Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

Anões e vocações

João Gonçalves 21 Jul 13

 

 



Estive, até há pouco, a acabar de ler a excelente colectânea de entrevistas de Jorge de Sena editada pela Babel/Guimarães. Numa de 1977, a Manuel Poppe, Sena cita Unamuno numa frase nunca impressa por cá - Portugal, numa das suas múltiplas visitas, deu-lhe a impressão de" um país de anões todos na ponta dos pés para parecerem muito altos". Podia ter sido hoje. No mesmo livro, Sena mostra-se favorável, como um dos poucos portugueses verdadeiramente livres e independentes que jamais existiram, à prostituição. "Eu sou a favor da prostituição. Há pessoas, aliás, que não têm vocação para outra coisa." Boa noite e boa sorte.

Portugal, país de eventos

João Gonçalves 21 Jul 13

 

Hoje termina uma "comédia" e pode começar outra. O Medeiros, de uma maneira ou de outra, acaba sempre por ter razão. Portugal é um país de eventos.

Tags

No rochedo da Valquíria

João Gonçalves 21 Jul 13



«Temos estado no processo negocial errado. Um processo negocial que possa resultar tem de envolver à cabeça e de forma explícita um actor que não esteve na sala, mas que de facto esteve todo o tempo, e tido como imóvel ou incerto. Esse actor tem de ser tornado activo e parceiro de uma real solução. Esse actor é a União Europeia, representada não pelos funcionários da troika, mas pelos seus dirigentes máximos. Porque a questão é política e tem de ser colocada em termos políticos: quer a União Europeia evitar mais um desastre no seu seio? Quer a União Europeia que o país possa mudar realmente e ultrapassar a crise de financiamento? Quer a União Europeia que esse país possa contar com um compromisso interno que supere divergências insanáveis e viabillize realmente a trajectória de mudança de longo prazo que é imprescindível? (...) Um novo compromisso externo é fundamental para viabilizar um novo compromisso interno e vice-versa. Esta é a negociação certa que tem de ser concluída. Portugal precisa de uma liderança capaz de fazer isto. Ser membro dum espaço integrado como a União Europeia exige este tipo de liderança.» (Maria João Rodrigues, Público)

 

«A crise não vai passar e irá piorar se não houver eleições. Queira o Presidente ou não, se dá ao Governo a remodelação que ele deseja — ela própria a melhor garantia de que vai continuar a haver instabilidade governativa —, e os dois anos até 2015, reforça a arrogância que Passos Coelho já mostrou na crise ao afrontá-lo na Assembleia. O Presidente volta ao contexto do seu discurso de 25 de Abril, mas numa situação muito mais frágil. É só uma questão de tempo até toda a gente perguntar se era para isto, por que perdeu todos estes dias? É que o argumento dos mercados não serve só para aterrorizar os indígenas com as eleições, serve também para Portas, Passos e Cavaco. Mas há uma razão ainda mais funda, estrutural, para que a crise não se vá embora e ela traduziu-se na grande omissão destes dias, no enorme silêncio absurdo e cego com que se discute tudo e três tostões como se as pessoas comuns fossem mera paisagem, os portugueses súbditos sem voz — as eleições não servem para nada, dizem-lhes — e colonizados pelos colaboradores dos “credores” de um protectorado consentido sem revolta. Se nada disto mudar, é só esperar pelos próximos episódios.» (José Pacheco Pereira, idem)

Tags

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor