Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Saramago

João Gonçalves 18 Jun 10

Morreu Saramago. As "elites" não cessam de perorar sobre o Nobel. Enquanto bebia um café e comia um pastel de nata, desfilavam na tv, ao vivo e ao telefone, derramando sobre o dito cujo tanto quanto nunca se derramou sobre escritores maiores do que Saramago como, por exemplo, Jorge de Sena. Há uns anos Saramago entrou nos curricula liceais do regime e varreu a possibilidade de os meninos e de as meninas conhecerem literatura portuguesa aproveitável ou sofrível para além da dele. A "oficialização" cultural de Saramago começou quando, estupidamente, lhe proibiram um livro num concurso qualquer. O Nobel, festejado pela paróquia provinciana como uma vitória internacional no futebol, acentuou o carácter quase místico da figura que, daí em diante, passou a tratar abaixo de cão qualquer poder politico que não o bajulasse adequadamente. O que afinal subsistiu em relação a Saramago foi o velhinho temor reverencial de um país com lamentáveis "tradições" culturais que, entre outros, fez de Saramago um "símbolo". E é esse que vai ser exibido por estes dias. Poucos ou nenhuns recordarão o pequeno tirano do Diário de Notícias, a seca vaidade vingativa da criatura ou o homem que eliminou de edições posteriores à emergência da afamada Pilar as dedicatórias a Isabel da Nóbrega. "A morte absolve tudo", como ensinavam os latinos, mas nem tudo é absolvível pela morte. Paz à sua alma.

Adenda: O governo vai decretar - mediante conselho de ministros "extraordinário" - luto nacional. Ainda mudam o 10 de Junho de 1580 para o 18 de Junho de 2010. País de pequeninos parolos deslumbrados sem a menor noção da verdadeira grandeza.

78 comentários

De Misugi a 18.06.2010 às 15:35

Como escritor era um lixo. Compara-lo a Eça ou a Pessoa é o mesmo de comparar o olho do cu com a Feira de Castro...Enfim, as crianças é que ficaram a perder com o ter de engolir este estupor nas aulas. Mas era comuna e reles qualidades mais do que suficientes para ser eleito escritor do Regime.
Que Deus o guarde. Saudades não deixa.

De Sara a 17.10.2015 às 02:03

A usa falta de delicadeza é tão tremenda, que me aterroriza.
Nenhum ser humano é um lixo.

De Anónimo a 18.06.2010 às 15:58

Misugi...tanta asneira...alguma vez leu alguma coisa dele?...

De Anónimo a 18.06.2010 às 15:59

Caro autor do blogue:
Tem toda a razão quando utiliza a afirmação "... de um País com lamentáveis tradições culturais" tratando tão mal, (como tem sido o caso deste blogue), personalidades como Saramago que é, até ver, o único nóbel da literatura em Portugal.
Prémio reconhecido por uma academia internacional, que avalia um conjunto de uma obra criada por um homem de pensamento sempre actual, humanista e intelectual.
Na falta, cada vez mais, de valores na nossa sociedade e principalmente de referências culturais nacionais, eis que alguns iluminados por não estarem de acordo com o pensamento do GRANDE SARAMAGO, tentam desvalorizar uma referência que felizmente deixou há muito de a ser nacional e passou a ser internacional e melhor de tudo, IMORTAL. Por muito que isto vos custe!

De jojoratazana a 18.06.2010 às 16:09

Os meus parabens, aqui está um post que condiz perfeitamente com o nome do seu blog.

De Paulo Ribeiro a 18.06.2010 às 16:34

Saramago tem só o livro mais notável escrito em português (na minha opinião): "O ano da morte de Ricardo Reis".

Quanto ao "memorial do convento" dava um prémio nobel em qualquer parte do mundo. Lamento, mas o amigo João Gonçalves, é um bocadito faccioso. Ou não? Desde quando é que a vida pessoal de um escritor influi na forma como se olha para a sua obra? Veja o caso do racista e nazi Céline. Escritor admirável e pessoa detestável.

De Lamas a 18.06.2010 às 16:36

Tirano sim.
Até para a família.
Quem viveu na Parede sabe bem como tratava a mulher Ilda e a filha Violante.
Não gosto do escritor e muito menos do homem.
Acabo de ouvir na rádio que o "nosso querido lider" mandou a mnistra da cultura ir de avião buscar o corpo a Lanzarote.
Porquê?
Não foi ele que praticamente renegou a pátria que o viu nascer?
Deixe-se lá estar sff.
O estado não tem dinheiro para is buscar a àfrica os corpos dos combatentes que por lá ficaram, mas para este estupor já há.
Que a terra lhe seja leve, que o passado foi pesado.

De João Gonçalves a 18.06.2010 às 16:37

Parece-me que fica claro no post o que penso do escritor.

De Anónimo a 18.06.2010 às 16:41

O Saramago que eu conheci era o meu vizinho da Rua dos Ferreiros à Estrêla. Numa rua popular dos anos 50, de convívio paroquial,onde toda a gente se conhecia e se falava, era o unico que não falava a ninguém. Depois disso lembro-me do social-fascista do Diário de Notícias que no Verão quente de 1975 saneava os seus colegas de trabalho a mando do PCP. Quanto à "obra" literária, deixemo-nos de tretas de saloios deslumbrados: o homem escreve mal e porcamente. Para não falar sem conhecer dei-me ao trabalho de tentar ler. Impossível. Aquilo não tem pés nem cabeça e dá um sono de caír para o lado.
Sem as diligências do lobby comuna nunca teria ganho o Prémio Nobel; escritores duma estatura literária muito superior nunca o ganharam porque não eram de esquerda. Assim de repente José Luís Borges, por exemplo. Venerar Saramago por ter tido o Nobel é o reflexo condicionado de quem não sabe entender o que lê e, não tendo cabeça nem bagagem intelectual para pensar por si, se veste com o prêt à porter que lhe metem pelos olhos dentro, pensando que assim fica elegante. Haja paciência...
Para não falar da arrogância e vaidade pessoal que, como pessoa, o tornavam intragável.
Lá porque morreu não o transformem no que nunca foi: uma pessoa estimável.

De fsosalgueiro a 18.06.2010 às 16:46

Fica bem claro o que pensa do escritor. Enquanto permitir os comentários também me permitirei discurdar da sua opinião.
Não é a opinião pública que faz um escritor mas sim a sua obra. Nem sequer episódios da sua vida serão recordados, excepto por alguns historiadores. O tempo faz a triagem.
Jorge de Sena não aprecio, sou muito terra-a-terra e pouco dotado de compreensão para perceber certos rendilhados. Há quem goste, não me incomoda. Na minha modesta opinião, Saramago é grande na sua linguagem simples e directa, nas histórias fantásticas que conta e também na sua noção de realidade. Enfim, cada qual come o que gosta.

De floribundus a 18.06.2010 às 16:46

boa viagem.
espero que Caronte o transporte

Comentar post

Pág. 1/8

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor