Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

O "desenho"

João Gonçalves 19 Mar 13

De repente descobriu-se que o "programa de ajustamento", afinal, estava mal "desenhado". Se bem me lembro, os "desenhadores" rodaram por três partidos, faz precisamente agora dois anos, para garantir a qualidade consensual do "desenho". Houve, aliás, quem se gabasse de a parte mais bonita do "desenho" possuir direitos autorais. Ao fim de sete revisões e avaliações do "desenho", o dito não parece agradar especialmente a ninguém. Por baixo do "desenho", porém, está a realidade, a triste realidade, constituída pela vida das pessoas. Se o "desenho" não melhora a realidade dessas pessoas, para que é que ele serve?

 

Sob um céu quase primaveril em Roma, Francisco iniciou oficialmente o seu pontificado. «Não esqueçamos jamais que o verdadeiro poder é o serviço, e que o próprio Papa, para exercer o poder, deve entrar sempre mais naquele serviço que tem o seu vértice luminoso na Cruz; deve olhar para o serviço humilde, concreto, rico de fé, de São José e, como ele, abrir os braços para guardar todo o Povo de Deus e acolher, com afecto e ternura, a humanidade inteira, especialmente os mais pobres, os mais fracos, os mais pequeninos, aqueles que Mateus descreve no Juízo final sobre a caridade: quem tem fome, sede, é estrangeiro, está nu, doente, na prisão (cf. Mt 25, 31-46). (...) Na segunda Leitura, São Paulo fala de Abraão, que acreditou «com uma esperança, para além do que se podia esperar» (Rm 4, 18). Com uma esperança, para além do que se podia esperar! Também hoje, perante tantos pedaços de céu cinzento, há necessidade de ver a luz da esperança e de darmos nós mesmos esperança.» Aqui, debaixo de um inverno que tarda em desaparecer, num momento de sério desânimo nacional e de manifesta desconfiança na capacidade institucional em romper esse desânimo, num momento de inexplicável teimosia em não querer perceber que ocorreu um ponto fatal de chegada que não dá sinais de ser rapidamente contornado, a palavra de Francisco ressoa com a pureza do realismo da verdade racional da fé: «perante tantos pedaços de céu cinzento, há necessidade de ver a luz da esperança e de darmos nós mesmos esperança

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor