Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

VÃO-SE FODER

João Gonçalves 7 Set 06


Enquanto o regime prepara mais um "pacto" inútil sobre a justiça, sob o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República, o Tribunal da Relação do Porto mandou para casa, com o aval da Segurança Social, o "jovem" que, no "caso Gisberta", tinha sido "violentado" com a "pena mais pesada" (não se riam) : 13 meses de internamento num "centro educativo", que é a designação que este regime, também ele de "brandos costumes", arranjou para os antigos reformatórios. É que entretanto expirou o prazo máximo da "medida cautelar" - repare-se na leveza do termo para não causar "traumas" às "crianças" - enquanto decorre o prazo para a decisão de um recurso interposto pela defesa. Nas palavras do advogado de defesa - este, sim, a cumprir a sua obrigação perante um Estado leviano, preconceituoso e medíocre- "como já se tratava de uma renovação da medida e a lei não admite segunda renovação, o menor foi libertado a 24 de Agosto". Pela calada do verão, acrescento eu. Mas a insanidade do regime não pára aqui. A Segurança Social, cuja qualidade das "avaliações" é conhecida em todo o mundo, decretou que o "jovem" podia perfeitamente regressar ao seio da família que, de acordo com os doutos técnicos, já apresenta "condições" de o receber. Pelos vistos, as Oficinas de São José - que já deviam estar encerradas e seladas -, não as têm (alguma vez tiveram?). No meio desta salganhada vergonhosa, quer para o Estado, quer para a magistratura, esquecemo-nos - eles esqueceram-se desde o primeiro instante - que havia uma pessoa no processo, torturada e finalmente assassinada por uma matilha criminosa a que, candida e hipocritamente, a lei e o sistema tratam como "jovens em perigo". Na notícia sobre o "pacto" na justiça - que nenhum borra-botas que se preze deixará de elogiar - pode ler-se que "foi dado como certa a aprovação conjunta de legislação que torne mais acessíveis os tribunais superiores, no sentido da sua maior democratização e de uma maior abertura aos cidadãos." É sempre no silêncio insensível dos gabinetes prenhes de gente cinzenta e sem mundo que se prepara a "aprovação conjunta de legislação" e, claro, sempre "no sentido da sua maior democratização e de uma maior abertura aos cidadãos"". Ao olhar para esta falsa sofisticação "democrática" e, depois, para a crua realidade, só resta uma conclusão: vão-se foder.

66 comentários

De luikki a 07.09.2006 às 14:14

solicito uma investigação às contas das oficinas.
os trabalhos de tipografia que lá são feitos pelas crianças são pagos...
um pormenor que passa despercebido é que, segundo as primeiras notícias sobre o caso, as criancinhas teriam violado a vítima.....
já lhes fizeram um testezinho para saber se contrairam alguma dst?

joão:
esta sua lucidez e linguagem (vão-se foder) não condizem com a "adoração" a salazar...

De io a 07.09.2006 às 15:26

A Justiça está uma vergonha
A politica um nojo.
O futebol uma desgraça
A cultura, sim com minuscula, está de rastos
A Educação uma miséria
Mas... não podemos falar disto tudo como pessoas educadas?
Não se "passe dos carretos" precisamos de si lucido...

De Ariane a 07.09.2006 às 16:04

De facto este país ainda é muito SALAZARENTO em certos aspectos. É lamentável.

De Z a 07.09.2006 às 16:19

Desculpem o vernáculo, mas que mais é possivel dizer-se?
dos pequenos vermes infantis;
da escola por onde passaram;
dos doutores, inteligentes, bem pagos 'juízes' da República, para não dizer «enegúmenos» dos 'tribunais'?
É para isto que serve a 'independência' da 'Justiça'?
Nada a ver com a época de Salazar, mas era um tempo em que havia alguma vergonha.
Perante o caso Gisberta, que mais concluir se não mandar os doutos intervenientes,
à p q os p?
Ou que se f...?
Nada a fazer.
Fiquemo-nos com as nossas rotinas, enquanto os impostos e os votos forem alimentando as cáfilas instaladas, com destaque para o «corpo de juízes», a par da «elite política».
Z

De Anónimo a 07.09.2006 às 18:43

Havia outra hipótese:
Os blogs darem-se ao trabalho de identificar os doutos 'juízes' deste tipo de processos - nome, tribunal e morada.
Para nos permitirem enviar-lhes os nosso melhores cumprimentos pelo correio.
Tarefa talvez impossivel. Eles são tantos: Casa Pia, Apitocomboio/Gisberta...
Z

De Anónimo a 07.09.2006 às 19:23

E estão a esquecer-se do tal «Tribunal do Norte» que deu razão à Liga de Clubes (!!!) para não ser obrigada a prestar uma caução de DEZASSETE MILHÕES DE EUROS por conta das dívidas ao Estado (do famigerado toto-negócio...)!

Motivo - muito simples: dessa forma a Liga, coitadinha, ficava sem "cheta" para organizar os Campeonatos!

Isto assim ainda um dia vai acabar com gente a espernear pendurada de árvores...

De Alex a 07.09.2006 às 20:02

Assino por baixo. E mais. Apoio totalmente a acção que os familiares da Gisberta interpuseram contra o Estado Português, e espero que lhes seja dada razão. Se não for, espero também que estes possam recorrer para os tribunais europeus.

De Anónimo a 07.09.2006 às 21:08

VÃO-SE FODER , só não chega , morram é capaz de ser mais eficaz

De josé a 07.09.2006 às 22:19

Há ainda outra hipótese e que é a que recomendo:

Perceber o caso concreto em todas as suas evidências e também subtilezas.
Para isso, importa perceber o modo de funcionamento dos "estabelecimentos" de crianças e jovens.
Importa perceber toda a lei de Protecção de Crianças e Jovens e toda a Lei Tutelar de Menores.
Depois, perceber a filosofia da nossa lei penal.
A seguir, ver o processo concreto e ler os pareceres técnicos da Segurança Social, da PJ, da CPCJ, dos psicólogos, dos medicos legistas e entender as conclusões do relatório de autópsia.

Talvez com estes elementos já possa mandar foder quem quer que seja.
Antes disso, só se fode a si mesmo- na sua reputaçáo, quero dizer...

De Maia a 07.09.2006 às 22:29

Amen!

Comentar post

Pág. 1/7

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor