Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Quanto deve "medir" um Estado de direito?

João Gonçalves 21 Nov 13

Esta "honra nacional", decretada por Sampaio em 2004, nunca nos falha. Por que não, já agora, Bruxelas passar a definir, como faz para os preservativos ou para as alfaces, a "medida" tolerada pela Comissão do Estado de direito português? Depois admiram-se que mesmo a não esquerda acabe por ter de se "juntar" ao dr. Soares para não perder totalmente a vergonha de se ser português.

E se melhor for possível?

João Gonçalves 21 Nov 13

«Às vezes a gente esquece-se do mais evidente, do mesmo muito mais evidente, mas há sempre quem se lembre por nós e desta vez foi o FT, a escrever sobre a Grécia. E é o seguinte: se o Estado português caminha para um excedente "primário", isto é, arrecada mais impostos do que o dinheiro que gasta, com excepção dos juros que tem de pagar pela dívida acumulada, então só precisa de financiamento para pagar aos credores passados e não precisa de financiamento para o futuro. Simples. Ora isso não quer dizer que não se pague a dívida: quer simplesmente dizer que o poder negocial do Estado aumentou. Incomensuravelmente. Aliás, como lembra o FT, os credores internacionais há muito que sabiam que esse momento iria chegar e terá sido por isso que a Alemanha, Durão e Passos não descansaram enquanto não passaram a esmagadora parte da dívida para os credores institucionais. Embora restem problemas, como é referido no mesmo artigo: "historically governments receiving international assistance become far less co-operative once they can fully pay for their own daily activities. Indeed, if  Athens had its own central bank to shore up its financial sector, there would be  few incentives to keep paying off the EU and IMF at all." Mas uma coisa é mais certa do que muitas: à medida que o estúpido programa de ajustamento prossegue, diminuem os custos de fazer alguma coisa de diferente. A pressão sobre o Tribunal Constitucional tem de estar relacionada com isso, mas para o demonstrar ainda será preciso queimar mais algumas células cinzentas.»


Pedro Lains

"And we drown"

João Gonçalves 21 Nov 13

 

T. S. Eliot lê o seu magnífico poema The Love Song of J. Alfred Prufrock.

Tags

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor