Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

De "borracha"

João Gonçalves 8 Out 13

 

Estava a observar o dr. Rui Machete no parlamento e ocorreu-me, ainda no lastro do "5 de Outubro", a definição de Guerra Junqueiro sobre Bernardino Machado: "pode passar-lhe um cilindro de estrada por cima que ele levanta-se logo, todo lépido, a tirar o chapéu.» De "borracha", em suma. Quanto aos transportes do ministro em matéria de "negócios estrangeiros", qualquer imberbe candidato à carreira diplomática não diria melhor.

O "choque"

João Gonçalves 8 Out 13

O primeiro-ministro não quer que se fale nos "cortes" previstos para o OE 2014 não vá a coisa provocar um "choque de expectativas" nos mercados e nos "agentes económicos". Aparentemente o primeiro-ministro - que demonstra a "sensibilidade social" de uma automotora - não está preocupado com o "fundo" das medidas que se preparam as quais, a avaliar pelo que se sabe, visam mais os mesmos, restringem, por consequência, a procura e o consumo interno e não melhoram as "expectativas" de quem quer que seja. Até porque a carga fiscal continuará a cair com a brutalidade habitual em cima de toda a gente - famílias, pessoas sem família e empresas. O primeiro-ministo anda a precisar de um "choque de realidade" (já que ele persiste em fazer de conta que não houve um acto eleitoral intercalar) antes que a sua realidade  privativa dê cabo de todos. A começar por ele.

A benefício de inventário

João Gonçalves 8 Out 13

Comentadores amigos e alguns filisteus não se cansam de apontar uma (ou mais) "contradições" no registo político deste blogue e a minha alegada apostasia. Sumariamente o autor estaria quase impedido de exprimir a sua opinião por ter estado em gabinetes do governo do dr. Passos Coelho. "Que é tarde", dizem eles, vir neste momento dizer o que quer que seja sobre a "situação". Todavia, e apesar de ser refractário a "justificações" sem objecto, apenas remeto os meus amáveis interlocutores para dois ou três posts e para as respectivas datas, sem mais comentários. Ou seja, quando ainda "não era tarde" para evitar a persistência na deriva austeritária agora representada pela versão "boazinha" do senhor vice PM, e bem longe da "crise Portas" de Julho que tudo precipitou.

 

 

Daqui a umas horas o PS apresenta no parlamento uma moção de censura. Este acto coincide sensivelmente com a aproximação da segunda fase da presente legislatura. Seria importante para o Governo responder a essa moção com um sinal inequívoco de que essa segunda fase será politicamente distinta da que ainda está em curso. Podia, aliás, começar no próprio debate parlamentar através da escolha dos membros do Governo que aparecerão a falar. Cá estaremos para ver.

 

2.4.2013

 

O PR certificou há pouco a legitimidade política do Governo a qual, aliás, só depende do parlamento que a confirmou esta semana. Todavia, o pedido de demissão de Miguel Relvas - com quem trabalhei entre 21 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de 2012 - marca simbolicamente a entrada numa segunda fase desta legislatura. Uma fase na qual o papel do Chefe de Estado será, por força das circunstâncias, determinante.

 

5.4.2013

 

Com a decisão do Tribunal Constitucional ficou definitivamente aberta a segunda fase política da legislatura. E, quem sabe, a seu tempo uma nova fase da nossa vida monetária. Boa noite e boa sorte.

 

5.4.2013

 

Disse aqui e aqui que a primeira fase desta legislatura estava no seu ponto de chegada. Depois de ouvir o primeiro-ministro, constato que me enganei. E eu não tenho problemas em afirmar os meus enganos. Ou seja, a primeira fase da legislatura, na qual o papel do ministro das finanças se impôs a tudo o resto, continua. As coisas são o que são.

 

7.4.2013

 

Tenho defendido aqui (e não só) que uma segunda fase da legislatura tem de dar prioridade à política e à economia. Economia quer dizer empresas e trabalhadores, criação de riqueza e de emprego. É essa segunda fase, ou parte substancial dela, que Álvaro Santos Pereira apresenta ao país e, designadamente, à oposição. Estas coisas, pela natureza delas, não se apresentam "fechadas". É por isso que os ataques e as tentativas pífias de boicote ao ministro da economia - alguém duvida que se trata de um homem decente, sem "negócios" ou calotes, e alheio ao intriguismo funcional? -de tão óbvias, chegam a ser estúpidas. A independência, num país de dependentes crónicos e de politiqueiros superficiais e profundos como os imbecis de Kraus, custa a engolir. Não é por acaso que tantos emplastros o chateiam com simplificações rasteiras. A tarefa não é fácil? Não é, evidentemente. A "política" dita pura, em fase de amadorismos e de barulhos, não ajuda. Mas julgo que o país que não acede à vida mediática sabe mais da "vida material" que o batalhão de "especialistas" que nos maça diariamente com a sua prosápia "sabedora" e pernóstica. Santos Pereira trabalha para os primeiros e não para os eternos "donos" da coisa pública, novos ou velhos. Dorme, de certeza, com a consciência tranquila.

 

23.4.2013

 

Tenho repetidamente - para quê? - afirmado aqui que uma nova fase da legislatura, mais "política" e mais centrada nas pessoas singulares e colectivas (e menos no puxar da vida delas persistentemente para baixo), é fundamental para que o regime afirme um módico de esperança na sociedade. A alta "mercearia" é decisiva para "equilibrar" e "consolidar" mas não é verosímil manter o contrato social exclusivamente cativo dela. Não se pode rasurar esse contrato e colocar no lugar dele uma outra coisa sem dar grande cavaco ao exercício. Pelo contrário, o chamado "documento de execução orçamental" tem de ter presente o contrato social - logo o mundo do trabalho público e privado e o pequeno e médio empreendedorismo - e a circunstância que a sua modificação abrupta, isto é, sem qualquer calibragem política (ao nível do sistema institucional, partidário e de concertação social) poder vir a revelar-se desastrosa. Relembro, a este propósito, o preâmbulo do Programa do Governo. «Rigor e firmeza nas finanças públicas para o crescimento económico, a promoção do trabalho, a competitividade empresarial e a inclusão social (...). Nada se fará sem que se firme um pacto de confiança entre o Governo e os Portugueses, numa relação de abertura e responsabilidade que permita ao País reencontrar-se consigo próprio.»

 

2.5.2013

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor