe em Portugal um Estado Paralelo fortíssimo que replica funções do Estado Central. Só para as IPSSs vão todos os anos cerca de 2 mil milhões de euros. Há mais de 300 municípios, um mapa do século XIX desligado da actual realidade demográfica e urbanística nacional. As Fundações, que em boa verdade deveriam ter recursos próprios (tal como as IPSSs) dependem, na sua larga maioria, do Estado português.

Continuemos. Com o avanço tecnológico brutal das últimas duas décadas, não se justifica a necessidade de uma televisão pública. Se o Estado quer efectivamente fazer um serviço público ao país, então venda a RTP, acabe com a taxazinha na factura da electricidade e reveja a situação da TDT: temos apenas 5 canais, quando no resto da Europa são às dezenas! E com o advento das companhias de baixo custo, o cidadão comum também não percebe muito bem a telenovela TAP.

Supostamente, Passos Coelho teria sido eleito para limpar o país das opções socráticas (e de Governos anteriores) que minaram a transparência e favoreceram a corrupção. Há quem estime que o fim dos ajustes directos permitiria uma poupança de mil milhões de euros. A vergonha dos PINs continua. As mais valias imobiliárias não são taxadas e o desordenamento urbanístico, que tanto prejuízo económico acarreta, não tem fim à vista.

Na educação financiam-se desnecessariamente colégios privados e alimentam-se desnecessariamente editoras. Tivesse Crato visão e o seu ministério poderia poupar mais de 250 milhões de euros.

Álvaro dos Santos Pereira, Vítor Gaspar ou Miguel Relvas ainda tentaram algumas Reformas. A saída de Álvaro marcou o fim, no dia em que Paulo Portas fez uma birra e trouxe um prejuízo de milhões. O líder do CDS/PP é um ornamento protegido inexplicavelmente pelo Regime. Noutro país dito «civilizado», teria sido forçado a abandonar a vida política no dia em que encenou a «birra» da saída irrevogável.

Diz-se que o esforço fiscal ronda os 165%, o maior da Europa. O crescimento está atrofiado pelos impostos e burocracias. Com défice a dívida em percentagem do PIB continuará a sua escalada, e já sabemos que com esta Europa de Merkel não poderemos contar num futuro momento de aflição. Resta portanto a chamada Reforma do Estado. Contudo, este Governo já provou que é incapaz de tamanha obra. É que uma Reforma que não atinja salários e pensões, que não degrade a Escola Pública ou o SNS. atingirá inevitavelmente as clientelas do Regime que proliferam pelo Estado Paralelo, pelo poder local e pelas empresas do PSI-20. Esses não são piegas nem convidados a emigrar. São os «heróis» da caridade e da economia social, das empresas estrela e do empreendedorismo.

Estamos tramados.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor