Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Uma "ideologia"

João Gonçalves 20 Ago 13



Esta "história", por exemplo, é reveladora da confusão que para aí vai sobre o Estado e os seus trabalhadores. A coisa está politicamente delegada nas mãos do dr. Rosalino, um amável quadro do Banco de Portugal, que conheci numa reunião quando desempenhava (eu) outras funções. E é executada através da Direcção Geral da Administração Pública presentemente dirigida por pessoas, igualmente estimáveis, que também conheço. Na primeira e última reunião em que participei no âmbito no "novo ciclo" e da "nova coordenação política" do Governo, indicado pelo então ministro da economia, permiti-me chamar a atenção para a circunstância de que o que se estava a preparar para os trabalhadores investidos em funções públicas requeria um upgrade político na sua concepção e prática, independentemente das qualidades do senhor secretário de Estado, e uma abordagem totalmente distinta. Estavam presentes um ministro adjunto, um secretário de Estado adjunto e, se não erro, todos os chefes de gabinete dos ministros então em funções, salvo a minha, e dois assessores do primeiro-ministro. Isto passou-se naturalmente há alguns meses e, a partir do que vejo e leio, não me consta que tivesse ocorrido upgrade algum. Pelo contrário, em vez de se alocar trabalhadores a postos de trabalho onde aparentemente precisam deles (o que implica um conhecimento não superficial e meramente contabilístico ou estatístico da administração pública), a opção corre preferencialmente a favor de os colocar aos poucos em casa sob a capa da famosa "requalificação". Isto leva-me a concluir, porventura injustamente, que não há ninguém no Governo interessado numa verdadeira "reforma do Estado" sobre a qual a ignorância bíblica dos media disserta sem um pingo de vergonha ou de respeito pela vida dos outros. Até a DGAP parece existir mais  para "cortar"e fazer de proto-estação de correios e menos para "pensar". A "ideia" de serviço público não só não consta do jargão em vigor como é arremessada numa abstracção divisória entre "público" e "privado" que dá muito jeito para outros fins. A título de  "ideologia", o exercício é, no mínimo, perigoso. E atrevido como a ignorância costuma ser.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor